Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Rocefin Im - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Ceftriaxona.

Apresentação : Solução injetável IM: caixa com 1 frasco-ampola contendo Pó estáril equivalente a 250 mg, 500 mg e 1 g. Acompanham ampolas de diluente de 2 ml ou 3,5 ml (lidocana a 1%) respectivamente para aplicação IM.

Indicação : Infecções causadas por germes sensíveis ceftriaxona.

Efeito Colateral :

distúrbios gastrintestinais: fezes moles ou diarreia, náusea, vômito, estomatite e glossite. Alterações hematológicas: eosinofilia, leucopenia, granulocitopenia, anemia hemoltica, trombocitopenia. reações cutâneas: exantema, dermatite alérgica, prurido, urticária, edema e eritema multiforme. - Efeitos colaterais raros: cefaleia, tontura, elevao das enzimas hepáticas, sedimento sintomático de ceftriaxona célcica na vescula biliar, oligúria, aumento da creatinina sérica, micose do trato genital, tremores, reações anafilticas ou anafilactides. Enterocolite pseudomembranosa e distúrbios da coagulao foram descritos como reações adversas rarssimas. - Efeitos colaterais locais: a injeo intramuscular sem a soluo de lidocana (diluente) dolorosa.

Modo de Usar :

Adultos e crianças acima de 12 anos: a dose usual é de 1-2 g de Rocefin em dose única diária (cada 24 horas). Em casos graves ou em infecções causadas por patégenos moderadamente sensíveis, a dose pode ser elevada para 4 g, 1 vez ao dia. recêm-nascidos (abaixo de 14 dias): dose única diária de 20 - 50 mg/kg. Não ultrapassar 50 mg/kg devido à imaturidade dos sistemas enzimáticos destas crianças. Não é necessário diferenciar crianças prematuras de crianças nascidas a termo. Lactentes e crianças (15 dias até 12 anos): dose única diária de 20-80 mg/kg. Para crianças de 50 kg ou mais deve ser utilizada a posologia de adultos. Pacientes idosos: as doses para adultos não precisam ser alteradas para pacientes geritricos. Duração do tratamento: o tempo de tratamento varia de acordo com a evoluo da doença. terapêutica associada: tem sido demonstrado, em condições experimentais, um sinergismo entre Rocefin e aminoglicosdeos, para muitos bacilos Gram-negativos. Embora não se possa prever sempre um aumento de atividade com esta associao, este sinergismo deve ser considerado nas infecções graves com risco de vida causadas por Pseudomonas aeruginosa. devido à incompatibilidade fsica, os medicamentos devem ser administrados separadamente, nas doses recomendadas. - Instruções posológicas especiais: meningite: na meningite bactriana de lactentes e crianças deve-se iniciar o tratamento com 100 mg/kg em dose única diária. Logo que o germe responsável tenha sido identificado e sua sensibilidade determinada, pode-se reduzir a posologia. Os melhores resultados foram obtidos com os seguintes tempos de tratamento: Neisseria meningitides: 4 dias; Haemophilus influenzae: 6 dias; Streptococcus pneumoniae: 7 dias. gonorréia: para o tratamento da gonorréia causada por cepas produtoras e não produtoras de penicilinase recomenda-se 1 dose única de 250 mg. Borreliose de Lyme (Doena de Lyme): a dose preconizada de 50 mg/kg até o total de 2 g em crianças e adultos, durante 14 dias, em dose única diária. Profilaxia no pré-operatério: para prevenir infeco Pós operatéria em cirurgia contaminada ou potencialmente contaminada, recomenda-se 1 a 2 g de Rocefin 30 a 90 minutos antes da cirurgia. Em cirurgia colorretal a administração concomitante, mas em separado, de Rocefin e um derivado 5-nitroimidazlico (por exemplo, ornidazol) mostrou-se eficaz. Insuficincia hepática e renal: Não é necessário diminuir a dose nos pacientes com insuficincia renal desde que a função hepática esteja normal. Somente nos casos em que o clearance de creatinina for menor que 10 ml por minuto a dose de Rocefin não deve ser superior a 2 g/dia. Não é necessário diminuir a dose de Rocefin em pacientes com insuficincia hepática desde que a função renal esteja normal. No caso de insuficincia hepática e renal graves e concomitantes, deve-se determinar a concentração plasmática de Rocefin a intervalos regulares. Em pacientes sob dilise não há necessidade de doses suplementares após a dilise. Entretanto as concentrações séricas devem ser acompanhadas, a fim de avaliar a necessidade de ajustes na posologia, pois a taxa de eliminao pode ser reduzida nestes pacientes. As soluções reconstituídas permanecem estáveis fsica e quimicamente por 6 horas temperatura ambiente (ou por 24 horas a 5 oC). Entretanto como regra geral, as soluções devem ser usadas imediatamente após a preparação. A coloração varia do amarelo-Pólido ao mbar, dependendo da concentração e do tempo de estocagem; esta particularidade da ceftriaxona não tem qualquer significado quanto tolerabilidade e eficácia do medicamento. Rocefin deve ser guardado em temperatura abaixo de 30 oC. Administração intramuscular: diluir o Rocefin IM 250 mg ou 500 mg em 2 ml e o Rocefin IM 1 g em 3,5 ml de uma soluo de lidocana a 1% e injetar profundamente na regio gltea. Recomenda-se não injetar mais do que 1 g em cada glteo. A soluo de lidocana nunca deve ser administrada por via intravenosa.

