Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Ramipril- IPCA - Bula

Esta bula é meramente informatica destinada ao público em geral.

Princípio ativo : Ramipril

Classe terapêutica : Inibidores da enzima de converso da angiotensina.

Apresentação : 1,25 mg Cápsulas

Cdigo ATC C09A A05

Indicação :

- Hipertenso; para baixar a tenso arterial, em mono terapia ou em combinao com outrosagentes anti-hipertensivos, p.ex. diuréticos e antagonistas do cálcio.
- Insuficincia cardíaca congestiva; como terapêutica adjuvante de diuréticos com ou semglicosidos cardíacos.
- após enfarte do miocárdio.
- Nefropatia diabtica e não diabtica.
O Ramipril não é adequado ao tratamento da hipertenso resultante de hiperaldosteronismoprimrio.

Antes de TomarRamipril IPCA 1,25 mg Cápsulas

Não tome Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas
- Se tem hipersensibilidade (alergia) à substância ativa ou a qualquer outro componente de
Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas
- Se tem uma história de edema angioneurtico,
- Se tem estenose da artria renal hemodinamicamente relevante bilateral, ou unilateral, no rim
único,
- Se tem impedimento do enchimento ou esvaziamento do ventrculo esquerdohemodinamicamente relevante (por exemplo, estenose da vlvula mitral ou artica),
- Se é um doente hipotenso ou hemodinamicamente instvel,
- Durante a gravidez e a lactao.

Tome especial cuidado com Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas
Foram descritas reações de hipersensibilidade anafilactide ameaadoras da vida, algumas vezesevoluindo para o choque, no decurso de dilise com certas membranas de dbito elevado (porexemplo: membranas de poliacrilonitrilo) durante a terapêutica com inibidores da enzima deconverso da angiotensina IECA (ver também instruções do produtor da membrana).
O uso concomitante do ramipril e dessas membranas (por exemplo, em situações de dilise deemergência ou hemofiltração) deve ser evitado, utilizando outras membranas ou mudando parauma terapêutica sem IECAs.
reações semelhantes foram observadas durante a aferse de lipoproteínas de baixa densidadecom o sulfato de dextrano. Portanto, este método não deve ser usado em doentes tratados com
IECAs.
O tratamento com ramipril exige controlo médico regular. Geralmente, recomenda-se quedesidratao, hipovolmia ou depleco salina sejam corrigidas antes de iniciar o tratamento
(contudo, em doentes com insuficincia cardíaca, esta atitude médica deve ser ponderada emfunção do risco de sobrecarga volmica). No caso de este quadro ter relevncia clínica, otratamento com ramipril só deve ser iniciado ou continuado se forem tomadas concomitantementemedidas apropriadas para evitar uma baixa excessiva da tenso arterial e uma deterioração dafunção renal.
Os seguintes grupos de doentes devem ser monitorizados com particular cuidado durante otratamento com ramipril dado haver uma probabilidade maior de ocorrer uma diminuiçãoacentuada da tenso arterial para Além do desejável e possível deterioração subsequente da funçãorenal:
- Doentes com hipertenso grave e particularmente hipertenso maligna;
- Doentes com insuficincia cardíaca, especialmente se for grave ou se estiverem a ser tratadoscom outras substâncias com potencial anti-hipertensivo;
- Doentes previamente tratados com diuréticos;
- Doentes em que exista ou se possa desenvolver depleco salina ou de fludos;
- Doentes com estenose da artria renal hemodinamicamente relevante.
necessária uma monitorizao particularmente cuidadosa em doentes sujeitos a riscos gravesresultantes de uma diminuição acentuada da tenso arterial para Além do desejável (por exemplo,doentes com estenoses hemodinamicamente relevantes das artrias coronárias ou dos vasossanguíneos que irrigam o crebro).
A fim de avaliar a extenso de uma queda brusca da tenso arterial e, quando necessário, permitirtomar acções correctivas, a tenso arterial deve ser medida repetidamente em regra após aprimeira toma e após cada aumento de dose do ramipril, ou aquando da primeira toma e aumentoda dose de um diurético adicional. Este procedimento deve ser mantido até que não seja deesperar qualquer outra diminuição relevante da tenso arterial.
No caso de uma diminuição acentuada da tenso arterial, pode ser necessário deitar o doente comas pernas levantadas e proceder a uma substituio volmica ou de fluidos assim como outrasmedidas terapêuticas.
recomendvel, especialmente na primeira semana de tratamento, controlar a função renal. necessária uma monitorizao particularmente cuidadosa em doentes com doença renovascular
(por exemplo, estenose da artria renal que é ainda hemodinamicamente irrelevante ou estenoseunilateral da artria renal hemodinamicamente relevante), em doentes com perturbao prvia dafunção renal ou em doentes com transplante renal.
Recomenda-se que o potássio srico seja controlado regularmente. necessário um controlo maisfrequente do potássio srico em doentes com perturbao da função renal. Esse controlo deve sermuito frequente em doentes tratados concomitantemente com diuréticos poupadores de potássio
(por exemplo, espironolactona) ou com sais de potássio.

