Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Kefadim - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : ceftazidima pentaidratada

Classe terapêutica : Antibióticos Sistêmicos.

Apresentação : Frasco com tampa de borracha, contendo o equivalente a 1 g de ceftazidima, acompanhado de uma ampola de água esterilizada Farm. Bras. como diluente.

Indicação : Infecções do trato respiratério inferior, incluindo pneumonia, causadas por P. aeruginosa e outras Pseudomonas sp, H. influenzae (incluindo cepas ampicilinorresistentes), Klebsiella sp, Enterobacter sp, P. mirabilis, E. coli, Serratia sp, Citrobacter sp, S. pneumoniae, e S. aureus (cepas meticilinossensíveis). Infecções da pele e suas estruturas causadas por P. aeruginosa, Klebsiella sp, E. coli, Proteus sp (incluindo P. mirabilis e Proteus indol-positivos), Enterobacter sp, Serratia sp, S. aureus (cepas meticilinossensíveis), e S. pyogenes (beta-hemolticos do grupo A). Infecções do trato urinário, complicadas e não complicadas, causadas por P. aeruginosa, Enterobacter sp, Proteus sp (incluindo P. mirabilis e Proteus indol-positivo), Klebsiella sp, e E.coli. Septicemia bacteriana causada por P. aeruginosa, Klebsiella sp, H. influenzae, E. coli, Serratia sp, S. pneumoniae, e S. aureus (cepas meticilinossensíveis). Infecções ósseas e articulares causadas por P. aeruginosa, Klebsiella sp, Enterobacter sp, e S. aureus (cepas meticilinossensíveis). Infecções ginecológicas, incluindo endometrite, celulite Pólvica e outras infecções do trato genital feminino causadas por E. coli. Infecções intra-abdominais, incluindo peritonite, causadas por E. coli, Klebsiella sp, e S. aureus (cepas meticilinossensíveis) e infecções polimicrobianas causadas por microorganismos aerbicos e anaerbicos e Bacteroides sp (Nota: a maioria das cepas de B. fragilis resistente). Infecções do sistema nervoso central, incluindo meningite, causadas por H. influenzae e Neisseria meningitidis. A ceftazidima foi também usada com sucesso em um nmero limitado de casos de meningite devido a P. aeruginosa e S. pneumoniae. Deve ser feita cultura antes do tratamento para isolar e identificar os microorganismos causadores e determinar sua sensibilidade ceftazidima. O tratamento pode ser instituído antes que os resultados dos testes de sensibilidade sejam conhecidos; entretanto, uma vez conhecidos os resultados, o tratamento com o antibiótico deve ser ajustado adequadamente. A ceftazidima pode ser usada isoladamente em casos de septicemia confirmada ou suspeita. Foi usada com sucesso como terapêutica em pesquisas clínicas envolvendo tratamento experimental concomitante com outros antibióticos. A ceftazidima pode também ser usada concomitantemente com outros antibióticos, tais como, aminoglicosdeos, vancomicina e clindamicina, em infecções graves e com risco de vida e em pacientes imunodeprimidos. Quando esse tratamento concomitante for recomendado, devem ser seguidas as informaçães constantes dos rótulos dos outros antibióticos. A dose depende da gravidade da infecção e das condições do paciente.

Efeito Colateral : A ceftazidima geralmente bem tolerada. A Incidência de reações adversas associadas ao uso de ceftazidima foi baixa nos estudos clínicos realizados. As mais comuns foram reações locais após injeção intravenosa e reações alérgicas e gastrintestinais. Outras reações adversas foram infrequentes. Não foram relatadas reações semelhantes ao dissulfiram. As seguintes reações adversas, ocorridas durante os estudos clínicos, foram consideradas tanto relacionadas ceftazidima quanto a uma etiologia incerta: flebite e inflamação no local da injeção. reações de hipersensibilidade foram prurido, erupção e febre. reações imediatas, geralmente manifestadas por erupções e/ou prurido. angioedema e anafilaxia (broncospasmo e/ou hipotensão) tém sido relatados muito raramente. Sintomas gastrintestinais foram diarreia, náusea, vômito e dor abdominal. Sintomas de colite pseudomembranosa podem aparecer durante ou após o tratamento. reações do sistema nervoso central incluem dor de cabeça, tontura e parestesia. As convulsões tém sido relatadas com diversas cefalosporinas, incluindo a ceftazidima. reações adversas menos frequentes foram candidase (incluindo aftas orais) e vaginite. Alterações nos testes clínicos de Laboratório observadas durante os estudos clínicos com a ceftazidima foram transitérias e incluram eosinofilia, teste de Coombs positivo sem hemlise, trombocitose e elevações leves em 1 ou mais enzimas hepáticas: TGO (1 em 16), TGP, LDH e fosfatase alcalina. Como acontece com qualquer outra cefalosporina, elevações transitérias de uria e nitrognio urico no sangue e/ou creatinina sérica foram observadas ocasionalmente. Leucopenia transitéria, neutropenia, agranulocitose, trombocitopenia e linfocitose ocorreram muito raramente.

