Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Fluticaps - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Lactose e Propionato de Fluticasona.

Apresentação :

Embalagem contendo 60 cápsulas de fluticaps (propionato De fluticasona) 50 mcg com inalador.
Embalagem contendo 60 cápsulas de fluticaps (propionato De fluticasona) 50 mcg.
Embalagem contendo 60 cápsulas de fluticaps (propionato De fluticasona) 250 mcg com inalador.
Embalagem contendo 60 cápsulas de fluticaps (propionato De fluticasona) 250 mcg.

Indicação : O propionato de fluticasona possui atividade anti-inflamatória potente, reduzindo e prevenindo os sintomas e a exacerbação da asma em pacientes previamente tratados
com broncodilatadores isolados, ou com outra terapia profiltica. Tem mostrado, nas doses recomendadas, uma redução nos sintomas e uma melhora na função pulmonar
em pacientes com DPOC.

Efeito Colateral :

Em alguns pacientes pode ocorrer candidase em orofaringe e faringe. O desconforto ocasionado pode ser aliviado fazendo a lavagem da boca com água, após o uso do medicamento. A candidase sintomática pode ser tratada com terapia antifngica tópica, sem que haja necessidade de descontinuar o uso de FLUTICAPS (propionato de fluticasona).
Em alguns pacientes, o propionato de fluticasona pode ocasionar rouquidão, que pode ser controlada com a lavagem da boca imediatamente após a inalação.
Como em outras terapias inalatérias, pode ocorrer broncoespasmo paradoxal, com conseqente aumento imediato na dispnéia após Administração da dose. Este quadro deve ser imediatamente revertido com o uso de um broncodilatador de ação
rápida, por via inalatéria. Nestes casos, o uso de FLUTICAPS (propionato de fluticasona) deve ser imediatamente interrompido e, caso seja necessário,
uma terapia alternativa deve ser instituída.
reações de hipersensibilidade cutânea foram relatadas.
Alguns casos de insuficiência adrenal foram associados ao uso da fluticasona.
Sintomas da síndrome de Cushing como hiperglicemia e glicosria podem ocorrer e estáo associados s altas doses.
Apesar de raros, ocorrem casos de glaucoma e aumento da pressão intra-ocular durante o uso de corticóides inalatérios.

Contra indicação :

FLUTICAPS (propionato de fluticasona) É contraindicado no tratamento de episódios agudos de asma e para indivíduos com história de hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.

Gravidez e Lactação

Avaliado como categoria C na classificação de riscos para gestação do FDA.
Estudos de reprodução animal tém demonstrado somente efeitos caractersticos da exposição sistémica a glicocorticóides em quantidades muito acima da dose terapêutica recomendada para inalação. Os testes de genotoxicidade não tém
demonstrado potencial mutagúnico. Como os estudos sobre reprodução realizados em animais nem sempre são capazes de prever a resposta em humanos, FLUTICAPS (propionato de fluticasona) só deve ser usado durante a gravidez se o
benefício para a me justificar o possível risco para o feto.
Não existem estudos sobre a excreção do propionato de fluticasona no leite materno.

Interação Medicamentosa :

Pacientes utilizando propionato de fluticasona simultaneamente ao cetoconazol devem ser observados quanto a sintomas de hipercortisolismo, pelo fato do cetoconazol ser inibidor do citocromo P450.

Modo de Usar :

FLUTICAPS (propionato de fluticasona) só deve ser administrado por via inalatéria oral.
Os pacientes devem ser alertados quanto natureza profiltica da terapia com o propionato de fluticasona, e que este deve ser utilizado regularmente, mesmo quando estejam assintomáticos. A dose de propionato de fluticasona deve ser ajustada de acordo com a resposta de cada paciente.
Os pacientes devem ser orientados a procurar o médico caso observem que o alívio com doses menores de broncodilatadores tornou-se menos efetivo, ou estejam necessitando de um nmero maior de inalações do que o prescrito.
ASMA
Adultos e adolescentes acima de 16 anos:
Pacientes com asma leve devem ser orientados com doses de 100 - 250 mcg, duas vezes ao dia.
Nos casos de asma moderada, a dose recomendada é de 250 - 500 mcg, duas vezes ao dia.
Em pacientes com asma severa, recomendam-se doses de 500-1000 mcg, duas vezes ao dia.
Crianças acima de 4 anos: a dose recomendada 50 a 100 mcg, duas vezes ao dia, podendo ser ajustada até que o controle seja atingido, conforme a resposta do paciente.
DOENA PULMONAR OBSTRUTIVA crônica (DPOC)
A dose usualmente recomendada em adultos de 500 mcg, duas vezes ao dia.

