Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Esmeron - dose

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : brometo de rocurônio.

Apresentação :

Solução injetável - uso intravenoso.

ESMERON 10 mg/ml - embalagem com 10 frascos-ampolas ou 5 ml.

Composição

Cada ml de ESMERON contém 10 mg de brometo de rocurônio.
Excipientes-: acetato de sódio, cloreto de sódio, ácido acético e água para injeção, q.s.p. 1 ml pH: 3,8 ­ 4,2 A tampa de borracha do frasco-ampola não contém látex.

Indicação : ESMERON pertence ao grupo de substâncias chamadas relaxantes musculares, as quais são utilizadas durante cirurgias como parte da anestesia geral. Quando você é operado, seus músculos precisam estar completamente relaxados. Isso facilita a tarefa do cirurgião.
Normalmente, os nervos enviam mensagens aos músculos por impulsos. ESMERON age bloqueando esses impulsos, de modo que os músculos ficam relaxados. Uma vez que os músculos que participam da respiração também se tornam relaxados, você precisará de ajuda para respirar (respiração artificial) durante e depois da cirurgia, até que possa respirar por si só.
Durante a cirurgia o efeito dos relaxantes musculares é constantemente verificado e, se necessário, é administrado mais medicamento. Ao final da cirurgia, permite-se que o efeito de ESMERON seja eliminado e você pode começar a respirar por si só. Algumas vezes, administra-se outro medicamento para acelerar esse processo. ESMERON pode, também, ser utilizado em Unidades de Terapia Intensiva para manter seus músculos relaxados.
A ação de ESMERON tem início logo após a sua administração.
Por que este medicamento foi indicado?
ESMERON é indicado para ser usado juntamente com a anestesia geral para facilitar os procedimentos de rotina, e relaxar a musculatura esquelética durante as intervenções cirúrgicas. ESMERON também é indicado para pessoas internadas em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para facilitar a intubação quando for necessária respiração artificial.

Contra Indicações e Cuidados :
Contra-Indicações
ESMERON não será usado se você for hipersensível (alérgico) ao rocurônio, ao íon brometo ou a qualquer outro componente da fórmula do produto.

Advertências e Precauções
Seu histórico médico pode influenciar o modo como ESMERON deve ser administrado. Informe ao seu médico se você apresenta ou apresentou alguma das seguintes condições:
· Alergia a relaxantes musculares
· Função renal diminuída ou doença renal
· Doença cardíaca
· Inchaço (retenção de líquido, por exemplo nos tornozelos)
· Doença do fígado ou da vesícula, ou função hepática diminuída
· Doenças afetando os nervos ou músculos
Determinadas condições médicas podem influenciar o modo de funcionamento de ESMERON. Por exemplo:
· Níveis baixos de potássio no sangue
· Níveis elevados de magnésio no sangue
· Níveis baixos de cálcio no sangue
· Níveis baixos de proteínas no sangue
· Desidratação
· Muito ácido no sangue
· Muito dióxido de carbono no sangue
· Indisposição geral
· Sobrepeso
· Queimaduras
Se você apresenta algumas dessas condições, seu médico levará esse fato em consideração ao decidir sobre a dose correta de ESMERON no seu caso.
Interações Medicamentosas:
Informe ao seu médico se está tomando ou se tomou recentemente algum outro medicamento, incluindo os obtidos sem receita médica. Isso ajudará seu médico a decidir sobre a dose correta de ESMERON para você.
Os seguintes medicamentos podem influenciar os efeitos de ESMERON:
Medicamentos que aumentam os efeitos de ESMERON:
· Alguns anestésicos
· Uso prolongado de corticosteroides concomitantemente com ESMERON na Unidade de Terapia Intensiva
· Determinados medicamentos que são utilizados para tratar infecções bacterianas (antibióticos)
· Determinados medicamentos usados para transtorno bipolar (lítio)
· Determinados medicamentos para doença cardíaca ou pressão arterial elevada (quinidina, antagonistas do cálcio, agentes betabloqueadores)
· Determinados medicamentos usados para tratamento da malária (quinino)
· Medicamentos que causam aumento do volume da urina (diuréticos)
· Sais de magnésio
· Anestésicos locais (lidocaína, bupivacaína)
· Uso de medicamentos para epilepsia durante uma cirurgia (fenitoína) Medicamentos que diminuem os efeitos de ESMERON:
· Uso prolongado de medicamentos para epilepsia (fenitoína e carbamazepina)
· Medicamentos para inflamação do pâncreas, distúrbios da coagulação do sangue ou perda aguda de sangue (inibidores de protease; gabexato, ulinastatina)
Medicamentos que apresentam efeito variável sobre ESMERON:
· Outros relaxantes musculares
ESMERON pode influenciar os efeitos dos seguintes medicamentos:
· O efeito dos anestésicos locais (lidocaína) pode ser aumentado.
Gravidez e lactação
Se você estiver grávida ou suspeita que possa estar, ou se estiver amamentando, peça orientação ao seu médico antes de ESMERON ser administrado a você.
Uso em crianças e idosos
ESMERON pode ser utilizado em crianças (de 30 dias até adolescentes) e idosos, mas seu médico deve primeiro avaliar seu histórico médico.
Efeitos sobre a habilidade de dirigir e utilizar máquinas
Seu médico informará quando for seguro dirigir e operar máquinas potencialmente perigosas depois que ESMERON tiver sido administrado a você.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Este medicamento é contra indicado na faixa etária até 30 dias de vida.
Informe ao médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis.
Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.
Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde.
Como devo usar este medicamento:
ESMERON é uma solução para injeção incolor ou de coloração levemente amarelo-castanho.
Doses
Seu médico determinará a dose. Você receberá ESMERON antes e/ou durante os procedimentos cirúrgicos. A dose usual é de 0,6 mg de brometo de rocurônio por kg de peso corporal e o efeito apresenta duração de 30 a 40 minutos. Durante o procedimento, será verificado se ESMERON ainda está agindo.
Se for necessário, você receberá doses adicionais. A dose dependerá de vários fatores, tais como possíveis interações com algum outro medicamento que você pode ter recebido, duração esperada do procedimento cirúrgico, idade e estado de saúde.
Método e via de Administração
ESMERON não é para ser administrado por você mesmo. ESMERON é uma solução para ser injetada na veia como injeção única ou infusão contínua, administrada por um médico.
Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento.
Efeitos Colaterais :
Assim como todos os medicamentos, ESMERON pode causar reações indesejáveis, embora nem todas as pessoas as apresentem.
As reações adversas incomuns ou raras (ocorrendo em 0,01% - 1% dos pacientes) são:
· Aumento da frequência cardíaca (taquicardia)
· Diminuição da pressão sanguínea (hipotensão)
· Aumento ou diminuição do efeito de ESMERON
· Dor no local da injeção
· Prolongamento do efeito relaxante muscular de ESMERON
As reações adversas muito raras (ocorrendo em menos de 0,01% dos pacientes) são:
· Hipersensibilidade, como alterações na pressão sanguínea ou frequência cardíaca e choque como consequência de muito pouco sangue na circulação
· Tensão no tórax por contrações dos músculos da respiração (broncoespasmo)
· Alterações da pele (por exemplo, inchaço, vermelhidão, erupções ou urticária)
· Fraqueza muscular ou paralisia
· Disfunção muscular prolongada, usualmente observada quando ESMERON e corticosteroides são utilizados ao mesmo tempo na Unidade de Terapia Intensiva em pacientes debilitados (miopatia esteroide)
Se alguma reação adversa se tornar grave, ou se você notar qualquer reação não mencionada nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico.