Modo de Usar : A dose usual para adultos é de 1 g administrada por via intravenosa ou intramuscular a cada 8 ou 12 horas. A dose e a via de Administração devem ser determinadas pela sensibilidade do microorganismo, pela gravidade da infecção e pela condição e função renal do paciente. O seguinte esquema de doses recomendado: adultos: dose usual recomendada: 1g IV ou IM a cada 8 ou 12 horas; infecções não complicadas do trato urinário: 250 mg IV ou IM a cada 12 horas; infecções nos ossos e articulações 2g IV a cada 12 horas; infecções complicadas do trato urinário: 500 mg IV ou IM a cada 8 ou 12 horas; pneumonia não complicada, infecções leves de pele e suas estruturas: 500mg-1g IV ou IM a cada 8 horas; infecções ginecológicas e intra-abdominais graves: 2g IV a cada 8 horas; meningite: 2g IV a cada 8 horas; infecções graves com risco de vida, especialmente em pacientes imunodeprimidos: 2g IV a cada 8 horas; infecções pulmonares por pseudomonas em pacientes com fibrose cstica com função renal normal (apesar de apresentarem melhoras clínicas, não se pode esperar curas bacteriológicas em pacientes com doenças respiratórias crônicas e fibrose cstica): 30-50 mg/kg IV até o máximo de 6 g/dia a cada 8 horas; recêm-nascidos (0 a 4 semanas): 30 mg/kg IV a cada 12 horas; crianças de 1 mês a 12 anos (as altas doses devem ser reservadas para crianças imunodeprimidas ou com fibrose cstica ou meningite): 30-50 mg/kg IV até o máximo de 6 g/dia a cada 8 horas. Pacientes com insuficiência hepática: Não é necessário o ajuste de dose. Pacientes com insuficiência renal: a ceftazidima excretada pelos rins quase que exclusivamente por filtração glomerular. Portanto, em pacientes com insuficiência renal (clearance de creatinina < 50 ml/min) recomendado que a dose de ceftazidima seja reduzida para compensar sua baixa excreção. Em pacientes com suspeita de insuficiência renal, pode ser administrada uma dose inicial de 1 g de ceftazidima. Deve-se fazer uma estimativa do clearance para determinar a dose de manutenção apropriada. Dose de manutenção recomendada para pacientes com insuficiência renal: clearance de creatinina x dose recomendada de ceftazidima: 50-31 ml/min: 1 g a cada 12 horas; 30-16 ml/min: 1 g a cada 24 horas; 15-6 ml/min: 500 mg a cada 24 horas; < 5 ml/min: 500 mg a cada 48 horas. Quando somente a creatinina sérica for disponível, a seguinte fórmula (equação de Cockcroft) pode ser usada para estimar o clearance de creatinina. A creatinina sérica deve representar o estado de equilíbrio da função renal: homens: clearance de creatinina (ml/min) = peso (kg) X (140 - idade) / 72 X creatinina sérica (mg/dl). Mulheres: 0,85 X o valor acima. Em pacientes com infecções graves que deveriam receber normalmente 6 g de ceftazidima por dia e não estáo devido à insuficiência renal, a dose dada na tabela acima pode ser aumentada em 50% ou a frequência de doses aumentada adequadamente. A continuidade das doses deve ser determinada por monitoração da terapia, gravidade da infecção e sensibilidade do microorganismo. Em crianças como em adultos, o clearance de creatinina deve ser ajustado pela superfcie corporal ou massa corporal e a frequência de doses deve ser reduzida nos casos de insuficiência renal. Em pacientes submetidos hemodilise, a dose inicial recomendada é de 1 g de ceftazidima, seguida por 1 g após cada perãodo de hemodilise. A ceftazidima pode também ser usada em pacientes submetidos dilise intraperitoneal e dilise peritoneal contínua em ambulatério. Em tais pacientes pode ser administrada uma dose inicial de 1 g de ceftazidima, seguida por 500 mg a cada 24 horas. Na administração intravenosa, a ceftazidima pode ser incorporada ao líquido de dilise em uma concentração de 250 mg para 2 litros. Nota: geralmente deve-se continuar a administração de ceftazidima por 2 dias após o desaparecimento dos sinais e sintomas da infecção; contudo, nas infecções complicadas pode ser necessária uma terapia mais prolongada. Administração: a ceftazidima deve ser administrada por via intravenosa ou por via intramuscular profunda em uma grande massa muscular (tal como o quadrante superior lateral do glteo ou a parte lateral da coxa). Administração intramuscular: para administração intramuscular a ceftazidima deve ser reconstituída com um dos seguintes diluentes: água estáril para injeção ou solução de cloridrato de lidocana a 0,5% ou 1,0%. Administração intravenosa: A via IV preferível para pacientes com septicemia bacteriana, meningite bacteriana, peritonite ou outras infecções graves com risco de vida. também preferível para pacientes com baixa resistância resultante de condições debilitantes, tais como, desnutrição, trauma, cirurgia, diabetes, insuficiência cardíaca ou cncer, particularmente se o paciente estiver em choque ou ameaa de choque. Para administração intravenosa direta intermitente, reconstituir a ceftazidima com água estáril para injeção. Lentamente injetar a solução diretamente na veia, por um perãodo de 3 a 5 minutos ou injetar através do tubo de um equipo de venclise, enquanto o paciente estiver recebendo fluidos intravenosos compatéveis. Para infusão intravenosa contínua, reconstituir o frasco de 1 g e adicionar uma quantidade adequada da solução resultante a um frasco de solução intravenosa compatével. Para infusão intravenosa intermitente com equipo do tipo Y pode ser feita com soluções compatéveis; entretanto, durante a infusão de ceftazidima, a infusão de outras soluções deve ser temporariamente interrompida. Preparação das soluções de ceftazidima: 1 g via IM: 3,0 ml de diluente, 3,6 ml de concentração resultante, 280 mg/ml de concentração de ceftazidima. 1 g via IV: 10,0 ml de diluente, 10,6 de concentração resultante, 100 mg/ml de concentração de ceftazidima. Quando a ceftazidima dissolvida libera dióxido de carbono, gerando pressão positiva dentro do frasco. Para facilitar o uso, as seguintes Técnicas de reconstituição recomendadas devem ser seguidas: instruções para reconstituição para frascos de 1 g IM e IV: injetar o diluente e agitar bem até dissolver; o dióxido de carbono liberado enquanto o antibiótico se dissolve, gerando pressão positiva dentro do frasco. A solução tornar-se- clara dentro de 1 a 2 minutos. Inverter o frasco e comprimir o mbolo da seringa totalmente. Introduzir a agulha no frasco através da tampa de borracha. Assegure-se de que a agulha permanea dentro da solução, retirando-se o conteúdo do frasco de maneira usual. A pressão dentro do frasco pode auxiliar a retirada. A solução pode conter bolhas de dióxido de carbono que deverão ser expelidas da seringa antes da injeção. A solução de ceftazidima como dos demais antibióticos beta-lactémicos não deve ser adicionada a soluções de antibióticos aminoglicosdeos, devido ao potencial de interação. Portanto, se for indicada uma terapia concomitante de ceftazidima e um aminoglicosdeo, cada antibiótico deve ser administrado separadamente em diferentes locais. - Compatibilidade e estabilidade: intramuscular: os frascos de ceftazidima quando reconstituídos com água estáril para Injeção ou Cloridrato de Lidocana a 0,5% ou 1% mantém potncia satisfatéria por 24 horas temperatura ambiente ou por 7 dias sob refrigeração. As soluções em água estáril para Injeção que são congeladas imediatamente após a reconstituição no frasco original são estáveis por 3 meses quando armazenadas a -20C. Uma vez descongeladas, as soluções não devem ser recongeladas. As soluções descongeladas podem ser armazenadas por até 8 