Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Eupressin - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Eupressin

Apresentação : Embalagens com 30 comprimidos de 2,5 mg, 5 mg e 10 mg e embalagens com 10 e 30 comprimidos de 20 mg.

Indicação : Todos os graus de hipertensão essencial; hipertensão renovascular; na insuficiência cardíaca congestiva (ICC). Como adjuvante terapia convencional, Eupressin é indicado para reduzir a mortalidade em pacientes com insuficiência cardíaca.

Efeito Colateral :

Eupressin demonstrou ser geralmente bem tolerado. Nos estudos clínicos, a Incidência global de reações adversas não foi maior com Eupressin do que a verificada com placebo. Na maioria dos casos, as reações adversas foram leves e transitérias, e não requereram interrupção do tratamento. Tonturas e cefaleias foram os efeitos mais comumente relatados. Fadiga e astenia. Outros efeitos colaterais: hipotensão, hipotensão ortostática, sncope, náuseas, diarreia, cãimbras musculares, erupção cutânea e tosse. Foram relatados raros casos de edema angioneurtico com edema da face, da lngua e da glote, associados dispnéia. Nestas circunstâncias, Eupressin deve ser descontinuado, e medidas clínicas apropriadas devem ser iniciadas imediatamente. Achados laboratoriais: raramente ocorrem alterações de parâmetros laboratoriais durante o tratamento com Eupressin. Foram, contudo, descritos em casos isolados, aumentos da uria e creatinina, principalmente em pacientes com insuficiência renal. Igualmente raras foram as observações de redução da hemoglobina, hematécrito, plaquetas e leuccitos ou a elevação de enzimas hepáticas.

Precauções :

Hipotensão sintomática: tem ocorrido raramente. mais provável sua Ocorrência em hipertenso com depleção do volume, restrição dietática de sal ou submetido dilise. Ela mais frequente em pacientes com grau avançado de ICC, que necessitam de altas doses de diuréticos de ala e apresentam falência renal. Havendo necessidade, ser feita reposição de volume e o tratamento com Eupressin pode ser continuado. Insuficiência renal: pacientes com insuficiência renal podem requerer dose reduzida e/ou menos frequente de Eupressin. Como alguns pacientes hipertensos, sem lesão renal preexistente aparente, desenvolveram discretos e transitórios aumentos da uria e creatinina sanguíneas, quando receberam concomitantemente Eupressin e um diurético; recomenda-se monitorizar previamente a função renal do paciente. Pode ser necessária a redução da dose de Eupressin e/ou a interrupção do diurético. Hipersensibilidade e edema angioneurtico: foi relatado raramente em pacientes tratados com inibidores da ECA. O tratamento deve ser descontinuado e o paciente deve ser observado. Uso na gravidez: não há estudos adequados e bem controlados do enalapril em grávidas. O mesmo atravessa a barreira placentária e aparece no sangue do cordão umbilical. há, portanto, risco potencial de hipotensão fetal, redução do peso ao nascer e diminuição da perfusão renal e/ou anúria no feto, a partir da exposição in étero aos inibidores da ECA. Todo o neonato, que foi exposto ao enalapril in étero, Deverá ser observado cuidadosamente quanto ao dbito urinário e a pressão arterial. Se necessário, deve-se iniciar tratamento clínico adequado, incluindo-se a administração de fluidos ou até dilise para remover o enalapril de sua circulação. O uso de inibidores da ECA durante a gestação não , pelos motivos expostos, absolutamente recomendado, a não ser que não haja outra opção de tratamento. Neste caso, a gestante Deverá ser devidamente cientificada do fato. Lactantes: o enalapril e o enalaprilato podem ser potencialmente secretados no leite materno. Aconselha-se que todos os riscos devam ser avaliados, no caso de Eupressin ser receitado a lactantes. Uso pediátrico: Eupressin não foi estudado em crianças. - Interações Medicamentosas:: terapia anti-hipertensiva: pode ocorrer efeito aditivo, quando Eupressin for usado com outros anti-hipertensivos. potássio srico: geralmente mantém-se dentro dos limites normais. Em pacientes com insuficiência renal, a administração de Eupressin pode elevar o potássio srico.

Fórmula :

Cada comprimido de Eupressin 2,5, 5, 10 e 20 mgcontém respectivamente: maleato de enalapril 2,5 mg, 5 mg, 10 mg e 20 mg. Excipiente q.s.p. 1 comprimido.

Contra indicação :

indivíduos que tenham demonstrado hipersensibilidade ao maleato de enalapril ou demais componentes da fórmula. Nos pacientes com história de edema angioneurtico relacionado a tratamento prvio com inibidores da enzima de conversão da angiotensina.