O que fazer se alguém usar uma grande quantidade deste medicamento de uma só vez?
Considerando que sua condição estará sendo monitorada pela equipe médica durante o procedimento, é improvável que você receba dose excessiva de ESMERON. Entretanto, se isso acontecer, a respiração artificial continuará até que você seja capaz de respirar sozinho novamente. É possível combater os efeitos de doses excessivas de ESMERON e acelerar sua recuperação administrando um medicamento que reverta os efeitos de ESMERON.

Onde e como devo guardar este medicamento?
ESMERON é armazenado em hospitais. Conservar entre 2 e 8°C. Pode ser conservado entre 8 e 30°C por um período de até 12 semanas. Os frascos não utilizados nesse período não devem ser colocados de volta em geladeira, devendo ser descartados.
O prazo de validade de ESMERON encontra-se gravado em sua embalagem externa. Em caso de vencimento, não utilize o produto.
ESMERON não será utilizado se for notado que a solução contenha partículas ou não esteja límpida.
Não use medicamentos com prazo de validade vencido, pois o seu efeito pode não ser o desejado.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Características farmacológicas
Grupo farmacoterapêutico: relaxantes musculares, agentes de ação periférica.
Farmacodinâmica
Mecanismo de ação
ESMERON (brometo de rocurônio) é um agente bloqueador neuromuscular não despolarizante, de ação intermediária, de rápido início de ação, que apresenta todas as ações farmacológicas características dessa classe de fármacos (curariforme). ESMERON atua competindo pelos receptores nicotínicos da placa motora terminal. Essa ação é antagonizada pelos inibidores da acetilcolinesterase, tais como neostigmina, edrofônio e piridostigmina.
Efeitos farmacodinâmicos
A DE90 (dose requerida para produzir uma depressão de 90% da transmissão neuromuscular do polegar à estimulação do nervo ulnar) durante a anestesia intravenosa é de aproximadamente 0,3 mg.kg-1 de brometo de rocurônio.
A DE95 em lactentes é menor do que em adultos e crianças (0,25; 0,35 e 0,40 respectivamente).
A duração clínica do bloqueio (duração até a recuperação espontânea de 25% da transmissão neuromuscular) com 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio é de 30-40 minutos. A duração total (tempo até a recuperação espontânea de 90% da transmissão neuromuscular) é de 50 minutos. O tempo médio para a recuperação espontânea de 25 a 75% da transmissão neuromuscular (índice de recuperação) após uma dose em bolus- de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio é de 14 minutos. Doses de brometo de rocurônio inferiores a 0,3-0,45 mg.kg-1 de brometo de rocurônio (1-1 ½ vezes a DE90), prolongam o início de ação e diminuem a duração do efeito. Com doses acima de 2 mg.kg-1, a duração clínica é de 110 minutos.
Intubação durante a anestesia de rotina
Sessenta segundos após a administração intravenosa de uma dose de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio (2 vezes a DE90 sob anestesia intravenosa) podem ser obtidas condições de intubação adequadas em quase todos os pacientes, dos quais 80% apresentam condições de intubação classificadas como excelentes. Após a administração de brometo de rocurônio na dose de 0,45 mg.kg-1 obtêm-se condições de intubação aceitáveis após 90 segundos e, dentro de 2 minutos, estabelece-se uma paralisia muscular geral adequada para qualquer tipo de intervenção cirúrgica.
Indução de sequência rápida
Após uma dose de 1,0 mg.kg-1 de brometo de rocurônio durante a indução de sequência rápida de anestesia, são obtidas condições adequadas de intubação em 60 segundos em 93% dos pacientes sob anestesia com propofol e em 96% daqueles sob anestesia com fentanil/tiopental.
Destas, 70% são classificadas como excelentes. A duração clínica com essa dose aproxima-se de 1 hora, tempo em que o bloqueio neuromuscular pode ser revertido com segurança.
Após uma dose de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio durante a indução de sequência rápida de anestesia, são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em 81% dos pacientes sob anestesia com propofol e 75% daqueles com fentanil/tiopental.
Populações especiais
O tempo médio de início de ação em crianças e lactentes com uma dose de intubação de 0,6 mg.kg-1 é ligeiramente mais curto do que em adultos. A duração do relaxamento e o tempo de recuperação tendem a ser menores em lactentes, se comparados a crianças e adultos.
A duração da ação da dose de manutenção de 0,15 mg.kg-1 de brometo de rocurônio pode ser mais longa sob anestesia com enflurano e isoflurano em pacientes geriátricos e em pacientes com alterações hepáticas e/ou renais (aproximadamente 20 minutos), do que em pacientes sem deterioração das funções dos órgãos excretores sob anestesia intravenosa (aproximadamente 13 minutos). Não foram observados efeitos cumulativos (aumento progressivo da duração de ação) com doses repetidas de manutenção no nível recomendado.
Unidade de Terapia Intensiva
Após infusão contínua na Unidade de Terapia Intensiva, o tempo para recuperação da razão de TOF para 0,7 depende do nível de bloqueio ao final da infusão. Após uma infusão contínua por 20 horas ou mais, a faixa média de tempo entre o retorno de T2 ao estímulo de TOF e a recuperação da razão de TOF para 0,7 é de aproximadamente 1,5 (1 a 5) hora em pacientes sem falência múltipla de órgãos e de 4 (1 a 25) horas em pacientes com falência múltipla de órgãos.
Cirurgia cardiovascular
Em pacientes que serão submetidos à cirurgia cardiovascular, as alterações cardiovasculares mais comuns durante o início de ação do bloqueio máximo após uma dose de 0,6 a 0,9 mg.kg-1 de ESMERON são um aumento pequeno e clinicamente insignificante da frequência cardíaca de até 9%, e um aumento da pressão arterial média de até 16% em relação aos valores de controle.
Reversão do relaxamento muscular
a administração de inibidores da acetilcolinesterase (neostigmina, piridostigmina ou edrofônio) ao reaparecimento de T2 ou aos primeiros sinais de recuperação clínica, antagoniza a ação de
ESMERON.
Farmacocinética
Após a administração intravenosa de uma dose única em bolus- de brometo de rocurônio, a concentração plasmática estabelece-se em três fases exponenciais.
Em adultos normais, a média da meia-vida de eliminação (95% IC) é de 73 (66 a 80) minutos, o volume aparente de distribuição em condições de equilíbrio dinâmico é de 203 (193 a 214) ml.kg-1 e a depuração plasmática é de 3,7 (3,5 a 3,9) ml.kg-1.min-1.
Em estudos clínicos controlados, a depuração plasmática em pacientes geriátricos e naqueles com disfunção renal foi reduzida, mas na maioria dos estudos não atingiu significância estatística. Em pacientes com doenças hepáticas, a média da meia-vida de eliminaçãoé prolongada em 30 min. e a depuração plasmática é reduzida em 1 ml.kg-1.min-1.
Em lactentes (3 meses a 1 ano), o volume aparente de distribuição nas condições do estado de equilíbrio é aumentado em comparação aos adultos e crianças (1 a 8 anos). Em crianças mais velhas (3 a 8 anos) é observada uma tendência a uma depuração mais elevada e meia- vida de eliminação mais curta (aproximadamente 20 minutos), se comparado aos adultos, crianças mais novas e lactentes.
Quando o brometo de rocurônio é administrado como infusão contínua para facilitar a ventilação mecânica por 20 horas ou mais, a média da meia-vida de eliminação e a média do volume aparente de distribuição no estado de equilíbrio dinâmico são aumentadas.
Em estudos clínicos controlados foi encontrada uma grande variabilidade entre os pacientes, relacionada à natureza e extensão da falência (múltipla) de órgãos e às características individuais do paciente. Em pacientes com falência múltipla de órgãos foram encontrados uma meia-vida média (± DP) de eliminação de 21,5 (± 3,3) horas, volume aparente de distribuição de 1,5 (± 0,8) L.kg-1 no estado de equilíbrio dinâmico e depuração plasmática de 2,1 (± 0,8) ml.kg-1.min-1.
O brometo de rocurônio é excretado na urina e bile. A excreção urinária é de cerca de 40% dentro de 12 a 24 horas. Após a injeção de uma dose de brometo de rocurônio marcado com radioatividade a excreção do composto radioativo é, em média, de 47% na urina e 43% nas fezes após 9 dias. Aproximadamente 50% é recuperado inalterado.
Dados pré-clínicos de segurança
Em estudos pré-clínicos os efeitos observados foram de pouca relevância clínica, uma vez que as doses utilizadas foram consideradas elevadas para a aplicação em seres humanos.
Não há nenhum modelo animal apropriado para estudar as situações extremamente complexas de um paciente na unidade de terapia intensiva. Assim, a segurança do uso de ESMERON na facilitação da ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva baseia-se principalmente nos resultados obtidos em estudos clínicos.