horas em temperatura ambiente ou por 4 dias sob refrigeração. Intravenoso: os frascos de ceftazidima quando reconstituídos com água estáril para Injeção mantém potncia satisfatéria por 24 horas em temperatura ambiente ou por 7 dias sob refrigeração. As soluções em água estáril para Injeção no frasco original ou em solução de cloreto de sódio a 0,9% ou em soro glicosado a 5% que são congeladas imediatamente após a reconstituição são estáveis por 3 meses quando armazenadas a -20C. Uma vez descongeladas, as soluções não devem ser recongeladas. As soluções descongeladas podem ser armazenadas por até 24 horas em temperatura ambiente ou por 4 dias sob refrigeração. A ceftazidima É compatével com os fludos intravenosos mais comumente usados. Soluções com concentrações de 1 a 40 mg/ml nos seguintes fludos para injeção poderão ser mantidas até 24 horas temperatura ambiente ou por 7 dias sob refrigeração: cloreto de sódio a 0,9%; lactato de sódio M/6; solução de Ringer; Lactato de Ringer; glicose a 5%; glicose a 5% e cloreto de sódio a 0,225%; glicose a 5% e cloreto de sódio a 0,45%; glicose a 5% e cloreto de sódio a 0,9%; glicose a 10%. A ceftazidima menos estável com solução de bicarbonato de sódio do que com outros fludos intravenosos. Solução de bicarbonato de sódio não recomendada como diluente. Soluções de ceftazidima com glicose a 5% ou cloreto de sódio a 0,9% são estáveis no mínimo por 6 horas temperatura ambiente quanto estiverem em uso nos conjuntos para infusão intravenosa. Na concentração de 4 mg/ml, a ceftazidima demonstrou ser compatével por 24 horas temperatura ambiente ou por 7 dias sob refrigeração com soluções de cloreto de sódio a 0,9% ou glicose a 5%, quando misturado com cefuroxima sódica, 3 mg/ml, heparina, 10 unidades/ml ou 50 unidades/ml ou cloreto de potássio, 10 mEq/l ou 40 mEq/l. Nota: produtos para uso parenteral devem ser inspecionados visualmente quanto a partculas em suspensão quando a solução e o recipiente o permitirem. Sob certas condições de armazenagem, a ceftazidima poderá escurecer, antes e após a reconstituição; entretanto, a potncia do produto não seré afetada se forem observados os perãodos e condições apropriados de armazenagem. - Superdosagem: sinais e sintomas: os sinais e sintomas txicos que se seguem a uma superdose de ceftazidima podem incluir dor, inflamação e flebite no local da injeção. a administração de doses elevadas inadequadas de cefalosporinas parenterais pode causar tontura, parestesia e dor de cabeça. Podem ocorrer convulsões após superdose com algumas cefalosporinas, particularmente em pacientes com insuficiência renal, nos quais pode ocorrer acmulo da droga. Alterações nos resultados de Laboratório que podem ocorrer após uma superdose incluem elevações de creatinina, nitrognio urico no soro (BUN), enzimas hepáticas e bilirrubina, teste de Coombs positivo, trombocitose, trombocitopenia, eosinofilia, leucopenia e aumento do tempo de protrombina. Tratamento: no tratamento de superdosagem, considerar a possibilidade de superdoses de múltiplas drogas, interação entre drogas e de cinéticas pouco comuns de drogas no paciente. Se ocorrer convulsão, a droga deve ser imediatamente interrompida; uma terapia anticonvulsivante pode ser aplicada se for clinicamente indicada. Proteger as vias aéreas do paciente e manter a ventilação e perfusão. Monitorar e manter meticulosamente dentro dos limites aceitveis os sinais vitais do paciente, os gases no sangue, eletrôlitos do soro, etc. Em casos graves de superdosagem, especialmente em pacientes com insuficiência renal, pode ser considerada a combinação de hemodilise e hemoperfusão, se não houver resposta aos tratamentos convencionais. No entanto, não há dados disponíveis que suportem essa terapia.

