Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Inflanox - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : piroxicam

Apresentação : Frasco conta-gotas com 10 ml; caixa com 8 e 15 cápsulas de 20 mg.

Indicação : Doenças que requerem atividade antiinflamatória e/ou analgésica, tais como: artrite reumatéide, osteoartrite (artrose, doença degenerativa articular), espondilite anquilosante, distúrbios musculoesquelticos agudos, gota aguda, dor Pós-intervenção cirúrgica e trauma agudo. também indicado no tratamento da dismenorria primria.

Efeito Colateral :

Inflanox geralmente bem tolerado. Os sintomas relacionados ao trato gastrintestinal são os mais comuns, mas, na maioria dos casos, não interferem no curso do tratamento. Estas reações adversas incluem estomatite, anorexia, mal-estar epigástrico, náusea, obstipação, desconforto abdominal, flatulência, diarreia, dor abdominal e indigestáo. Avaliações objetivas das alterações da mucosa gástrica e também em casos de sangramento intestinal mostraram que 20 mg/dia de Inflanox, administrados em dose única ou fracionada, significativamente menos irritante que o ácido acetilsalicílico. a administração prolongada de doses superiores a 30 mg diários envolve maiores riscos de efeitos colaterais gastrintestinais. Outros sintomas, Além daqueles relacionados ao trato gastrintestinal, tais como: edema, principalmente dos tornozelos, tém sido relatados em pequena porcentagem de pacientes. Efeitos no SNC como tontura, cefaleia, sonolência e vertigem tém sido relatados. Exames rotineiros de oftalmoscopia e lmpada de fenda não tém revelado qualquer evidência de alterações oculares. Podem ocorrer mal-estar e zumbido. Foram relatadas reações de hipersensibilidade drmica, usualmente na forma de rash cutâneo e prurido. reações fotoalérgicas tém sido infrequentemente associadas à terapêutica. Assim como ocorre com outros antiinflamatórios não esteroides, a síndrome de Stevens-Johnson, pode se desenvolver em raros casos. Elevação de nitrognio urico plasmático pode advir. Tem ocorrido decrscimo na taxa de hemoglobina e no hematécrito, não associadas a sangramento gastrintestinal evidente. Trombocitopenia e púrpura não trombocitoPónica (Henoch-Schonien), leucopenia e eosinofilia tém sido também descritas. Raros casos de anemia aplástica foram também relatados. Alterações em diferentes parâmetros de função hepática foram observados. Da mesma forma que isto ocorre com outros antiinflamatórios não esteroides, alguns pacientes podem desenvolver um aumento dos níveis de transaminases durante o tratamento com Inflanox. - Superdosagem: na eventualidade de doses excessivas de Inflanox, torna-se necessária a instituição de tratamento sintomático e de apoio. Estudos preliminares indicam que a administração de carvo ativado pode resultar em redução da absorção do piroxicam e, portanto, reduzir a quantidade de droga disponível.

Modo de Usar :

Artrite reumatéide, osteoartrite (artrose, doença articular degenerativa), espondilite anquilosante: a dose inicial recomendada é de 20 mg em dose única diária. A maioria dos pacientes ser mantido com 20 mg ao dia e um nmero relativamente pequeno de pacientes pode requer doses superiores a 30 mg diários em dose única ou fracionada. A dose indicada de Inflanox Gotas de 0,4-0,6/mg/kg/dia. Administração prolongada de doses de 30 mg ou mais acarreta um maior risco de efeitos colaterais gastrintestinais. Afecções musculoesquelticas agudas: a terapêutica deve ser iniciada com 40 mg ao dia durante os primeiros 2 dias, em uma única tomada ou fracionada. Para o restante dos 7 a 14 dias do tratamento, a dose deve ser reduzida para 20 mg ao dia. Gota aguda: o tratamento deve ser iniciado com uma única dose de 40 mg seguida, nos próximos 4 a 6 dias, por 40 mg em uma única tomada ou fracionada. Inflanox não é indicado para o tratamento prolongado de gota. Dor Pós-operatéria e Pós-traumática: a dose recomendada é de 20 mg, em dose única diária. Quando se deseja o incio da ação mais rapidamente do tratamento, a dose deve ser reduzida para 20 mg ao dia. O tratamento da dismenorria primria iniciado to logo apaream os primeiros sintomas, recomendando-se uma dose inicial de 30-40 mg em dose única diária nos primeiros 2 dias de tratamento, que pode ser continuado com dose única de 20-30 mg pelos próximos 1 a 3 dias, conforme seja necessário. A segurança e tolerabilidade ainda não foram estabelecidas para pacientes abaixo de 16 anos de idade.

