Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Seloken - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Metoprolol.

Classe terapêutica : Antiarritmicos, Antihipertensivos, Betabloqueadores e Vasodilatadores.

Apresentação : Caixas com 20 comprimidos e caixas com 5 ampolas.

Indicação : Hipertenso arterial, alterações do ritmo cardíaco (incluindo especialmente taquicardia supraventricular), angina pectoris, suspeita ou infarto do miocárdio confirmado, tratamento sintomático em hipertiroidismo, alterações cardíacas funcionais com palpitações e profilaxia da enxaqueca.

Efeito Colateral :

Ocasionalmente ocorrem: astenia, tonturas, cefaleia, bradicardia, alterações circulatérias posturais (ocasionalmente com sncope), náuseas, vômitos, dor abdominal, dispnéia de exercício. Raramente ocorrem: parestesia, cãimbras musculares, insuficincia cardíaca, palpitações, arritmias, fenmeno de Raynaud, edema, dor precordial, depresso, diminuição do alerta mental, sonolência ou insônia, pesadelos, diarreia ou constipao, rash cutâneo (na forma de urticária psoriasiforme e lesões distróficas da pele), broncospasmo (mesmo em pacientes sem história de doença pulmonar obstrutiva). Em casos isolados ocorrem: alterações da conduo cardíaca, gangrena (em pacientes com alterações circulatérias perifricas graves já existentes), alteração de comportamento, secura da boca, alterações de testes da função hepática, fotossensibilidade, aumento da sudorese, alopecia, rinite, alterações visuais, irritao e/ou ressecamento dos olhos, conjuntivite, tinido, aumento de peso, trombocitopenia. Interações Medicamentosas:: Seloken pode ser utilizado em Associação maioria dos agentes anti-hipertensivos. Recomenda-se cuidado especial quando se associar Seloken a betabloqueadores simPóticos ganglionares, inibidores da MAO ou outros betabloqueadores (por ex., Colírio); no caso de se descontinuar o tratamento com clonidina, Seloken deve ser retirado Vários dias antes da clonidina. Deve-se atentar para possveis efeitos negativos sobre o inotropismo e cronotropismo cardíacos quando Seloken for administrado junto com antiarrtmicos e/ou antagonistas do cálcio (particularmente do tipo de verapamil em Administração endovenosa). Os betabloqueadores podem aumentar os efeitos negativos sobre o inotropismo e dromotropismo cardíacos de antiarrtmicos do tipo da quinidina e amiodarona. Os anestásicos inalatérios aumentam o efeito cardiodepressor em pacientes tratados com betabloqueadores. Ativadores e inibidores enzimáticos podem influenciar os níveis plasmáticos de metoprolol. A concentração plasmática de metoprolol reduzida pela rifampicina e pode ser elevada pela cimetidina. O tratamento concomitante com indometacina pode diminuir o efeito anti-hipertensivo dos betabloqueadores. Sob certas condições, quando a epinefrina é administrada a pacientes tratados com betabloqueadores, os betabloqueadores cardiosseletivos interferem em menor grau com o controle da presso sanguínea que os não seletivos. Pode ser necessário um ajuste da dose de hipoglicemiantes orais em pacientes sob tratamento com Seloken. Seloken pode reduzir a taxa de depuração plasmática de outras drogas (por ex., lidocana).

Modo de Usar :