Contra indicação : Pacientes que tenham demonstrado hipersensibilidade droga ou a outros antibióticos do grupo das cefalosporinas. Advertências: antes que seja instituída a terapia com ceftazidima, Deverá ser feita uma pesquisa cuidadosa quanto a reações anteriores de hipersensibilidade ceftazidima, cefalosporinas e penicilinas ou outras drogas. Antibióticos devem ser administrados com cautela em pacientes que tenham demonstrado alguma forma de alergia, particularmente a drogas. Este antibiótico deve ser usado com cautela em pacientes com reações de hipersensibilidade tipo i penicilina. Se ocorrer uma reação alérgica ceftazidima, interromper o tratamento com a droga. reações graves de hipersensibilidade aguda podem requerer adrenalina e outras medidas de emergência. Foi relatada colite pseudomembranosa virtualmente com todos os antibióticos de amplo espectro (incluindo macrolídeos, penicilinas semi-sintáticas e cefalosporinas); portanto, importante considerar este diagnóstico em pacientes que apresentam diarreia associada ao uso de antibiótico. Tais colites podem variar de leve a gravssima. Casos leves de colites pseudomembranosas usualmente respondem somente com a interrupção da droga. Em casos de moderado a grave medidas adequadas devem ser tomadas.

Precauções : Gerais: a ceftazidima não parece ser nefrotóxica; no entanto, devido às altas e prolongadas concentrações de antibiótico no soro, decorrentes de doses usuais em pacientes com redução transitéria ou persistente do dbito urinário, devida a insuficiência renal, a dose diária total deve ser reduzida quando a ceftazidima for administrada a tais pacientes para evitar as consequências clínicas, por ex.: convulsões devidas a concentrações elevadas de antibiótico. As futuras doses devem ser determinadas pelo grau da insuficiência renal, gravidade da infecção e sensibilidade dos microorganismos. Como com outros antibióticos, o uso prolongado de ceftazidima pode resultar em crescimento excessivo de microorganismos resistentes. necessária avaliação constante das condições do paciente. Se durante o tratamento ocorrer uma superinfecção, deve-se tomar as medidas apropriadas. A ceftazidima deve ser prescrita com cautela a pacientes com história de doença gastrintestinal, particularmente colite. - Uso na gravidez: não há estudos bem controlados em mulheres grávidas. Devido ao fato dos estudos de reprodução em animais nem sempre predizerem as respostas no homem, esta droga deve ser usada durante a gravidez somente se muito necessária. Lactantes: a ceftazidima excretada no leite humano em baixas concentrações. Deve-se ter cautela quando a ceftazidima for administrada a mulheres que estejam amamentando. - Interações Medicamentosas:: foi relatada nefrotoxicidade após a administração concomitante de cefalosporinas com antibióticos aminoglicosdeos ou diuréticos potentes, como furosemida. A função renal deve ser cuidadosamente monitorada devido ao potencial nefrotxico e ototxico dos antibióticos aminoglicosdeos, especialmente se forem necessárias doses altas de aminoglicosdeos, ou se a terapia for prolongada. Nefrotoxicidade e ototoxicidade não foram observadas quando a ceftazidima foi administrada isolada nos estudos clínicos.

Fórmula :

Cada frasco contém: ceftazidima pentaidratada, equivalente a 1 g de ceftazidima, carbonato de sódio 118 mg. Cada ampola diluente contém: água esterilizada Farm. Bras. 10 ml.

Fabricante :

Eli Lilly do Brasil Ltda.

Endereço: Av. Morumbi, 8264 - Brooklin, São Paulo - SP, 04703-002
Telefone:(11) 2144-6911

Sac: 0800 723 6666 - Cx. postal 21.313.6

Medicamentos do mesmo fabricante :

Adcrica, Axid, Ceclor af, Celance, Dimefor, Dobutrex, Dreniformio, Drenison n, Drenison, Dynabac, Ergotrate, Glucagon, Humatrope, Humulin, Ilosone, Kefadim, Keflex, Merthiolate, Oncovin, Prozac 20, Prozac, Vancocina, Velban, Zyprexa


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Curso Master O Cara da Foto