Resultados de eficácia
A eficácia de ESMERON foi avaliada em estudos que utilizaram a medida do efeito de bloqueio da transmissão neuromuscular e dos escores das condições de intubação, que são consideradas medidas previsíveis de eficácia de agentes bloqueadores neuromusculares.
Estudos clínicos realizados em população pediátrica mostraram que o inicio de ação em crianças e lactentes com uma dose de intubação de 0,6 mg.kg-1 é ligeiramente mais curto do que em adultos. A comparação dentro dos grupos etários pediátricos mostrou que o tempo médio de início em recém-nascidos a termo e adolescentes (1,0 minutos) é discretamente mais longo que em lactentes, crianças entre 1 e 3 anos e crianças até 12 anos (0,4, 0,6 e 0,8 minutos, respectivamente). A duração do relaxamento e o tempo de recuperação tendem a ser menores em lactentes se comparados a crianças e adultos. A comparação dentro dos grupos etários pediátricos mostrou que o tempo médio de reaparecimento de T3 foi prolongado em recém-nascidos a termo e lactentes (56,7 e 60,7 minutos, respectivamente) em comparação
com crianças entre 1 e 3 anos, crianças até 12 anos e adolescentes (45,4, 37,6 e 42,9 minutos, respectivamente).
Mais informações sobre a eficácia desse produto podem ser encontradas no item "Farmacodinâmica".
Indicações
ESMERON é indicado como adjuvante à anestesia geral para facilitar a intubação endotraqueal em procedimentos de rotina e de indução de sequência rápida de anestesia bem como para relaxar a musculatura esquelética durante intervenções cirúrgicas. ESMERON tambémé indicado como adjuvante na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para facilitar a intubação endotraqueal e a ventilação mecânica.
Contra-Indicações
ESMERON é contra indicado em pacientes que tenham manifestado hipersensibilidade ao rocurônio, ao íon brometo ou a qualquer um de seus componentes.
Modo de usar e cuidados de conservação depois de aberto
Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, ESMERON deve ser administrado somente por médicos experientes, ou sob a sua supervisão, familiarizados com a ação e o uso desses fármacos.
ESMERON deve ser administrado por via intravenosa, tanto por injeção em bolus- quanto por infusão contínua. Em estudos de compatibilidade, foi demonstrado que ESMERON, em concentrações nominais de 0,5 mg/ml e 2,0 mg/ml, é compatível com as seguintes soluções de infusão:
· NaCI a 0,9%;
· glicose a 5%;
· soro glicofisiológico (glicose a 5% em soro fisiológico);
· água para injeção;
· solução de Ringer lactato;
· Haemacel.
a administração deve ser feita imediatamente após a mistura, devendo ser completada dentro das 24 horas seguintes. As soluções não utilizadas devem ser descartadas.
Foi documentada incompatibilidade física de ESMERON quando adicionado a soluções que contenham os seguintes fármacos: anfotericina, amoxicilina, azatioprina, cefazolina, cloxacilina, dexametasona, diazepam, enoximona, eritromicina, famotidina, furosemida, succinato sódico de hidrocortisona, insulina, meto-hexital, metilprednisolona, succinato sódico de prednisolona, tiopental, trimetoprima e vancomicina. ESMERON é incompatível com intralipídeo.
ESMERON não deve ser misturado a outros medicamentos, exceto aqueles já citados anteriormente como compatíveis.
Se ESMERON for administrado na mesma via de infusão utilizada para outros fármacos, é importante que a linha seja lavada adequadamente (p. ex. com cloreto de sódio a 0,9%) entre a administração de ESMERON e dos fármacos para os quais foi demonstrada incompatibilidade, ou cuja compatibilidade ainda não tenha sido estabelecida (ver parágrafos anteriores sobre compatibilidade e incompatibilidade).
Conservar entre 2 e 8°C. Pode ser conservado entre 8 e 30°C por um período de até 12 semanas. Os frascos não utilizados nesse período não devem ser colocados de volta em geladeira, devendo ser descartados.
O prazo de validade de ESMERON encontra-se gravado em sua embalagem externa. Em caso de vencimento, não utilize o produto.
ESMERON, depois de aberto, deve ser consumido imediatamente, pois não contém conservantes.
ESMERON apresenta validade de 3 anos, desde que armazenado nas condições descritas acima. A data de validade está informada no cartucho e rótulo do frasco-ampola e refere-seà data até a qual SMERON pode ser utilizado. Após a diluição com os líquidos de infusão, foi demonstrada estabilidade física e química durante o uso por até 72 horas a 30ºC. Do ponto de vista microbiológico, o produto iluído deve ser utilizado imediatamente, caso contrário os tempos e condições de armazenamento antes da administração são de responsabilidade do usuário/administrador e, normalmente, não devem ser superiores a 24 horas em temperatura entre 2 e 8ºC, a menos que a diluição tenha sido feita em condições de assepsia controlada e validada.