necessário controlo regular do sódio srico em doentes tratados com terapêutica diuréticaconcomitante.
necessária uma monitorizao da contagem de leuccitos de maneira a poder detectar umaeventual leucoPónia.
necessário o controlo regular numa fase inicial do tratamento e nos grupos de riscomencionados.
Especialmente durante o primeiro mês de tratamento com um IECA, deverão ser cuidadosamentemonitorizados os níveis de glicemia no diabético previamente medicado com anti-diabéticos oraisou insulina.

Tomar Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas com outros medicamentos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.
Quando usados concomitantemente, o ramipril pode ter interações com os seguintes fármacos:
Alopurinol, imunossupressores, corticosteróides, procainamida, citostáticos e outras substânciasque podem alterar o hemograma: probabilidade aumentada de alteração do hemograma.
Agentes antidiabéticos (p.ex. insulina e derivados das sulfonilureias): a administraçãoconcomitante de inibidores da ECA e antidiabéticos orais ou insulina pode, potenciar o efeito dediminuição da glucose sanguínea com risco de hipoglicmia.
Este fenmeno poderá ocorrer com maior frequência durante as primeiras semanas de tratamentoem doentes com insuficincia renal.
Agentes anti-hipertensivos (p.ex. diuréticos e outras substâncias com potencial antihipertensivo:nitratos, antidepressivos tricclicos, anestásicos): de esperar uma potenciao do efeitoantihipertensivo .
Sais de potássio, diuréticos economizadores de potássio, heparina: de esperar um aumento daconcentração de potássio. Não se recomenda a administração concomitante de sais de potássiocom ramipril .
Sais de lítio: outros inibidores da ECA e portanto presumivelmente também o ramipril -reduzem a excreo de sais de lítio, o que pode levar a uma elevao dos níveis séricos de lítio eaumentar o risco de efeitos cardiotxicos e nefrotxicos do lítio.
Medicamentos anti inflamatórios não esteróides (p.ex. Ácido acetilsalicílico e indometacina): emcaso de Administração concomitante de inibidores da ECA com estas substâncias e portantotambm possivelmente com o ramipril, de esperar uma diminuição do efeito do ramipril.
Membranas de dilise de alto dbito, sulfato de dextrano: reações de hipersensibilidadeanafilactide ameaadoras de vida, por vezes evoluindo para o choque,têm sido descritas nodecurso de dilise com certas membranas de alto dbito (p.ex. membranas de poliacrilnitrilo)durante a terapêutica com inibidores da ECA. reações semelhantes foram observadas duranteafrese de lipoproteínas de baixa densidade com sulfato de dextrano.
Tomar Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas com alimentos e bebidas
a administração de ramipril em simultâneo com alimentos não tem efeito relevante sobre aabsoro.
As cápsulas de Ramipril IPCA devem ser ingeridas com bastante líquido (aproximadamente umcopo de água).
Ramipril IPCA pode ser tomado antes, durante ou após uma refeio.
Sal: a ingestão aumentada de sal na dieta pode diminuir o efeito antihipertensivo do ramipril.
álcool: o ramipril pode potenciar o efeito do álcool.

