Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Lovacor - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Sinvastatina.

Classe terapêutica : Hipocolesterinemicos.

Apresentação :

LOVACOR 5 mg: Caixas com 30 comprimidos. LOVACOR 10 mg: Caixas com 10 e 30 comprimidos. LOVACOR 20 mg: Caixas com 10 comprimidos.

Indicação : LOVACOR É indicado no tratamento dos pacientes com concentrações plasmáticas elevadas de colesterol que não respondem dieta. Reduz os níveis de colesterol total e LDL-colesterol em pacientes com hipercolesterolemia primria. Reduz os níveis elevados de colesterol em pacientes com hipercolesterolemia combinada hipertrigliceridemia quando a hipercolesterolemia for a anormalidade principal. Não é indicado em hiperlipoproteinemia secundária a outros distúrbios (diabetes, hipotireoidismo, síndrome nefrtica).

Efeito Colateral :

A sinvastatina , em geral, bem tolerada. Alguns pacientes, entretanto, queixam-se de mialgia e desconforto gastrointestinal, inclusive náusea, dispepsia, flatulência, constipação, diarreia e célica abdominal. Mais raramente observou-se a presença de cefaleia, astenia, erupção cutânea e prurido. Pode ocorrer também miosite com elevação da creatinina-fosfoquinase. Essa situação mais comum em pacientes com ingestão simultânea de ciclosporina ou genfibrozil nos casos de insuficiência hepática. Elevações persistentes e acentuadas das transaminases séricas raramente foram relatadas. Podem ocorrer elevações na fosfatase alcalina e na gama-GT. Alterações nos testes de função hepática foram geralmente leves e transitérias. Em estudos clínicos não-controlados e no uso rotineiro foram relatados os seguintes efeitos adversos: náusea, diarreia, erupção cutânea, dispepsia, alopecia, tontura, cãibra muscular, mialgia, pancreatite, parestesia, neuropatia perifrica, vômitos, prurido e anemia. Raramente ocorreram rabdomilise e hepatite/icterícia. Raramente foi relatada uma síndrome de hipersensibilidade aparente que inclui alguns dos seguintes achados: angioedema, síndrome do tipo lpus, polimialgia reumática, vasculite, trombocitopenia, eosinofilia, aumento de VHS, artrite, artralgia, urticária, fotossensibilidade, febre, vermelhidão, dispnéia e mal-estar.

Modo de Usar :

O paciente deve ser colocado em uma dieta padro redutora de colesterol antes de iniciar a administração do LOVACOR e deve continuar a dieta durante a terapia medicamentosa. Recomenda-se dose inicial de 10 mg/dia em uma única tomada. Pacientes com hipercolesterolemia leve e moderada podem ser tratados com posologia inicial de 5 mg/dia. As adaptações das doses podem ser feitas a intervalos de 4 semanas, até o máximo de 40 mg/dia. A posologia de sinvastatina deve ser reduzida se os níveis de LDL-colesterol caérem abaixo de 75 mg/dl (1,94 mmol/l) ou se o colesterol plasmático total cair para menos de 140 mg/dl (3,6 mmol/l). Terapia concomitante: A sinvastatina eficaz isolada ou associada a seqestradores de sais biliares. Posologia na insuficiência renal: A sinvastatina não sofre excreção renal significativa, portanto, modificações posológicas não devem ser necessárias em pacientes com insuficiência renal.

Contra-indicaçao ;

LOVACOR não deve ser administrado a pacientes com insuficiência hepática, uma vez que foram relatadas elevações dos níveis de TGO e TGP (principalmente) relacionadas s doses de sinvastatina. Hipersensibilidade sinvastatina. Gravidez e lactação.

Modo de usar :

O paciente deve ser colocado em uma dieta padro redutora de colesterol antes de iniciar a administração do LOVACOR e deve continuar a dieta durante a terapia medicamentosa. Recomenda-se dose inicial de 10 mg/dia em uma única tomada. Pacientes com hipercolesterolemia leve e moderada podem ser tratados com posologia inicial de 5 mg/dia. As adaptações das doses podem ser feitas a intervalos de 4 semanas, até o máximo de 40 mg/dia. A posologia de sinvastatina deve ser reduzida se os níveis de LDL-colesterol caérem abaixo de 75 mg/dl (1,94 mmol/l) ou se o colesterol plasmático total cair para menos de 140 mg/dl (3,6 mmol/l). Terapia concomitante: A sinvastatina eficaz isolada ou associada a seqestradores de sais biliares. Posologia na insuficiência renal: A sinvastatina não sofre excreção renal significativa, portanto, modificações posológicas não devem ser necessárias em pacientes com insuficiência renal.

Fórmula :

Cada comprimido contém 5 mg, 10 mg ou 20 mg de sinvastatina

Fabricante :

Farmasa Laboratório Americano de Farmacoterapia S.A.

Rua Nova York, 245 - São Paulo - SP
CNPJ 61.150.819/0001-20

SAC: 0800-0114033

Medicamentos do mesmo fabricante :

Amplium, Eufor 20, Loralerg d, Loralerg, Lovacor, Loxiflan, Sercerin, Zylium


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.