Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Ms Long - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Sulfato de Morfina.

Classe terapêutica : Analgesicos.

Apresentação : Cápsulas de 10 mg, 30 mg e 80 mg: embalagens contendo 60 cápsulas.

Indicação : O produto é indicado para o alívio de dores crônicas intensas e (ou) resistentes a outros Analgésicos, em particular dores de origem oncológica.

Efeito Colateral :

Os efeitos mais danosos da morfina, assim como de outros Analgésicos narcticos são: Depresses respiratéria e circulatéria. As mais frequentes reações adversas observadas são: Nusea, constipação, confusão e, ocasionalmente, vômitos. Outras reações que podem ocorrer: Sedação ou excitação (especialmente em pessoas idosas, acompanhadas de delírio e alucinação); rubor da face, bradicardia, palpitações, desmaios, sncope; aumento da pressão intracraniana, podendo agravar as perturbações cerebrais existentes; aumento da pressão interna da via biliar principal, boca seca, anorexia, constipação; retenção urinária em caso da adenoma prostático ou de estenose uretral. Depressão respiratéria pode surgir mesmo com emprego de doses terapêuticas. Em casos de superdose, esta depressão poderá tornar-se grave, chegando até mesmo a bito por parada respiratéria. após a administração de doses terapêuticas, durante 1 a 2 semanas, pode aparecer dependência (fsica e psquica), que s poderá ser observada após 2 a 3 dias. Como com outros narcticos, alguns pacientes podem desenvolver dependência (fsica e psquica). Nesses casos uma descontinuação abrupta do medicamento pode levar a uma síndrome tópica de retirada, incluindo convulsões. A síndrome de abstinncia surge algumas horas após a interrupção do tratamento e se prolonga, no máximo, até 36-72 horas. Neste caso, observam-se bocejos, midrase, lacrimejamento, espirros, contrações musculares, cefaleia, astenia, sudorese, ansiedade, irritação, insônia, agitação, anorexia, náuseas, vômitos, perda de peso, diarreia, desidratação, dores nos membros, cãibras abdominais e musculares, taquicardia, polipnia, hipertermia e hipertensão.

Modo de Usar :

Cápsulas de 10 mg, 30 mg e 60 mg. A dose média recomendada é de 1 cápsula, 2 vezes ao dia, a intervalos de 12 horas. Para pacientes com problemas da deglutição, a cápsula poderá ser aberta ao seu conteúdo misturado a um alimento pastoso. A posologia varia de acordo com a intensidade da dor e com o tratamento Analgésico anteriormente adotado para o paciente. Em caso da dor persistente, ou quando o paciente não mais responde morfina, a posologia poderá ser aumentada, variando as concentrações de 10 mg, 30 mg a 60 mg em uma única tomada, de maneira diferente da habitual, ou associando-se as concentrações entre si para se obter o alívio desejado. Em pacientes que receberam anteriormente morfina deliberação imediata, por via oral, a posologia diária de morfina não seré alterada, porêm dividida em 2 tomadas com intervalo de 12 horas. Para pacientes anteriormente tratados com morfina por via parenteral, a posologia inicial de morfina deve ser suficientemente aumentada para compensar a diminuição do efeito Analgésico do produto administrado por via oral. A dose deve ser individualizada em função de cada paciente.

Contra-indicaçao ;

A morfina É contra-indicada nos casos de insuficincia respiratéria; asma brônquica; síndrome abdominal aguda de etiologia não-conhecida; esvaziamento gástrico retardado; óleo paralítico; insuficincia hepatocelular grave; traumatismo craniano e hipertensão intracraniana; estado convulsivo; intoxicação alcolica aguda e delirium tremens; crianças com menos de 1 ano e 6 meses e pacientes em tratamento pela IMAO. a administração pré-operatéria não recomendada.

Precauções :

O medicamento deve ser usado com precaução em pessoas idosas e em casos de insuficincia hepática e (ou) renal, hipotireoidismo, insuficincia supra-renal, choque, risco de retenção urinária em patologias uretroprostáticas. devido à rápida passagem através da barreira placentária, não utilizar o produto durante a segunda parte do trabalho de parto (Além de 4-5cm de dilatação do colo do étero), e em caso da prematuridade, visto o risco da depressão respiratéria neonatal secundária. Não usar o produto em casos de toxicomania materna, pois pode causar síndrome de abstinncia no neonato, com convulsões, irritabilidade, vômitos e aumento da letalidade.

Modo de usar :

Cápsulas de 10 mg, 30 mg e 60 mg. A dose média recomendada é de 1 cápsula, 2 vezes ao dia, a intervalos de 12 horas. Para pacientes com problemas da deglutição, a cápsula poderá ser aberta ao seu conteúdo misturado a um alimento pastoso. A posologia varia de acordo com a intensidade da dor e com o tratamento Analgésico anteriormente adotado para o paciente. Em caso da dor persistente, ou quando o paciente não mais responde morfina, a posologia poderá ser aumentada, variando as concentrações de 10 mg, 30 mg a 60 mg em uma única tomada, de maneira diferente da habitual, ou associando-se as concentrações entre si para se obter o alívio desejado. Em pacientes que receberam anteriormente morfina deliberação imediata, por via oral, a posologia diária de morfina não seré alterada, porêm dividida em 2 tomadas com intervalo de 12 horas. Para pacientes anteriormente tratados com morfina por via parenteral, a posologia inicial de morfina deve ser suficientemente aumentada para compensar a diminuição do efeito Analgésico do produto administrado por via oral. A dose deve ser individualizada em função de cada paciente.