Gravidez e aleitamento
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

O ramipril não deve ser administrado durante a gravidez. Portanto, a gravidez deve ser excluídaantes de iniciar o tratamento e deve ser evitada nos casos em que o tratamento com inibidores da
ECA indispensvel. Se a doente tencionar ficar grávida, o tratamento com inibidores da ECAdeve ser interrompido, isto , substituído por outras terapêuticas. Se a doente engravida durante otratamento, a medicação com Ipca deve ser substituída assim que possível, mas em qualquer casodurante o primeiro trimestre de gravidez, por um regime de tratamento sem inibidores da ECA,isto , também sem ramipril. Caso contrrio existe um risco de leso para o feto.

Se o tratamento com ramipril for necessário durante a lactao, a doente não deve amamentar afim de evitar que o lactente ingira pequenas quantidades de ramipril do leite materno.

Conduo de veículos e utilização de máquinas
O ramipril pode, em alguns indivíduos, devido ao efeito hipotensivo, afectar a capacidade derealizar tarefas tais como a conduo e a utilização de máquinas. mais provável que tal ocorrano incio da terapêutica, aquando da alteração de outras preparações para o ramipril e durante oconsumo concomitante de álcool. Consequentemente, não se recomenda a conduo e a utilizaçãode máquinas durante vrias horas após a primeira dose ou subsequente aumento de dose.

Modo de Usar: Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas

Tomar Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas sempre de acordo com as Indicaçõesdo médico. Falecom o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas. Fale com o seu médico ou farmacêutico setiver a impresso de que o Ramipril IPCA é demasiado forte ou demasiado fraco.
Posologia

Tratamento da hipertenso
A posologia baseia-se no efeito anti-hipertensivo desejado e no modo como o doente individualtolera o medicamento.
Dose inicial recomendada: 2,5 mg de Ramipril IPCA uma vez por dia . Em função da resposta dodoente, a dose pode ser aumentada. Recomenda-se que este aumento da dose, se necessário, sefaa com intervalos de 2 a 3 semanas. Dose de manuteno habitual: 2,5 mg a 5 mg de Ramipril
IPCA por dia. Dose diária máxima permitida: 10 mg de Ramipril IPCA .
Em vez de aumentar a dose acima de 5 mg de Ramipril IPCA por dia, pode ser considerada a administração adicional de, por ex. um diurético ou um antagonista do cálcio.
Em doentes com função renal em que a clearence de creatinina de 50 a 20 ml/min por 1,73 m2da rea de superfcie corporal, a dose diária inicial recomendada geralmente de 1,25 mg de
Ramipril IPCA Neste caso, a dose diária máxima permitida de 5 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes previamente tratados com um diurético, deve-se considerar a interruPóo do diurético
(em função da duração da aco do diurético) pelo menos 2 ou 3 dias ou mais antes de iniciar otratamento com Ramipril IPCA, ou pelo menos reduzir a dose do diurético. A dose diária inicialem doentes previamente tratados com um diurético geralmente de 1,25 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes com perturbao da função hepática, a resposta ao tratamento com Ramipril IPCApode ser aumentada ou reduzida. Portanto, o tratamento destes doentes só deve ser iniciado sobestrito controlo médico. A dose diária máxima permitida neste caso de 2,5 mg de Ramipril
IPCA.

