Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Pantomicina - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : eritromicina

Apresentação : Suspenso peditrica em embalagens com 100 ml (125 mg); embalagens com 50 ml (250 mg). Embalagens com 10 comprimidos revestidos (250 mg); 20 e 120 comprimidos revestidos (250 mg e 500 mg).

Indicação : Infecções causadas por germes sensíveis eritromicina.

Efeito Colateral :

Os efeitos adversos mais frequentes dos preparados orais de eritromicina so gastrintestinais e so dose-relacionados. Eles incluem náuseas, vômitos, dor abdominal, diarreia e anorexia. Colite pseudomembranosa associada com a terapêutica de eritromicina tem sido raramente relatada. Durante terapêuticas prolongadas ou repetidas com antibióticos, existe a possibilidade de um crescimento excessivo de bactrias ou fungos não suscetíveis. Se tal ocorrer, a droga deve ser suspensa e terapêutica apropriada instituída. Leves reações alérgicas, como urticária e outras erupções da pele,têm ocorrido.têm sido comunicadas reações severas, incluindo anafilaxia. Relatos ocasionais de arritmias cardíacas, tais como, taquicardia ventricular,têm sido feitos em pacientes que recebiam terapêutica com eritromicina. Efeitos colaterais sobre o sistema nervoso central, incluindo convulsões, alucinações, confuso e vertigens,têm sido descritos ocasionalmente; entretanto, uma relação causa/efeito não foi estabelecida.

Modo de Usar :

Adultos: em casos de infecções leves ou moderadas a dosagem habitual de 250 mg a cada 6 horas ou 500 mg a cada 12 horas, em jejum ou imediatamente antes das refeições. Para infecções mais severas, 500 mg a cada 6 horas recomendvel. A dose pode ser aumentada até 4 g ou mais ao dia, segundo a gravidade da infecção. Crianças: idade, peso e grau da infecção so critérios importantes a serem observados para se determinar uma posologia correta. Em caso de infecção leve a moderada a dosagem recomendada é de 30 a 50 mg/kg/dia, divididos em 3 ou 4 doses. Para o tratamento de infecções mais severas a dose total diária pode ser duplicada. Na profilaxia contínua por infecções estreptoccicas em pacientes com febre reumática, a dose de 250 mg, 2 vezes ao dia. Na profilaxia contra endocardite bacteriana manter 8 doses. Na profilaxia contra endocardite bacteriana em pacientes com cardiopatia congnita ou reumática ou valvulopatia adquirida, procedimentos dentários ou cirúrgicos no trato respiratério superior, ministrar 1 g (20 mg/kg para crianças) por via oral em uma e meia a duas horas antes do procedimento, ou então, 500 mg (10 mg/kg para crianças) por via oral a cada 6 horas por 8 doses. Para conjuntivite em recêm-nascidos causadas por C. trachomatis a dose oral de 500 mg, 4 vezes ao dia, por 2 semanas. Para pneumonia causada por C. trachomatis recomenda-se 500 mg, 4 vezes ao dia, por 3 semanas. Para infecções urogenitais durante a gravidez causada por C. trachomatis a dose de 500 mg, 4 vezes ao dia, por 7 dias. Para as mulheres que não tolerarem essa posologia, diminuir a dose para 250 mg, 4 vezes ao dia, durante 14 dias. Para adultos com infecção uretral, endocervical ou retal causadas por C. trachomatis, a dose oral indicada de 500 mg, 4 vezes ao dia, durante 7 dias. No tratamento da sífilis primria a dose recomendada é de 500 mg, 4 vezes ao dia, por um perãodo de 10 a 15 dias. Para o tratamento da sífilis tardia (mais de 1 ano de duração e com lesões cardiovasculares): 2 g administrados diariamente em doses divididas, por um perãodo superior a 30 dias. No tratamento da amebase intestinal, a dose para adulto de 250 mg, 4 vezes ao dia, durante 10 a 14 dias; para crianças a dose recomendada é de 30 a 50 mg/kg/dia, dividida em 4 administrações, durante 10 a 14dias. Para uso em coqueluche, a dose recomendada é de 40 a 50 mg/kg/dia, dividida em 4 administrações, por um perãodo de 5 a 14 dias. Na profilaxia contra endocardite bacteriana, manter 8 doses. Para o tratamento da doença do legionrio: embora as doses diárias não tenham sido totalmente estabelecidas, estudos clínicos recomendam de 1 a 4 g/dia em administrações divididas. - Superdosagem: relatos indicam que a ingestão de altas doses de eritromicina pode produzir graves efeitos gastrintestinais. reações alérgicas acompanhadas de superdosagem podem ser tratadas com a eliminação rápida da droga não absorvida e medidas de suporte. Os níveis séricos de eritromicina não so significativamente alterados por hemodilise peritoneal.

Contra indicação :

Pacientes com hipersensibilidade conhecida eritromicina.

Precauções :

A eritromicina metabolizada pelo fgado e excretada pelas vias biliares. Assim sendo, deve-se ter cautela na administração do antibiótico a pacientes com insuficincia da função hepática. - Gravidez e lactação: a eritromicina vem sendo usada desde 1952 e nenhum efeito teratogúnico foi observado ou relatado. Apesar disso sua segurança durante gravidez não foi estabelecida, estando a critério do médico utilizá-la durante esse perãodo, observando os riscos e benefícios paciente. A eritromicina pode estar presente no leite materno. Tem sido relatado que a eritromicina atravessa a barreira placentária em humanos, mas os níveis plasmáticos fetais so geralmente baixos. Interações Medicamentosas:: recentes dados demonstram que pacientes tratados com altas doses de teofilina quando recebem eritromicina pode haver um aumento dos níveis séricos de teofilina podendo levar a um quadro de intoxicação . Experimentações in vitro demonstram que misturar eritromicina com clindamicina, lincomicina e cloranfenicol pode resultar em uma inibição competitiva. a administração concomitante de eritromicina e carbamazepina ou eritromicina e digoxina pode resultar na elevação dos níveis séricos desses agentes levando alguns pacientes a um quadro de intoxicação por digoxina ou carbamazepina. Pode ocorrer um aumento no tempo de protrombina quando se utiliza algum antibiótico, entre eles a eritromicina, concomitantemente com anticoagulantes orais. há relatos de que reações isquêmicas podem ocorrer quando se administra concomitantemente eritromicina e ergotamina.

 

Fórmula :

Suspenso 125 mg e 250 mg contêm, respectivamente: eritromicina (sob a forma de estearato) 125 mg e 250 mg; excipientes q.s.p. 5 ml. Comprimido revestido de 250 mg e 500 mg contêm, respectivamente: eritromicina (sob a forma de estearato) 250 mg e 500 mg; excipientes q.s.p. 1 comprimido.

Fabricante :

Abbott Laboratórios do Brasil Ltda.

Endereço: Estrada dos Bandeirantes, 2400 - Taquara, Rio de Janeiro - RJ, 22710-907

Medicamentos do mesmo fabricante :

Bufedil, Cetiva AE, Depakote, Ensure Pó, Etrane, Gentaplus, Iberol, Isomil, Klaricid UD, Klaricid, Leutrol, Lupron sc, Magnopyrol, Metiocolin b12, Noctal, Norvir, Ogastro, Pantomicina, Pedialyte 45 pó, Pedialyte 45, Pedialyte 90 pó, Pedialyte 90, Pedialyte, Quelicin, Selsun Azul, Selsun Ouro, Sevorane, Siliver, Sobrepin, Solvobil


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.