Posologia
Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, a dose de ESMERON deve ser individualizada. Para definir a dose, deve-se levar em consideração o tipo de anestesia utilizada, duração prevista da cirurgia e da ventilação mecânica, método de sedação empregado, possível interação com outros medicamentos administrados antes e/ou durante a anestesia e o estado do paciente. Recomenda-se o emprego de uma técnica adequada para controlar o bloqueio neuromuscular e sua recuperação.
Os anestésicos inalatórios potencializam o efeito do bloqueio neuromuscular de ESMERON. No entanto, essa potencialização torna-se clinicamente relevante durante a anestesia quando os agentes voláteis alcançam as concentrações tissulares requeridas para a referida interação.
Consequentemente, durante procedimentos mais longos (tempo superior a 1 hora) sob anestesia inalatória (ver "Interações Medicamentosas:"), os ajustes de dose de ESMERONdevem ser feitos pela administração de doses de manutenção menores, em intervalos menos frequentes, ou pelo uso de doses de infusão mais baixas de ESMERON. As doses apresentadas a seguir podem servir de diretriz para intubação ndotraqueal e relaxamento muscular em procedimentos cirúrgicos de curta a longa duração e para uso na unidade de terapia intensiva em adultos.
Procedimentos cirúrgicos:
· Intubação endotraqueal
A dose padrão para intubação durante anestesia de rotina é de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio. Com tal dose são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em quase todos os pacientes. Recomenda-se uma dose de 1,0 mg.kg-1 de brometo de rocurônio para facilitar as condições de intubação endotraqueal durante a indução de sequência rápida de anestesia. Com tal dose também são obtidas condições adequadas de intubação dentro de 60 segundos em quase todos os pacientes. Se for utilizada uma dose de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio para indução de sequência rápida de anestesia, recomenda-se intubar o paciente 90 segundos após a administração do brometo de rocurônio.
Para o uso de brometo de rocurônio durante uma sequência rápida de indução da anestesia, em pacientes submetidas a cesariana, ver item "Gravidez e lactação".
· Doses elevadas
Caso haja razão para o uso de doses elevadas em um paciente em particular, doses de até 2 mg.kg-1 de brometo de rocurônio têm sido administradas durante a cirurgia sem que sejam observados eventos ardiovasculares adversos. O uso dessas doses elevadas de brometo de rocurônio diminui o tempo de início e aumenta a duração da ação (ver "Farmacodinâmica").
· Dose de manutenção
A dose de brometo de rocurônio recomendada para manutenção é de 0,15 mg.kg-1. Em caso de anestesia inalatória de longa duração, esta deve ser reduzida para 0,075 ­ 0,1 mg.kg-1. As doses de manutenção devem ser administradas preferencialmente quando a transmissão neuromuscular tenha se recuperado em 25%, ou quando houver 2 a 3 contrações em resposta a um estímulo TOF.
· Infusão contínua
Caso o brometo de rocurônio seja administrado por infusão contínua, a dose inicial recomendada é de 0,6 mg.kg-1, iniciando-se a administração por infusão após o início da recuperação do bloqueio neuromuscular.
O índice de infusão deve ser ajustado de modo a manter uma resposta da transmissão neuromuscular de 10% do controle do tamanho da contração, ou 1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF. Em adultos sob anestesia intravenosa, o índice de infusão requerido para manter o bloqueio neuromuscular nesse nível está entre 0,3 a 0,6 mg.kg-1.h-1, e sob anestesia inalatória o índice de infusão varia entre 0,3 a 0,4 mg.kg-1.h-1. É essencial o controle contínuo do bloqueio neuromuscular, uma vez que os requisitos do índice de infusão variam de um paciente para outro e com o tipo de anestesia utilizada.
· Pacientes pediátricos
Para lactentes (28 dias a 23 meses), crianças (2 a 11 anos) e adolescentes (12 a 18 anos), a dose recomendada para a intubação durante a anestesia de rotina e a dose de manutenção são similares às dos adultos.
No caso de infusão contínua pediátrica, os índices de infusão, exceto para lactentes, são os mesmos que para adultos. Para crianças, índices maiores de infusão podem ser necessários e o índice de infusão inicial é o mesmo recomendado para adultos. Este deve ser ajustado para manter a resposta de contração a 10% da altura da contração de controle ou para manter 1 ou 2 respostas TOF durante o procedimento.
Os dados para sustentar o uso de brometo de rocurônio em neonatos (0 a 1 mês) são insuficientes.
A experiência com brometo de rocurônio na indução de sequência rápida em pacientes pediátricos é limitada. Portanto, o brometo de rocurônio não é recomendado para facilitar as condições da intubação traqueal durante a indução de sequência rápida em pacientes pediátricos.
· Pacientes geriátricos e pacientes com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal
A dose padrão para intubação de pacientes geriátricos e com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal durante a anestesia de rotina é de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio. Deve-se considerar uma dose de 0,6 mg.kg-1 para indução de sequência rápida de anestesia nos pacientes em que se espera um prolongamento da ação. Independentemente da técnica anestésica aplicada, recomenda-se para tais pacientes uma dose de manutenção de brometo de rocurônio de 0,075 a 0,1 mg.kg-1, com uma velocidade de infusão de 0,3 a 0,4 mg/kg/hora (ver "Infusão contínua").
· Pacientes obesos e com excesso de peso
Ao utilizar ESMERON em pacientes com excesso de peso ou obesos (definidos como pacientes com peso corporal superior a 30% ou mais em relação ao peso corporal ideal), as doses devem ser reduzidas em função do peso corporal ideal.
Procedimentos na unidade de terapia intensiva:
· Intubação endotraqueal Para intubação endotraqueal devem-se usar as mesmas doses recomendadas para
procedimentos cirúrgicos.
· Dose de manutenção
Recomenda-se o uso de uma dose inicial de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio, seguida por uma infusão contínua assim que haja recuperação de 10% ao estímulo ou 1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF. As doses devem ser sempre ajustadas para cada paciente. Em adultos, para manter o bloqueio neuromuscular em 80 a 90% (1 a 2 contrações em resposta a um estímulo TOF), recomenda-se uma velocidade inicial de infusão de 0,3 a 0,6 mg.kg-1.h-1 durante a primeira hora de Administração, a qual deverá ser reduzida, de acordo com a resposta individual, durante as próximas 6 a 12 horas. A partir daí, os requisitos individuais de dose permanecem relativamente constantes.
Em estudos clínicos controlados foi encontrada uma grande variabilidade entre os pacientes nas velocidades horárias de infusão, variando de 0,2 a 0,5 mg.kg-1.h-1, dependendo da natureza e extensão da falência de órgãos, medicação concomitante e características individuais dos pacientes. Recomenda-se enfaticamente a monitoração da transmissão neuromuscular para obter ótimo controle individual do paciente. Foi investigada a administração por até 7 dias.
· Populações especiais
ESMERON não é recomendado para facilitar a ventilação mecânica na unidade de terapia intensiva em pacientes pediátricos e geriátricos, devido à falta de dados de segurança e eficácia.
Advertências
Uma vez que ESMERON provoca paralisia da musculatura respiratória, pacientes tratados com esse medicamento devem, obrigatoriamente, receber ventilação mecânica, até que haja restauração adequada da ventilação espontânea.
Assim como ocorre com todos os bloqueadores neuromusculares, é importante prever dificuldades na intubação, particularmente quando se utiliza a técnica de indução de sequência rápida de anestesia.
Assim como outros bloqueadores neuromusculares, existem relatos de paralisia residual com ESMERON. Com o objetivo de prevenir complicações resultantes desta, recomenda-se a extubação do paciente somente após suficiente recuperação do bloqueio neuromuscular. Outros fatores que poderiam causar paralisia residual após a extubação na fase pós-operatória (como Interações Medicamentosas: e condições do paciente) também devem ser levados em conta. Deve ser considerado o uso de um agente reversor, especialmente nos casos onde a paralisia residual é mais provável. Após a administração de agentes bloqueadores neuromusculares podem ocorrer reações anafiláticas, por isso sempre devem ser tomadas precauções para tratar tais reações. Como foram relatadas reações alérgicas cruzadas a agentes bloqueadores neuromusculares, no caso de reações anafiláticas prévias devem ser tomadas precauções especiais.
Em geral, após o uso prolongado dos bloqueadores neuromusculares na UTI, tem sido observada uma paralisia prolongada e/ou fraqueza dos músculos esqueléticos. Para auxiliar a excluir um possível prolongamento do bloqueio neuromuscular e/ou superdose, recomenda-se enfaticamente que a transmissão neuromuscular seja monitorada durante o uso dos bloqueadores neuromusculares. Além disso, os pacientes devem receber analgesia e sedação adequadas.
Adicionalmente, os bloqueadores neuromusculares devem ser ajustados individualmente, de acordo com o efeito, por médicos experientes que estejam familiarizados com suas ações e técnicas de monitoração neuromuscular apropriadas ou sob sua supervisão.
Foram relatados casos de miopatia após a administração de longo prazo na UTI de outros bloqueadores neuromusculares não despolarizantes em combinação com corticosteroide. Portanto, nessa situação, o período de uso do bloqueador neuromuscular deve ser o mais limitado possível.
Caso seja utilizada succinilcolina (suxametônio) para a intubação, a administração de ESMERON deve ser retardada, até que o paciente esteja clinicamente recuperado do bloqueio neuromuscular induzido pela succinilcolina (suxametônio).
As condições descritas a seguir podem influenciar a farmacocinética e/ou a farmacodinâmica de ESMERON.