Tratamento da insuficincia cardíaca congestiva
Dose inicial recomendada: 1,25 mg de Ramipril IPCA uma vez por dia.
Em função da resposta do doente, a dose pode ser aumentada, recomendando-se que esseaumento seja feito com intervalos de 1 a 2 semanas. Se for necessário uma dose diária de 2,5 mg

de Ramipril IPCA ou mais, esta dose pode ser administrada numa toma única ou dividida em 2tomas.
Dose diária máxima permitida: 10 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes com insuficincia renal em que a clearence de creatinina de 50 a 20 ml/min por
1,73 m2 da rea de superfcie corporal, a dose diária inicial recomendada geralmente de 1,25mg de Ramipril IPCA. Neste caso, a dose diária máxima permitida de 5 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes previamente tratados com um diurético, deve-se considerar a interruPóo do diurético
(em função da duração da aco do diurético) pelo menos 2 ou 3 dias ou mais antes de iniciar otratamento com Ramipril IPCA, ou pelo menos reduzir a dose do diurético.
Em doentes com perturbao da função hepática, a resposta ao tratamento com Ramipril IPCApode ser aumentada ou reduzida. Portanto, o tratamento destes doentes só deve ser iniciado sobestrito controlo médico. A dose diária máxima permitida nestes doentes de 2,5 mg de Ramipril
IPCA.

Tratamento após enfarte do miocárdio
Dose inicial recomendada: 5 mg de Ramipril IPCA por dia, divididos em 2 tomas de 2,5 mg cada,uma de manhã e a outra à noite. Se o doente não tolerar esta dose inicial, recomenda-se a administração de 1,25 mg 2 vezes por dia, durante dois dias. Em qualquer dos casos, em funçãoda resposta do doente, a dose pode então ser aumentada, recomenda-se que esse aumento se faacom intervalos de 1 a 3 dias. Mais tarde, a dose diária total, inicialmente dividida, pode seradministrada numa toma única diária.

Dose diária máxima permitida: 10 mg de Ramipril IPCA.
Não existe ainda experiência suficiente no tratamento de doentes com insuficincia cardíacagrave (NYHA IV) imediatamente após enfarte do miocárdio. No entanto, se for decidido tratarestes doentes, recomenda-se que a terapêutica seja iniciada com a dose diária mais baixa possível
(1,25 mg de Ramipril IPCA, uma vez por dia) e que a posologia s seja aumentada com particularateno.

Em doentes com insuficincia renal em que a clearence de creatinina de 50 a 20 ml/min por
1,73 m2 da rea de superfcie corporal, a dose diária inicial recomendada geralmente de 1,25mg de RAMIPRIL IPCA. Neste caso, a dose diária máxima permitida de 5 mg de Ramipril
IPCA.
Nos casos em que a depleo de sódio ou fludos não tenha sido totalmente corrigida, dehipertenso grave, assim como em doentes em que uma reação hipotensiva constituiria um riscoparticular (por ex. com estenoses relevantes dos vasos coronários ou dos que irrigam o crebro),deve ser considerada uma dose inicial reduzida de 1,25 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes com perturbao da função hepática, a resposta ao tratamento com Ramipril IPCApode ser aumentada ou reduzida. Portanto, o tratamento destes doentes só deve ser iniciado sobestrito controlo médico. A dose diária máxima permitida neste caso de 2,5 mg de Ramipril
IPCA.

Tratamento da nefropatia
Dose inicial recomendada: 1,25 mg de Ramipril IPCA uma vez por dia.
Em função da tolerância ao medicamento pelo doente, a dose pode ser aumentada.
Recomenda-se que este aumento de dose, se necessário, se faa com intervalos de 2 a 3 semanas.
Dose diária máxima permitida: 5 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes previamente tratados com um diurético, deve-se considerar a interruPóo do diurético
(em função da duração da aco do diurético) pelo menos 2 ou 3 dias ou mais antes de iniciar otratamento com Ramipril IPCA, ou pelo menos reduzir a dose do diurético.

Em doentes com perturbao da função hepática, a resposta ao tratamento com Ramipril IPCApode ser aumentada ou reduzida. Portanto, o tratamento destes doentes só deve ser iniciado sobestrito controlo médico. A dose diária máxima permitida nestes doentes de 2,5 mg de Ramipril
IPCA.