Contra indicação

Pacientes com reconhecida hipersensibilidade aos antibióticos do grupo das cefalosporinas. Em pacientes hipersensíveis penicilina deve-se levar em conta a possibilidade de reações alérgicas cruzadas. Rocefin não deve ser adicionado a soluções que contenham cálcio como a soluo de Hartmann ou soluo de Ringer. Baseado em artigos da literatura, ceftriaxona incompatével com amsacrina, vancomicina, fluconazol. - Gravidez e lactao: embora as pesquisas pré-clínicas não tenham revelado efeitos mutagúnicos e teratogúnicos, o Rocefin não deve ser usado durante a gravidez (principalmente nos 3 primeiros meses), a não ser que seja absolutamente necessário. Como Rocefin excretado no leite em baixas concentrações, recomendado cuidado em mulheres que amamentam.

Precauções :

Como ocorre com outras cefalosporinas, a Ocorrência de choque anafiltico não pode ser afastada mesmo na ausência de antecedentes alérgicos. A Ocorrência de choque anafiltico exige imediata interveno. Em casos raros, o exame ultra-sonogrfico da vescula biliar revelou imagens sugestivas de sedimento que desaparecem com a descontinuao ou concluso da terapêutica com Rocefin. Recomenda-se tratamento clínico conservador, mesmo nos casos em que tais achados se acompanham de sintomatologia dolorosa. A colite pseudomembranosa tem sido descrita com quase todos agentes antibacterianos. Estudos in vitro demonstraram que a ceftriaxona, como outras cefalosporinas, podem deslocar a bilirrubina da albumina sérica. Rocefin não é recomendado para neonatos, especialmente prematuros que apresentem risco de desenvolver encefalopatia devido à hiperbilirrubinemia. Durante tratamentos prolongados, deve-se fazer controle regular do hemograma. Dados não indicam efeitos adversos em pessoas que trabalham com máquinas ou veículos automotores. - Interações Medicamentosas:: até o momento, não se observou quaisquer alterações da função renal após Administração simultânea de doses elevadas de Rocefin e potentes diuréticos, como a furosemida, em altas doses. Não existe também qualquer evidência de que o Rocefin aumenta a toxicidade renal dos aminoglicosódios. Rocefin não apresentou efeito similar ao provocado pelo dissulfiram após Administração de álcool. A ceftriaxona não contêm o radical N-metiltiotetrazol que está associado a uma possível intolerância ao álcool e a sangramentos observados com outras cefalosporinas. O probenicide não tem influência sobre a eliminao do Rocefin. Em estudos in vitro efeitos antagúnicos foram observados com o uso combinado de cloranfenicol e ceftriaxona. Nos pacientes tratados com Rocefin o teste de Coombs pode raramente se tornar falso positivo, assim como o teste para galactosemia. Os métodos não enzimáticos para a determinao de glicose na urina podem fornecer resultados falsos positivos. Por este motivo a determinao de glicose na urina deve ser feita por métodos enzimáticos. - Tolerabilidade: o Rocefin geralmente bem tolerado. Durante o uso de Rocefin foram observadas as seguintes reações adversas reversíveis espontaneamente ou após a retirada do medicamento.

 

Fórmula :

Ceftriaxona(6R,7R)-7-(Z)-2-(amino-4-tiazolil)-2-[metoxiimin o]acetamido -3-[(2,5-diidro-6-hidroxi-2-metil-5-oxo-as-triaz in-3-il)tio]metil-8-oxo-5-tia-1-azobiciclo[4,2,0 ]-oct-2-en-2-ácido carboxlico, sob a forma de sal dissódico. Rocefin contêm aproximadamente 83 mg (3,6 mEq) de sódio por grama de ceftriaxona.

Fabricante :

Roche Químicos Farmacêuticos S/A

Estrada dos Bandeirantes, 2020 – cep 22775-109
Rio de Janeiro – RJ - Brasil

Canal do Médico: 0800 77 20 292
Canal do Paciente: 0800 77 20 289

Ancotil, Bactrim, Cellcept, Coreg, Efurix, Fansidar, Fortovase, Globocef, Granulokine, Herceptin, Hivid, Lanexat, Lariamar, Limbitrol, Liquemine, Mabthera, Marcoumar, Pegasys, Posicor, Prolopa, Prostigmine, Protamina, Protovit, Pulmozyme, Rennie, Roacutan, Rocaltrol, Rocefin im, Rocefin iv, Rochagan, Roferon a, Uro bactrim, Verutex, Vesanoid


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Emagrecimento e Aumento de Massa Muscular