· Doença hepática e/ou do trato biliar e insuficiência renal.
ESMERON deve ser usado com cuidado em pacientes com doença hepática e/ou biliar e/ou insuficiência renal clinicamente significativa(s), pois o rocurônio é excretado na urina e bile. Nesses grupos de pacientes, foi observado prolongamento da ação com doses de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio.
· Tempo de circulação prolongado Condições associadas ao tempo de circulação prolongado, tais como doença cardiovascular, idade avançada e estado edematoso levando a um aumento do volume de distribuição, podem contribuir para um início de ação mais lento. A duração da ação também pode ser prolongada devido à depuração plasmática reduzida.
· Doença neuromuscular
Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, ESMERON deve ser utilizado com extremo cuidado em pacientes com doença neuromuscular, ou após poliomielite, pois a resposta a agentes bloqueadores neuromusculares pode ser consideravelmente alterada nesses casos.
A magnitude e a direção dessa alteração podem variar muito. Em pacientes com miastenia gravis- ou com síndrome miastênica (Eaton-Lambert)-, pequenas doses de ESMERON podem ter efeitos acentuados; por isso, nesses pacientes ESMERON deve ser ajustado individualmente, de acordo com o efeito, até que seja obtida a resposta desejada.
· Hipotermia
Em cirurgias sob condições hipotérmicas, o efeito bloqueador neuromuscular de ESMERON é aumentado e sua duração prolongada.
· Obesidade
Assim como outros agentes bloqueadores neuromusculares, ESMERON pode apresentar um prolongamento na duração e na recuperação espontânea em pacientes obesos quando administrado em doses calculadas com base no peso corporal real.
· Queimaduras
Pacientes com queimaduras sabidamente desenvolvem resistência a agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes. Recomenda-se que a dose seja ajustada à resposta.
· Condições que podem aumentar os efeitos de ESMERON
Hipocalemia (por ex. após vômito e diarreia graves e terapia diurética), hipermagnesemia, hipocalcemia (após transfusões maciças), hipoproteinemia, desidratação, acidose, hipercapnia e caquexia.
Distúrbios eletrolíticos graves, alteração do pH sanguíneo ou desidratação devem ser corrigidos quando possível.
Gravidez e lactação
Gravidez
Categoria C.
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.
Não existem dados disponíveis da exposição ao brometo de rocurônio durante a gravidez. Estudos em animais não indicam efeitos nocivos diretos ou indiretos em relação à gravidez, desenvolvimento embrionário/fetal, parto ou desenvolvimento pós-natal. A prescrição de ESMERON para mulheres grávidas deve ser realizada com cautela.
Cesariana
ESMERON pode ser utilizado como parte da técnica de indução de sequência rápida de anestesia em pacientes submetidas a cesariana, desde que não se preveja nenhuma dificuldade de intubação e seja administrada uma dose suficiente de agente anestésico, ou após intubação facilitada por succinilcolina. ESMERON, quando administrado em doses de 0,6 mg.kg-1, mostrou-se seguro em parturientes submetidas
a cesariana. ESMERON não afeta o escore de Apgar, o tônus muscular fetal nem a adaptação cardiorrespiratória. Amostras de sangue do cordão umbilical evidenciam que a transferência placentária de brometo de rocurônio é limitada e não leva à observação de efeitos clínicos adversos no recém-nascido.
Nota 1: doses de 1,0 mg.kg-1 foram investigadas durante a indução de sequência rápida de anestesia, mas não em pacientes de cesariana. Portanto, nesse grupo, apenas uma dose de 0,6 mg.kg-1 é recomendada.
Nota 2: a reversão do bloqueio neuromuscular induzido por agentes bloqueadores neuromusculares pode ser inibida ou insatisfatória em pacientes recebendo sais de magnésio para toxemia da gravidez, porque estes potencializam o bloqueio neuromuscular. Dessa forma, nessas pacientes a dose de ESMERON deve ser reduzida e ajustada cuidadosamente pela monitoração de seus efeitos.
Lactação É desconhecido se ESMERON é excretado no leite humano. Estudos em animais demonstraram níveis insignificantes de ESMERON no leite e não indicaram efeitos nocivos diretos ou indiretos em relação à gravidez, desenvolvimento embrionário/fetal, parto ou desenvolvimento pós-natal.
ESMERON só deve ser administrado a mulheres que amamentam quando os benefícios para a paciente suplantarem o risco potencial para o lactante.
Efeitos sobre a habilidade de dirigir e utilizar máquinas
Uma vez que ESMERON é usado como coadjuvante na anestesia, as mesmas medidas de precaução após a anestesia geral devem ser tomadas para pacientes ambulatoriais.

Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco
Uso em idosos
ESMERON pode ser utilizado em pacientes com idade acima de 65 anos (ver "Posologia").
A dose padrão para intubação de pacientes geriátricos durante a anestesia de rotina é de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio. Deve-se considerar uma dose de 0,6 mg.kg-1 para indução de sequência rápida de anestesia nos pacientes em que se espera um prolongamento da ação. Independentemente da técnica anestésica aplicada, recomenda-se, para tais pacientes, uma dose de manutenção de brometo de rocurônio de 0,075 a 0,1 mg.kg-1, com uma velocidade de infusão de 0,3 a 0,4 mg/kg/hora (ver "Infusão contínua"). A duração da ação da dose de manutenção de 0,15 mg.kg-1 de brometo de rocurônio pode ser mais longa sob anestesia com enflurano e isoflurano em pacientes geriátricos (aproximadamente 20 minutos), do que naqueles sem deterioração das funções dos órgãos excretores sob anestesia intravenosa (aproximadamente 13 minutos). Não foram observados efeitos cumulativos (aumento progressivo da duração da ação) com doses repetidas de manutenção no nível recomendado.
Uso pediátrico
ESMERON pode ser utilizado em crianças a partir de 30 dias de vida. Entretanto, o tempo médio de início de ação em crianças e lactentes com uma dose de intubação de 0,6 mg.kg-1 é ligeiramente mais curto do que em adultos. A duração do relaxamento e o tempo de recuperação tendem a ser menores em lactentes se comparados a crianças e adultos.
Para lactentes (28 dias a 23 meses), crianças (2 a 11 anos) e adolescentes (12 a 18 anos), a dose recomendada para a intubação durante a anestesia de rotina e a dose de manutenção são similares às dos adultos (ver "Posologia").

A experiência com brometo de rocurônio na indução de sequência rápida em pacientes pediátricos é limitada. Portanto, o brometo de rocurônio não é recomendado para facilitar as condições da intubação traqueal durante a indução de sequência rápida em pacientes pediátricos.
Uso em insuficiência hepática e/ou renal
ESMERON pode ser utilizado em pacientes com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal (ver "Posologia").
A dose padrão para intubação de pacientes com alterações hepáticas e/ou das vias biliares e/ou insuficiência renal durante a anestesia de rotina é de 0,6 mg.kg-1 de brometo de rocurônio. Deve-se considerar uma dose de 0,6 mg.kg-1 para indução de sequência rápida de anestesia nos pacientes nos quais se espera um prolongamento da ação. Independentemente da técnica anestésica aplicada, recomenda-se para tais pacientes uma dose de manutenção de brometo de rocurônio de 0,075 a 0,1 mg.kg-1, com uma velocidade de infusão de 0,3 a 0,4 mg/kg/hora (ver "Infusão contínua"). A duração da ação da dose de manutenção de 0,15 mg.kg-1 de brometo de rocurônio pode ser mais longa sob anestesia com enflurano e isoflurano em pacientes com alterações hepáticas e/ou renais (aproximadamente 20 minutos) do que em pacientes sem deterioração das funções dos órgãos excretores sob anestesia intravenosa (aproximadamente 13 minutos). Não foram observados efeitos cumulativos (aumento progressivo da duração de ação) com doses repetidas de manutenção no nível recomendado.

Interações Medicamentosas:
Foi demonstrado que as drogas abaixo descritas influenciam a magnitude e/ou a duração da ação de agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes.
Efeitos de outros medicamentos sobre ESMERON
· Aumento do efeito
- Anestésicos voláteis halogenados potencializam o bloqueio neuromuscular de ESMERON. O efeito torna-se aparente somente com a dose de manutenção (ver "Posologia"). A reversão do bloqueio com inibidores da acetilcolinesterase também deve ser empregada.
- Após a intubação com succinilcolina (suxametônio) (ver "Posologia").
- O uso concomitante prolongado de corticosteroides e ESMERON na UTI pode resultar em bloqueio neuromuscular prolongado ou miopatia (ver "Advertências" e "Reações Adversas").
- Outros fármacos:
- antibióticos: aminoglicosídeos e polipeptídeos, lincosamida, acilaminopenicilínicos;
- diuréticos, quinidina e os isômeros da quinina, sais de magnésio, agentes bloqueadores do canal de cálcio, sais de lítio, anestésicos locais (lidocaína intravenosa, bupivacaína epidural) e Administração aguda de fenitoína e agentes -bloqueadores.
A paralisia residual tem sido relatada após a administração pós-operatória de:
aminoglicosídeos, lincosamina, antibióticos polipeptídeos e acilaminopenicilínicos, quinidina, quinina e sais de magnésio (ver "Advertências").
· Diminuição do efeito
- Administração prévia crônica de fenitoína ou carbamazepina.
- Inibidores da protease (gabexato, ulinastatin).

· Efeito variável
a administração de outros bloqueadores neuromusculares não despolarizantes em combinação com ESMERON pode produzir atenuação ou potencialização do bloqueio neuromuscular, dependendo da ordem da administração e do agente bloqueador neuromuscular utilizado.
A succinilcolina administrada após a administração de ESMERON pode produzir potencialização ou atenuação do efeito bloqueador neuromuscular de ESMERON.
· Efeito de ESMERON sobre outros fármacos
O uso de ESMERON combinado com lidocaína pode resultar em um início de ação mais rápido desta.