Preveno do enfarte do miocárdio, AVC ou morte cardiovascular
Dose inicial recomendada: 2,5 mg de Ramipril IPCA uma vez por dia. Em função da tolerância, adose é aumentada gradualmente. Recomenda-se duplicar a dose após uma semana de tratamento eapós outras três semanas, aument-la para 10 mg.
Dose habitual de manuteno: 10 mg de Ramipril IPCA por dia.
Em doentes com insuficincia renal em que a clearence de creatinina de 50 a 20 ml/min por
1,73 m2 da rea de superfcie corporal, a dose diária inicial recomendada geralmente de 1,25mg de Ramipril IPCA. Neste caso, a dose diária máxima permitida de 5 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes previamente tratados com um diurético, deve-se considerar a interruPóo do diurético
(em função da duração da aco do diurético) pelo menos 2 ou 3 dias ou mais antes de iniciar otratamento com Ramipril IPCA, ou pelo menos reduzir a dose do diurético.
Nos casos em que a depleo de sódio ou fludos não tenha sido totalmente corrigida, dehipertenso grave, assim como em doentes em que uma reação hipotensiva constituiria um riscoparticular (por ex. com estenoses relevantes dos vasos coronários ou dos que irrigam o crebro),deve ser considerada uma dose inicial reduzida de 1,25 mg de Ramipril IPCA.
Em doentes com perturbao da função hepática, a resposta ao tratamento com Ramipril IPCApode ser aumentada ou reduzida. Portanto, o tratamento destes doentes só deve ser iniciado sobestrito controlo médico. A dose diária máxima permitida nestes doentes de 2,5 mg de Ramipril
IPCA.

Não existe experiência suficiente no que diz respeito ao uso de Ramipril IPCA em crianças, emdoentes com perturbao grave da função renal (clearance da creatinina inferior a 20 ml/min por
1,73 m2 da rea de superfcie corporal) e em doentes dialisados.

Se tomar mais Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas do que deveria
Se tomou mais Ramipril IPCA do que deveria, fale de imediato com o seu médico ou o seufarmacêutico.

Em caso de sobredosagem :
Podem ocorrer os seguintes sintomas: p.ex., hipotenso grave, choque, perturbações electrolticase insuficincia renal.
O tratamento a administrar função de como e quando o medicamento foi tomado e do tipo egravidade dos sintomas. Devem ser tomadas medidas para eliminar o ramipril que não tenhaainda sido absorvido (p.ex., lavagem gástrica, Administração de adsorventes, sulfato de sódio, sepossível, durante os primeiros 30 minutos).
As funções vitais e orgânicas devem ser monitorizadas em condições de cuidados intensivos, afim de se tomarem, se necessário, medidas terapêuticas adequadas.
Em caso de hipotenso, deve ser considerada a administração de catecolaminas e angiotensina IIAlém da substituio volmica e de sódio.
Não há ainda experiência disponível quanto eficácia da diurese forçada, é alteração do pH daurina, hemofiltração ou a dilise para acelerar a eliminao de ramipril ou ramiprilato. Se forconsiderada, no entanto a eventualidade de proceder a dilise ou hemofiltração.

Caso se tenha esquecido de tomar Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas
Não tome uma dose dobrada para compensar uma uma dose que se esqueceu de tomar.

Tome a dose na toma prevista seguinte, hora habitual.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico oufarmacêutico.