Atenção

Pode causar dependência fsica ou psquica.

Fórmula :

Cada cápsula de 10 mg contém: Sulfato de morfina, 10 mg. Excipientes: Sacarose, amido de milho, polietilenoglicol, etilcelulose, dibutilsebacato, talco. Cada cápsula da 30 mg contém: Sulfato da morfina, 30 mg. Excipientes: Sacarose, amido de milho, polietilenoglicol, etilcelulose, dibutilsebacato, talco. Cada cápsula de 60 mg contém: Sulfato de morfina, 60 mg. Excipientes: Sacarose, amido de milho, polietilenoglicol, etilcelulose, dibutilsebacato, talco.

Informaçães Técnicas

O sulfato de morfina é um Analgésico narctico apresentado na forma farmacêutica de cápsulas, contendo microgrnulos de liberação programada, possibilitando apenas uma tomada a intervalos de 12 horas. Sua ação envolve: Sistema nervoso central: A morfina atua sobre o comportamento psicomotor. Dependendo da dose, ela provoca sedação ou excitação. Em altas doses, superioras s doses analgésicas, ela provoca sonolência. A sua ação psicodislptica caracterizada pelo aparecimento de um estado de euforia. A morfina é uma substância que provoca fenmenos de tolerância e da dependência (fsica e psquica). Sobre os centros respiratérios, a morfina exerce uma ação depressora, mesmo em doses terapêuticas. Atua, tambm, sobre o centro do vômito (em baixas doses e em pacientes que nunca foram tratados com morfina, tem um efeito emático; e em doses altas, juntamente com administrações repetidas, tem uma ação antiemática). A morfina provoca miose de origem central, o que caracteriza uma intoxicação crônica. Musculatura lisa: A morfina diminui o tnus e o peristaltismo das fibras longitudinais e aumenta o tnus das fibras circulares, o que provoca um espasmo dos esfncteres (piloro, vlvula ileocecal, esfncter anal, esfncter de Oddi e esfncter vesical). A demonstração clínica desta ação é o aparecimento da constipação, aumento da pressão interna dos canais biliares e surgimento de espasmos no nível das vias urinárias. Sistema cardiovascular: A morfina produz vasodilatação perifrica, a qual pode resultar em hipotensão ortostática. Liberação de histamina pode ocorrer e contribuir para uma hipotensão.

Informações ao paciênte

Conservar em temperatura entre 15C e 25ºC. Proteger da luz e umidade. Verifique na embalagem externa se o medicamento obedece ao prazo de validade. Não utilize o medicamento se o prazo de validade estiver vencido. O produto só pode ser usado de acordo com a orientação dada pelo médico, e somente ele poderá recomendar a sua interrupção. A dose do medicamento não deve ser ajustada sem consultar o médico. O abuso deste medicamento pode causar dependência (fsica e psquica). O médico deve ser informado se ocorrer gravidez durante o tratamento. O uso do produto durante a amamentação deve ser feito somente sob orientação médica. Informe seu médico se estiver fazendo uso de alguma medicação . MS LONG não deve ser usado durante o primeiro trimestre de gravidez, a não ser sob orientação e cuidados médicos. No caso de surgiram reações desagradveis, tais como náuseas, constipação, confusão, vômito e alteração respiratéria, procure orientação médica. Durante o uso da morfina, não se deve ingerir bebidas alcolicas. Deve-se evitar operar máquinas perigosas ou dirigir automáveis, porque a morfina pode impediras habilidades mentais e (ou) fsicas necessárias a este tipo de tarefa.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS. NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. Pode ser perigoso para a sua Saúde.

Interação Medicamentosa :

IMAO: Acidentes fatais tém sido observados quando da associação de IMAOs com a petidina. Não se sabe se esta reação ocorre com outros Analgésicos centrais. Por precaução, É conveniente se dar um intervalo de 15 dias entre a interrupção do tratamento pelos IMAOs e a administração de um Analgésico morfúnico. Depressores do SNC e antidepressivos tricclicos: Levam a uma potencialização do efeito com o risco da superdosagem.

Superdose

Os sintomas da uma superdosagem são: depressão respiratéria, miose extrema, hipotensão, hipotermia e coma. Os procedimentos de urgência a serem adotados são: restabelecimento cardiorrespiratério em servio especializado; tratamento específico pelos antimorfúnicos. A depressão respiratéria pode ser melhorada por: Nalorfina 5 a 10 mg IV ou EV em caso de choque; repetir a cada 15 minutos, até se atingir a dosagem de 40 mg; Naloxona: 400 mg EV; repetir de 2-5 minutos, se necessário (0,4 a 4 mg em doses fracionadas).

Fabricante :

Cilag farmacêutica Ltda.

Rua Gerivatiba, 207, Butantã
CEP 05501-900, São Paulo, SP

Medicamentos do mesmo fabricante :

Ascaridil, Belara, Cilergil, Concerta, Droperidol, Enteropride, Evra, Fentanil, Floxstat, Frefest, Hismanal, Hypnomidate, Inoval, Itranax, Levaquin, Mebendazol, Ms long, Mylicon, Nerizina, Orap, Paracetamol, Prepulsid, Rapifen, Reminyl, Retinova, Sedatoss, Semap, Stugeron, Sufenta, System
Systen, Zytiga


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Emagrecimento e Aumento de Massa Muscular