Precauções e Advertências

O controle da asma deve ser acompanhado de um programa continuado e a resposta do paciente deve ser monitorada clinicamente pelos testes de função pulmonar. O aumento do uso de agonista b2 de curta duração indica a deterioração do controle da asma. Sob estas condições, o planejamento da terapia da asma deve ser reavaliado.
A deterioração sbita e progressiva no controle da asma potencialmente perigosa e o aumento da dose de corticosteride deve ser avaliado. Em pacientes considerados de risco, deve ser instituído um monitoramento diário do Peak Flow.
FLUTICAPS (propionato de fluticasona) deve ser usado na terapia de controle de longa duração.
Pacientes em tratamento com o propionato de fluticasona poderão necessitar de broncodilatadores de pequena e rápida ação no alívio dos sintomas agudos da asma.
Na falta de resposta adequada ao tratamento ou na exacerbação, a asma deve ser tratada com o aumento da dose de propionato de fluticasona e, se necessário, com a associação de outras classes de medicamentos.
A reserva adrenal também permanece normal durante o tratamento crônico com propionato de fluticasona por via inalatéria, que pode ser medido pelo incremento normal em teste de simulação.
Contudo, deve-se ter em mente que qualquer diminuição residual da reserva, decorrente de tratamentos anteriores, pode persistir durante um tempo considerado. Portanto, doses terapêuticas podem causar efeitos sistémicos mínimos e altas doses podem ocasionar hipercortisolismo e insuficiência
adrenal.
Se ocorrer insuficiência adrenal após o uso tópico da fluticasona, pode-se fazer a retirada da fluticasona, aumentar o intervalo entre as doses ou substituir o medicamento por um menos potente.
A corticoterapia pode causar aumento do risco de desenvolvimento de infecções graves em indivíduos expostos a patologias virais como sarampo.
A transferncia de pacientes em tratamento com esteroides orais para o propionato de fluticasona e seu monitoramento necessita de cuidados especiais
(especialmente em situações de estresse, como infecção ou cirurgia), uma vez que a diminuição da função adrenocortical, ocasionada pelo uso prolongado de esteroides sistémicos, pode levar um tempo considervel.
Pacientes que tenham sido tratados com esteroides sistémicos por longo perãodo de tempo, ou com altas doses, podem ter supressão adrenocortical.
Nestes casos, a função adrenocortical deve ser monitorada, e a dose de esteroide sistémico cuidadosamente diminuída.
A substituição do tratamento com esteroide sistémico pela terapia inalatéria pode, algumas vezes, mascarar alergias, tais como rinite alérgica, artrite.

Superdosagem :

Aguda - A inalação da droga em doses muito acima daquelas recomendadas pode levar à supressão temporria da função adrenal, resultando em um quadro de hipercortisolismo.
Neste caso, não há necessidade de se tomar nenhuma medida emergencial, e o paciente deve manter o tratamento com FLUTICAPS (propionato de fluticasona)
na dose suficiente para o controle da asma. A função adrenal recuperada em alguns dias e pode ser avaliada através da dosagem do cortisol plasmático.
crônica - A inalação de doses acima de 2 mg diários de propionato de fluticasona, durante perãodos prolongados, pode levar a uma supressão crônica da função adrenal.
Neste caso, o paciente deve manter o tratamento com FLUTICAPS (propionato de fluticasona) na dose suficiente para o controle da asma e a função adrenal deve ser monitorada.

Uso em Idosos

Em estudos realizados em pacientes com mais de 65 anos tratados com propionato de fluticasona em Pó seco, o perfil de eficácia e segurança não diferiu das demais faixas etárias.
Portanto, não há justificativa para o ajuste da dose nessa população.

Fabricante :

Fabricante : s Biosintética Ltda.

Medicamentos do mesmo fabricante :

adalat_oros., anangor., ansentron, arovit., avalox., baycuten-n, bayro-gel, benerva, bepantol, biocarbo, biometrox, biopaxel, biorrub, bioxifeno, bonar, brozepax, canesten, cipro, copaxone, corus_50_mg, corus_h, corus-h, deprilan_5_mg, dermomax, disgren, dysport, ephynal, eupressin, eupressin, ezulen, filgrastima, fluticaps, formocaps, gino-canesten_1, gino-canesten_3, leucovorina, lipobay, lisinopril, litiocar, loratadina, micetal, minor, miodaron, naproxeno, nicolan, nifelat, nootron, oceral, omeprazol, ondansetron, one-a-day_50, osteocalcic, osteotrat, oxcord, paclitaxel, pantopept, paracetamol, prevax, progresse, revangel, ribavirina, rupafin, saridon, sinergen, somatrop, supradyn, vincetron


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.