Efeitos secundários possíveis

Como os demais medicamentos, Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas pode causar efeitossecundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Tenso arterial:
Sobretudo no incio do tratamento e em consequncia da vasodilatao, ou como resultado doabaixamento da tenso arterial, mesmo se apenas ao nível desejado, podem ocorrer sintomas taiscomo, estonteamento, por vezes acompanhado por perturbações da concentração e das reações,fadiga, astenia e tonturas. Outros sintomas incluindo taquicárdia, palpitações, perturbações daregulao ortostática, náuseas, suores, zumbidos, perturbações da audição, cefaleias, ansiedade esonolência podem ocorrer devido a uma reduo excessiva da tenso arterial, o que pode levar àsncope.
Em casos raros, podem ocorrer arritmias cuja causa pode ser, por exemplo, a reduo excessivada tenso arterial.
Uma baixa pronunciada e indesejável da tenso arterial pode ocorrer particularmente após umadose inicial ou após qualquer aumento de dose do ramipril, mas também após a primeira toma ouo aumentar da dose de um diurético adicional. Uma baixa acentuada da tenso arterial, algumasvezes evoluindo para o choque, pode ser mais provável em doentes com:
- Hipertenso grave e particularmente hipertenso maligna
- Insuficincia cardíaca, especialmente se for grave ou se estiverem a ser tratados com outrassubstâncias com potencial antihipertensivo
- terapêutica diurética prvia
- Depleco de fludos ou sal, ou como resultado de, diarreia, vômitos ou sudao excessiva, noscasos em que a substituio de sal e fludos inadequada
- Estenose da artria renal hemodinamicamente relevante.
Perturbações da perfuso devido a estenoses vasculares podem ser exacerbadas durante otratamento com ramipril. Podem ocorrer principalmente em doentes com doença coronária ouestenose hemodinamicamente relevante de vasos sanguíneos que irriguem zonas isquemiadas domiocárdio (por exemplo, no seguimento da angina de peito e enfarte do miocárdio) ou do crebro
(por exemplo, no seguimento de acidente isquêmico transitório ou AVC), particularmente comoresultado de uma baixa excessiva da tenso arterial.
Uma vez realcançados os níveis adequados de tenso arterial e de equilíbrio electroltico, otratamento com ramipril pode ser geralmente continuado.

Rim e balanão electroltico:
Durante o tratamento com ramipril pode haver uma deterioração da função renal, que podeevoluir para insuficincia renal aguda em certas circunstâncias, particularmente:
- Doentes com doença renovascular (por exemplo, estenose da artria renalhemodinamicamente relevante)
- Doentes transplantados renais

- Em conjugao com uma baixa mais pronunciada da tenso arterial, principalmente em doentescom insuficincia cardíaca concomitante.
Como sinais de perturbao da função renal, a creatinina e a ureia séricas podem elevar-se,particularmente se forem administrados diuréticos concomitantemente. Uma proteinária prviapode agravar-se, especialmente em doentes com nefropatia diabtica, contudo a excreo deproteínas renais pode também reduzir-se.
A reduo de formao de angiotensina II e a secreo de aldosterona pode provocar oucontribuir para uma baixa de concentração de sódio srico e para um aumento da concentração dopotsio srico, este ltimo principalmente em doentes com perturbao da função renal (porexemplo, devido a uma nefropatia diabtica) ou quando diuréticos poupadores de potássio soadministrados concomitantemente.
Inicialmente pode ocorrer um aumento do dbito urinário que pode ser observado em ligao comuma melhoria do rendimento cardíaco.

Pele e vasos sanguíneos, reações anafilticas ou anafilactides:
Raramente podem ocorrer edemas angioneurticos durante o tratamento com ramipril que sodevidos inibio da ECA, e necessitam interruPóo imediata da terapêutica. Qualquertratamento futuro com outros IECAs também de excluir nestes casos. Edema angioneurtico
(por exemplo, da lngua, farnge ou laringe) pode ser ameaador da vida e exigir medidas deemergência. Edemas não angioneurticos mais ligeiros (por exemplo, envolvendo o tornozelo)tambm so possveis.
Para Além disso, as seguintes reações cutâneas ou mucosas podem ocorrer: rubor das reascutâneas com sensao de calor local, conjuntivite, prurido e reações tais como urticária,exantema mculo-papular e liquenide, eritema multiforme, alopécia e precipitao ouintensificação do fenmeno de Raynaud. Com outros IECAs, exantema eenantema psoriasiforme ou pentifoide, hipersensibilidade da pele luz e onicélise foramobservados.
No caso de prurido, como urticária, o doente deve informar o médico imediatamente.
A probabilidade e a gravidade de reações anafilticas e anafilactides podem aumentar sob ainfluência de IECAs. Este facto deve ser considerado quando se efectua a dessensibilizao.