Recomenda-se individualizar a dose. As seguintes doses devem ser consideradas como um guia: hipertenso: 100 a 200 mg, como dose única pela manhã ou doses fracionadas (manhã e noite). Quando necessário, a dose pode ser aumentada ou adicionar outra droga anti-hipertensiva. Angina pectoris: 100 a 200 mg, em doses fracionadas (manhã e noite). Quando necessário, a dose pode ser aumentada ou adicionar outra droga antianginosa. Arritmias cardíacas: oral: 1 a 2 comprimidos, em doses divididas (manhã e noite). Quando necessário, a dose pode ser aumentada ou adicionar outra droga antiarrtmica. Endovenoso: inicialmente até 5 mg injetado endovenosamente a razo de 1-2 mg/min. A injeo pode ser repetida a intervalos de 5 minutos até que se obtenha a resposta desejada. Geralmente uma dose total de 10-15 mg suficiente. So improváveis os benefícios da terapêutica com doses acima de 20 mg. Infarto do miocárdio: interveno aguda: Seloken deve ser administrado endovenosamente somente imediatamente após a indicação de sintomas de infarto agudo do miocárdio e assim que as condições hemodinâmicas do paciente se estabilizarem. Deve-se administrar 3 injeções em bolus de 5 mg cada em intervalos de 2 minutos, dependendo das condições hemodinâmicas do paciente sob monitorizao intensiva. Se o paciente tolerar a dose integral de 15 mg intravenosa, deve-se passar dose de manuteno de 50 mg via oral, 4 vezes ao dia, 15 minutos após a última injeo intravenosa. Mantêm-se este esquema geralmente por 48 horas. Pacientes que não toleram a dose total EV de Seloken (15 mg), devem comear o tratamento oral com cuidado e utilizando uma dose menor. Tratamento de manuteno oral: em geral de 200 mg ao dia, administrados em doses divididas (manhã e noite). Tratamento sintomático em hipertiroidismo: 150-200 mg diariamente, fracionados em 3 a 4 doses. Se necessário, a dose pode ser aumentada. Alterações cardíacas funcionais como palpitações: 100 mg diariamente como dose única pela manhã. Se necessário, a dose pode ser aumentada. Profilaxia da enxaqueca: 100-200 mg diariamente, administrados em doses fracionadas (manhã e noite). Superdosagem: sinais e sintomas: intoxicação devida superdosagem por Seloken pode ocasionar hipotenso grave, bradicardia sinusal, bloqueio atrioventricular, insuficincia cardíaca, choque cardiogúnico, parada cardíaca, broncospasmo, obnubilao mental ou até mesmo coma, náuseas, vômitos e cianose. A ingestão concomitante de álcool, outros anti-hipertensivos, quinidina ou barbitúricos pode agravar os sinais e sintomas. Em geral, as manifestações de intoxicação iniciam-se 20 minutos a 2 horas após a ingestão da droga. Tratamento: eliminao da droga por induo do vômito ou lavagem gástrica. Na presena de hipotenso grave, bradicardia e choque cardiogúnico, recomenda-se a administração endovenosa de um agonista beta-1 (ex., Prenalterol) em intervalos de 2 a 5 minutos até que se obtenha o efeito desejado. Pode-se tentar alternativamente o bloqueio vagal com sulfato de atropina IV. Se o efeito não for satisfatério, pode-se administrar dopamina, dobutamina, metaraminol ou norepinefrina. também pode-se administrar glucagon na dose de 1 - 10 mg. O marca-passo pode ser necessário. Para combater o broncospasmo, pode-se administrar um beta-2 estimulante intravenosamente. Deve-se observar que as doses necessárias dos antídotos so muito maiores que as terapeuticamente recomendadas.

Contra indicação :

Bloqueio atrioventricular de segundo ou de terceiro graus, insuficincia cardíaca não compensada, síndrome de sicksinus (depresso trio sinusal), choque cardiogúnico, bradicardia sinusal acentuada, arteriopatia perifrica grave, hipersensibilidade ao metoprolol ou aos seus derivados. devido à falta de experiência, o metoprolol não é indicado em pacientes com infarto do miocárdio e que possuem frequência cardíaca 0,24 seg., presso sistlica < 100 mmHg e/ou insuficincia cardíaca grave. - Uso durante a gravidez e lactao: Seloken somente deve ser usado durante a gravidez ou lactao se for absolutamente necessário. Como para qualquer outro anti-hipertensivo, os betabloqueadores podem causar reações adversas, como por exemplo, bradicardia no feto, recêm-nascido e crianças sob aleitamento materno. Se a me lactante for tratada com metoprolol nas doses terapêuticas, a quantidade de metoprolol ingerido através do leite parece ser insignificante com relao ao efeito betabloqueador, no entanto, deve-se administr-lo com cautela nesses casos, observando-se a possível Apresentação : de sinais de bloqueio do tipo beta pelo lactente.