Contra indicação :

úlcera péptica ativa; pacientes que tenham previamente demonstrado hipersensibilidade droga: existe potencial de sensibilidade cruzada é aspirina e outras drogas antiinflamatórias não esteroides; pacientes aos quais aspirina e outros antiinflamatórios não esteroides induzam sintomas de asma, rinites, edema angioneurtico ou urticária. - Advertências: uso durante a gravidez embora não tenham sido constatados efeitos teratogúnicos nos estudos em animais, a segurança para o uso de Inflanox durante a gravidez ou no perãodo de lactação, não foi ainda estabelecida. Inflanox inibe a síntese e liberação das prostaglandinas através de um bloqueio reversível da enzima ciclo-oxigenase. antiinflamatórios não hormonais são também reconhecidos como indutores do fechamento do ductus arteriosus em crianças. Estudo preliminar demonstrou que o piroxicam existe no leite materno em uma concentração de aproximadamente 1% da encontrada no plasma. Inflanox não é recomendado para lactantes até que sua segurança clínica tenha sido estabelecida para estes casos. Uso em crianças: a posologia e as Indicaçõespara uso em crianças ainda não foram estabelecidas.

Precauções :

Baixos ndices de ulceração péptica e de sangramento gastrintestinal tém sido relatados com o uso do Inflanox. a administração da droga deve ser cuidadosamente supervisionada em pacientes com história de doença do trato gastrintestinal superior. Edema, principalmente do tornozelo, tem sido relatado durante o tratamento com Inflanox. Isso deve-se ter em mente quando tratar paciente com função cardíaca comprometida. Como acontece com outros agentes antiinflamatórios não esteroides, observou-se uma elevação nos níveis de nitrognio urico sanguíneo em alguns pacientes. Estas elevações não ocorrem progressivamente no decorrer do tratamento com Inflanox, sendo atingido um platé, que retorna aos níveis inicias, ou se aproxima bastante dos mesmos, assim que o tratamento for interrompido. A elevação dos níveis de nitrognio urico sanguíneo, via de regra, não se acompanha de elevação de creatinina sérica. Entretanto, devido à excreção renal do piroxicam, pacientes com a função renal severamente comprometida devem ser controlados cuidadosamente. Sangramento tem sido relatado raramente com a administração de Inflanox, tanto quanto de outros antiinflamatórios não esteroides, diminui a agregação plaquetária e prolonga o tempo de sangramento. Este fato deve-se ter em mente quando se determina o tempo de sangramento. Assim, a exemplo de outros antiinflamatórios não esteroides, não é recomendado o uso de Inflanox juntamente com Ácido acetilsalicílico ou o uso concomitante de dois antiinflamatórios não esteroides porque os dados são inadequados para demonstrar que a combinação produz melhora mais evidente que a obtida com a droga isolada e o potencial de reações adversas é aumentado. Inflanox intensamente ligado a proteínas e, portanto, deve-se esperar que desloque outras drogas ligadas proteína. O médico deve controlar cuidadosamente os pacientes para eventuais mudanças na dosagem quando administrar Inflanox a pacientes sob uso de drogas com grande ligação protica. Com o uso de antiinflamatórios não hormonais, incluindo Inflanox, tem sido relatados aumento do nível basal plasmático do lítio. recomendável que estes níveis sejam controlados quando iniciar, ajustando dosagens e descontinuado o uso de Inflanox. Estudos em humanos demonstraram que a administração concomitante de Inflanox e aspirina resulta em uma redução dos níveis plasmáticos de piroxicam em cerca de 80% dos valores normais. a administração concomitante de antiácidos não tem efeito nos níveis plasmáticos do piroxicam. A terapêutica concomitante com Inflanox e digoxina não afeta os níveis plasmáticos de qualquer uma destas drogas.

Fórmula :

Cada 1 ml (cerca de 21 gotas de suspensão oral) contém: piroxicam 9 mg; cada cápsula contém: piroxicam 20 mg.

Fabricante :

Farmoquímica S.A.

SAC 0800-250110

Medicamentos do mesmo labaratório :


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.