Tracto respiratério:
Tosse irritativa seca ocorre frequentemente, provavelmente devido à inibio da ECA.
Agrava-se muitas vezes à noite e ocorre com maior frequência em mulheres e não fumadores.
Nalguns casos, a mudança para outro IECA pode solucionar este problema. Contudo a tosse podeforar os doentes a interromper a administração de qualquer fármaco deste grupo.
Tambm possivelmente devido a inibio da ECA, podem ocorrer rinite, sinusite, bronquite e,especialmente em doentes com tosse irritativa, bronco espasmo.
Caso ocorra dispneia grave, o doente deve informar um médico imediatamente.

Gastrointestinais:
Podem desenvolver-se reações no tracto digestivo, por exemplo, secura da boca, irritao ouinflamao da mucosa oral, perturbações digestivas, obstipao, diarreia, náuseas e vômitos, dordo tipo gastrite, desconforto na parte superior do abdômen (por vezes com elevações dos níveisdas enzimas pancreticas), pancreatite, aumento das enzimas hepáticas e/ou da bilirrubina sérica,icterícia colestática, outras formas de perturbao da função hepática e, nalguns casos com riscovital, hepatite.

Hemograma:

Podem ocorrer as seguintes alterações: diminuição ligeira a grave do nmero de eritrcitos ou doconteúdo em hemoglobina, trombocitoPónia e leucoPónia, alguma vezes apenas limitada aneutroPónia. Agranulocitose, depresso da medula óssea e pancitioPónia foram observadas comoutros IECAs.
Estas alterações do hemograma so mais prováveis de ocorrer em doentes com perturbações dafunção renal, em doentes com colagenose concomitante (por exemplo, lpus eritematoso eesclerodermia) ou em doentes tratados com outros medicamentos que possam causar alteraçõesdo hemograma .

Outros efeitos adversos:
Podem ocorrer perturbações do equilíbrio, cefaleias, irritabilidade, agitao, tremores,perturbações do sono, confuso, anorexia, depresso, ansiedade, parestesias, alterações do paladar
(por exemplo, sabor metlico), diminuição ou perda do paladar, cãibras musculares, impotnciasexual e diminuição da lbido.
Vasculite, mialgias, artralgias, febre e eosinofilia também podem ocorrer.

5. COMO CONSERVAR Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas

Manter fora do alcance e da vista das crianças.
Conservar a temperatura inferior a 25ºC

Não utilize Ramipril IPCA após o prazo de validade impresso na embalagem exterior e no blistera seguir a ?VAL?. O prazo de validade corresponde ao ltimo dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalizao ou no lixo doméstico. Pergunte aoseu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita. Estas medidas irãoajudar a proteger o ambiente.

6. Outras Informações

Qual a composição de Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas
A substância ativa é o ramipril. Cada cápsula de Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas, contêm 1,25mg de ramipril.

Os outros componentes so:
Amido pré-gelatinizado e Amido pré-gelatinizado Lycatab.
Corpo e cabeça das cápsulas: dióxido de titânio(E 171) e xido de ferro amarelo (E 172),metilparabeno, propilparabeno e gelatina.

Qual o aspecto de Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas e conteúdo da embalagem
Ramipril IPCA 1,25 mg Cápsulas apresenta-se na forma farmacêutica de cápsulas. As cápsulasso de cor branca e amarela e encontram-se acondicionadas em blister de PVC/PVDC/Alu.
Embalagens com 10, 14, 20, 28, 30, 56, 60 e 100 Cápsulas.
É possível que não sejam comercializadas todas as Apresentações.

Fabricante .

IPCA, Produtos farmacêuticos Unipessoal Lda.
Rua Chanceler Mor,11 R/C Frt,Sala C.Cacm.
SINTRA

Telefone: +351219129104
Fax: +351219129108/9

Fabricante
Bristol Laboratories Limited
Laporte Way, Luton
LU4 8WL Bedfordshire
Reino Unido

Medicamento sujeito a receita médica


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.


Jesus a Chave Hermenêutica, Curso exclussivo com o Pastor Caio Fábio