Reações adversas a medicamentos
As reações adversas mais comuns incluem dor/reação no local da injeção, alterações nos sinais vitais e bloqueio neuromuscular prolongado. As reações adversas graves relatadas com mais frequência durante a farmacovigilância foram reações anafiláticas e anafilactoides (< 1/10000) e sintomas associados. Ver também as informações abaixo da tabela.
Termo preferidoa MedDRA SOC Incomum/ raro Muito raro (< 1/100, > 1/10000)b (< 1/10000) Distúrbios do sistema Hipersensibilidade, reações imune anafiláticas, reaçõesanafilactoides, choque anafilático, choqueanafilactoide Distúrbios do sistema Paralisia flácida nervoso Distúrbios cardíacos Taquicardia
Distúrbios vasculares Hipotensão Choque e colapso circulatório, flushing- Distúrbios respiratórios, Broncoespasmo torácicos e mediastinais Distúrbios de pele e tecidos Edema angioneurótico, subcutâneos urticária, exantema, erupção eritematosa Distúrbios Fraqueza muscularc e musculoesqueléticos e do miopatia esteroidalc tecido conectivo Distúrbios gerais e Fármaco ineficaz, efeito Edema facial condições no local de do fármaco/ resposta administração terapêutica diminuída, efeito do fármaco/ resposta terapêuticaaumentada, dor no local da injeção, reação no local da injeção Lesão, intoxicação e Bloqueio neuromuscular Complicação da anestesia complicações no prolongado, recuperação de vias aéreas procedimento demorada da anestesia MedDRA versão 8.1 a as frequências são estimativas derivadas de dados dos relatórios de farmacovigilância e de dados da literatura em geral.
b os dados de farmacovigilância não podem fornecer a incidência precisa. Por essa razão, a frequência relatada foi dividida em duas e não em cinco categorias.
Reações anafiláticas
Embora muito raras, foram relatadas reações anafiláticas graves a agentes bloqueadores neuromusculares, incluindo ESMERON, tais como: broncoespasmo, alterações cardiovasculares (ex. hipotensão, taquicardia, colapso - choque circulatório) e cutâneas (ex. angioedema e urticária). Em alguns, casos essas reações foram fatais. Devido à possível gravidade dessas reações, deve-se sempre supor que elas possam ocorrer e tomar as precauções necessárias.
Liberação de histamina e reações histaminoides
Uma vez que os agentes bloqueadores neuromusculares são sabidamente capazes de induzir a liberação de histamina, tanto no local da injeção quanto sistemicamente, a possibilidade de Ocorrência de reações pruriginosas e eritematosas no local da injeção e/ou reações histamínicas (anafilactoides) generalizadas, (ver também sobre reações anafiláticas acima) deve(m) ser sempre levada(s) em consideração quando se administra tais drogas.
Em estudos clínicos foram observados apenas pequenos aumentos nos níveis plasmáticos médios de histamina após a administração rápida em bolus- de doses de 0,3 a 0,9 mg.kg-1 de brometo de rocurônio.
Bloqueio neuromusular prolongado
A reação adversa mais frequente à classe dos agentes bloqueadores não despolarizantes consiste na extensão da ação farmacológica da droga além do período necessário. Esta pode variar de fraqueza dos músculos esqueléticos a paralisia profunda e prolongada destes, resultando em insuficiência respiratória ou apneia.
Miopatia
Foram relatados casos de miopatia após o uso de diversos agentes bloqueadores neuromusculares em combinação com corticosteroides na UTI (ver "Advertências").
Reações no local da injeção
Durante a indução de sequência rápida de anestesia foi relatada dor à injeção, especialmente quando o paciente não havia perdido completamente a consciência, e particularmente quando o propofol foi usado como agente de indução.
Em estudos clínicos foi observada dor à injeção em 16% dos pacientes submetidos à indução de sequência rápida de anestesia com propofol, e em menos de 0,5% dos submetidos à indução de sequência rápida de anestesia com fentanil e tiopental.
Superdose
Em caso de superdose e prolongamento do bloqueio neuromuscular, o paciente deve continuar a receber suporte ventilatório e sedação. Deve-se administrar um inibidor da acetilcolinesterase (por ex. neostigmina, edrofônio, piridostigmina) em doses adequadas, até que se inicie a recuperação espontânea. Quando a administração de agentes inibidores da acetilcolinesterase não reverter os efeitos neuromusculares de ESMERON, deve-se continuar com a ventilação até que a respiração espontânea seja restaurada. a administração de doses repetidas de inibidores da acetilcolinesterase pode ser perigosa. Em estudos com animais, a depressão grave da função cardiovascular, eventualmente levando a colapso cardíaco, não ocorreu até a administração de uma dose cumulativa de 750 vezes a DE90 (135 mg.kg-1 de brometo de rocurônio).
Armazenagem
Conservar entre 2 e 8°C. Pode ser conservado entre 8 e 30°C por um período de até 12 semanas. Os frascos não utilizados neste período não devem ser colocados de volta em geladeira, devendo ser descartados.
O prazo de validade de ESMERON encontra-se gravado em sua embalagem externa. Em caso de vencimento, não utilize o produto.
Este medicamento, depois de aberto, deve ser utilizado imediatamente.
DIZERES LEGAIS
MS 1.0171.0096
Farm. Resp.: José Luis Moretti Farah ­ CRF-SP nº 16.509
RA 8730 OS S4 (ref 2.1)
OSSUPL RA8730 OS P2 (ref 2.1)
esmeron15/jul/09

Laboratório

Schering do Brasil

Av Alfredo Egídio de Souza Aranha, 384 An 4
São Paulo - SP

Medicamentos do mesmo fabriante :

Azelan, Betaferon, Cliane, Dopergin, Ecovis 200, Esmeron, Estrofem 2 mg, Femiane, Fludara, Gestadinona, Ginedisc, Gyno icaden, Icaden, Levovist, Lindisc 50, Lindisc duo, Loratadina, Mesigyna, Microvlar, Nebido, Neovlar, Procin, Proviron, Puregon, Quadriderm, Rebetol, Rotram, Sporostatin, Ultraproct, Vasomax


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.