Modo de Usar :

Como a absorção de Eupressin não é afetada pela ingestão de alimentos, os comprimidos podem ser administrados antes, durante ou após as refeições. A dose diária usual varia de 10 a 40 mg para todas as indicações. Eupressin pode ser administrado 1 ou 2 vezes por dia. Em pacientes com ICC, com insuficiência renal, ou que estejam sendo tratados com diuréticos, pode ser necessária uma dose inicial menor de Eupressin. até o presente momento, a dose máxima estudada no homem de 80 mg diários. hipertensão essencial: dose inicial 10 a 20 mg administrada 1 vez ao dia. hipertensão leve: dose inicial 10 mg por dia. Outros graus de hipertensão: dose inicial 20 mg por dia. A dose de manutenção usual é de 1 comprimido de 20 mg ao dia. A posologia deve ser ajustada de acordo com as necessidades do paciente. hipertensão renovascular: iniciar com 1 dose menor, de 2,5 mg a 5 mg, e ajustar segundo as necessidades do paciente. A maioria dos pacientes responde a 20 mg ao dia. Cautela em pacientes hipertensos tratados recentemente com diuréticos, devido à possibilidade de ocorrer hipotensão sintomática após a dose inicial de Eupressin. Nestes casos, suspender o diurético por 2 a 3 dias antes de iniciar a terapia com Eupressin. Posologia em caso de insuficiência renal: geralmente deve-se prolongar o intervalo entre as doses de Eupressin, ou reduzir a posologia. Em caso de disfunção renal leve (depuração de creatinina entre 30 e 80 ml/min): dose inicial 5 a 10 mg; disfunção moderada (creatinina entre 10 e 30 ml/min): 2,5 a 5 mg; e disfunção grave (creatinina 10 ml/min): 2,5 mg nos dias de dilise. Como enalapril dialisvel, deve-se ajustar a posologia resposta da pressão arterial. Insuficiência cardíaca congestiva: monitorizar a pressão arterial e a função renal antes e depois de iniciar o tratamento com Eupressin, devido à possibilidade de ocorrer hipotensão e insuficiência renal na ICC. A dose inicial de Eupressin em pacientes com insuficiência cardíaca de 2,5 mg e deve ser administrada sob supervisão médica, para se verificar o efeito inicial sobre a pressão arterial. O incio da ação se dé alguns minutos após a administração. O efeito máximo sobre a pressão arterial e parâmetros hemodinâmicos é observado, em geral, nas primeiras 4 horas. Na ausência de, ou após, tratamento efetivo da hipotensão sintomática, conseqente ao incio da terapêutica com Eupressin, as doses devem ser aumentadas gradualmente, de acordo com a resposta do paciente, até 10 ou 20 mg diários. Esse perãodo de titulação da dose decorrer num perãodo varivel de 2 a 4 semanas, ou menos, se necessário a critério médico. A dose usual de manutenção é de 10 a 20 mg diários, em dose única ou dividida. Nota: o aparecimento de hipotensão após a dose inicial de Eupressin não significa que esta ocorrer durante a terapia crônica. Tal Ocorrência não contra-indica o uso continuado do Eupressin. - Superdosagem: estáo disponíveis dados limitados sobre a superdosagem no homem. A mais provável manifestação de superdosagem seria a hipotensão, que pode ser tratada, se necessário, por infusão intravenosa de solução salina normal e/ou angiotensina II.

Fabricante :

Fabricante : s Biosintética Ltda.

Medicamentos do mesmo fabricante :

adalat_oros., anangor., ansentron, arovit., avalox., baycuten-n, bayro-gel, benerva, bepantol, biocarbo, biometrox, biopaxel, biorrub, bioxifeno, bonar, brozepax, canesten, cipro, copaxone, corus_50_mg, corus_h, corus-h, deprilan_5_mg, dermomax, disgren, dysport, ephynal, eupressin, eupressin, ezulen, filgrastima, fluticaps, formocaps, gino-canesten_1, gino-canesten_3, leucovorina, lipobay, lisinopril, litiocar, loratadina, micetal, minor, miodaron, naproxeno, nicolan, nifelat, nootron, oceral, omeprazol, ondansetron, one-a-day_50, osteocalcic, osteotrat, oxcord, paclitaxel, pantopept, paracetamol, prevax, progresse, revangel, ribavirina, rupafin, saridon, sinergen, somatrop, supradyn, vincetron


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Emagrecimento e Aumento de Massa Muscular