Precauções :

Doenças pulmonares obstrutivas: em geral, pacientes com tais patologias não devem receber betabloqueadores. Entretanto, como Seloken cardiosseletivo, pode ser utilizado com cuidado naqueles pacientes que não respondem a, ou não toleram outros agentes anti-hipertensivos. Deve-se administrar uma droga beta-2 estimulante e usar a menor dose possível de Seloken. há evidências de que o metoprolol pode diminuir a tolerância glicose em pacientes diabéticos e possivelmente em indivíduos normais. Pacientes com insuficincia cardíaca devem ter a descompensao tratada antes e durante o tratamento com Seloken. Muito raramente, uma alteração preexistente da conduo A-V de grau moderado pode ser agravado (levando, possivelmente, a bloqueio A-V). Se o paciente desenvolver bradicardia, deve-se reduzir a dose de metoprolol ou suspender a medicação gradualmente. Seloken pode agravar os sintomas de arteriopatia perifrica, principalmente devido a seu efeito hipotensor. Se utilizado em pacientes com feocromocitoma, deve-se associar um alfabloqueador. Em pacientes tomando betabloqueadores, o choque anafiltico manifesta-se com maior intensidade. A biodisponibilidade do metoprolol pode estar aumentada em pacientes com cirrose hepática. Antes de cirurgias, o anestesista deve estar informado de que o paciente está tomando um betabloqueador. A suspenso abrupta da medicação deve ser evitada. Quando necessária, recomenda-se que seja feita de forma gradual, em um perãodo de 10 dias, em doses decrescentes até 25 mg, uma vez ao dia, durante 6 dias. No decurso da retirada do medicamento, deve-se manter vigilância especial em pacientes com coronariopatia isquêmica. Em caso de presso sistlica < 100 mmHg, Seloken somente deve ser administrado por via endovenosa se forem observadas precauções especiais, pois há risco de ocorrer uma maior queda da presso (por exemplo, em pacientes com arritmias cardíacas). Durante o uso de Seloken em suspeita ou confirmao de infarto, deve-se monitorizar o estado hemodinâmico do paciente após cada dose endovenosa de 5 mg. Não se deve administrar a segunda ou terceira dose se a frequência cardíaca for < 40 bat/min, presso sistlica < 90 mm Hg e intervalo P-Q > 0,26 seg, ou se existir qualquer acentuao da dispnéia ou sudorese. Os pacientes devem verificar sua resposta ao medicamento antes de operar máquinas ou dirigir veículos.

Fórmula :

Cada comprimido contêm: tartarato de metoprolol100 mg. Cada ampola contêm: tartarato de metoprolol 5 mg, soluo fisiológica q.s.p. 5 ml.

Fabricante :

AstraZeneca do Brasil

Rodovia Raposo Tavares
km 26,9 - Cotia - SP
CEP 06707-000

Medicamentos do mesmo fabricante :

Assieme Turbohaler Budesonida, Assieme Turbohaler, Atacand hct, Atacand 32 mg candesartan, Atacand, Bambec, Casodex-150, Diprivan, Emla Creme, Emla Penso, Enfluthane, Entocort, Faslodex, Fluothane, Foscavir, Fulcin, Hytacand 16, Hytacand, Imdur, Inderal-capsulas, Inderal la, Inderal-solucao, Isothane, Lisinopril, Losec, Muse, Mysoline, Naropin, Omeprazol, Periochip, Propofol, Seloken, Selopress, Selozok, Splendil, Suprane, Syscor ap, Zoladex la, Zomig Nasal, Zomig Rapimelt


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Curso Master O Cara da Foto