Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Dilacoron - para que serve

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Verapamil.

Apresentação :

Comprimidos revestidos:
Dilacoron 80mg - embalagem com 30 comprimidos revestidos sulcados.
Dilacoron 120mg ap - embalagem com 20 comprimidos revestidos.
Dilacoron 240mg retard - embalagem com 10 ou 30 comprimidos.
Solução injetável:
Solução injetável - embalagem com 5 ampolas de 2ml

Indicação :
1.Isquemia miocrdica
a.isquemia silenciosa;
b.angina crônica estável(clssica angina de esforo);
c.angina de repouso
angina vasospastica(variante de Prinzmetal)
angina instvel("in crescendo","pré-infarto")
2.hipertensão arterial leve e moderada
Para tratamento da hipertensão arterial leve e moderada, em monoterapia, Dilacoron tem a vantagem de poder ser usado em pacientes onde outras medicações estáo contra-indicadas ou não são bem toleradas, tais como nos portadores de asma, diabetes mellitus, depressão, transtornos da função sexual, vasculopatia cerebral ou perifrica, doença coronariana, hiperlipidemias, hiperuricemia e senilidade.
3.Profilaxia das taquicardias supraventriculares paroxsticas
Dilacoron injetável é indicado para as taquicardias supraventriculares paroxstica e crise hipertensiva:
a.conversão rápida para o ritmo sinusal das taquicardias supraventriculares paroxsticas incluindo aquelas associadas a feixes anmalos (síndrome de Wolff-Parkinson-White e Lown-Ganong-Levine).
b.controle temporrio da resposta ventricular rápida no "flutter" ou fibrilação atrial, exceto quando associados com feixes anmalos (síndrome de Wolff-Parkinson-White e Lown-Ganong-Levine).
c.redução dos níveis presséricos na crise hipertensiva e na refratéria.

Efeito Colateral :

O cloridrato de verapamila geralmente bem tolerado. Seus efeitos secundários são relativamente raros e são geralmente extensão de sua atividade farmacológica. Uma recente revisão da literatura mundial relata cerca de 8% de pacientes com efeitos secundários, entretanto apenas 1% necessita interromper o tratamento.
As seguintes reações adversas foram relatadas:
Cardiovascular: hipotensão, edema perifrico, bloqueio AV de II e III graus, bradicardia, insuficiência cardíaca congestiva.
Sistema nervoso central: tonteira, cefaleia, fadiga, nervosismo e parestesias.
Gastrintestinal: constipação e náusea.
Em casos muito raros foi observado em pacientes idosos sob tratamento prolongado, o aparecimento de ginecomastia, a qual tem sido reversível em todos os casos depois da suspensão do medicamento. Existe relatos de aumento do nível de prolactina.

Precauções :

Uso pediátrico:
Deve-se ter bastante cautela ao administrar cloridrato de verapamila.
Estudos controlados com verapamila em pacientes pediátricos ainda não foram realizados, mas experiências com Administração endovenosa em mais de 250 pacientes, metade abaixo de 12 meses de idade e cerca de 25% de recêm-nascidos, indicam que os resultados do tratamento são similares aos observados em adultos. Entretanto, graves efeitos colaterais tem ocorrido, principalmente com a administração endovenosa em neonatos.
Uso na gravidez:
Estudos de reprodução realizados em coelhos e ratos com cloridrato de verapamila oral em doses de 1,5 (15 mg/kg/dia) e 6 (60 mg/kg/dia) vezes a dose oral diária do homem, respectivamente, não revelaram evidência de teratogenicidade. Entretanto, como nem sempre os estudos realizados em animais predizem a resposta para o homem, o uso de verapamila durante a gravidez deve ser bem avaliado quanto a relação risco-benefício.
Cloridrato de verapamila atravessa a barreira placentária e pode ser detectado no sangue da veia umbilical durante o parto.
Uso na lactação:
O cloridrato de verapamila também excretado no leite materno. Devido a possível Ocorrência de reações adversas em lactentes, deve-se interromper a lactação durante o tratamento de Dilacoron.
Outros:
Deve-se evitar a ingestão de bebidas alcolicas durante o uso de Dilacoron.
Em pacientes com função hepática limitada, o efeito do cloridrato de verapamila, dependendo da gravidade do caso, se intensifica e se prolonga
devido ao metabolismo retardado do fármaco.
Por conseguinte, nestes casos se deve ajustar muito cuidadosa a dosificação e comear com doses menores.
Administração intravenosa:
Administração intravenosa somente deve ser praticada pelo médico.
Aconselha-se especial precaução em: bloqueio AV de I grau, bradicardia < 50 batidas/min.; hipotensão0,12 seg.). Em pacientes com distrofia muscular progressivas há observado depois da administração de varepamila por via intravenosa um caso de parada respiratério por falha da função muscular.
Na insuficiência coronária aguda a administração intravenosa só deve ser realizada observando cuidadosamente a indicação (exclusão de inforto do miocárdio) e baixo estricto do paciente.
Durante a gravidez, especialmente no primeiro trimestre e durante a lactação, só deve administrar-se cloridrato de verapamila quando existir uma indicação absolutamente necessária.

Fórmula :

A forma oral de liberação normal contém 80mg de cloridrato de verapamila (Dilacoron 80 mg).
A forma oral de liberação gradativa contém 120 mg de cloridrato de verapamila (Dilacoron AP).
A forma Retard, desenvolvida para uma cinética de liberação e níveis plasmáticos de 24h, contém 240 mg de cloridrato de verapamila (Dilacoron Retard).
A forma injetável contém 5mg de cloridrato de verapamila em 2ml de solução fisiológica.

Contra indicação :

Hipotensão severa(exceto quando por crise de arritmia);
choque cardiogúnico;
insuficiência ventricular esquerda;
bloqueio AV de segundo e terceiro graus;
síndrome do ndulo sinusal;
insuficiência cardíaca congestiva;
bradicardia acentuada(abaixo de 50 b.p.m.);
flutter ou fibrilação atrial associada a feixe anmalo (Wolff-Parkinson-White e Lown-Ganong-Levine);
hipersensibilidade ao cloridrato de verapamila;
Administração simultânea de betabloqueadores por via intravenosa.

Interação Medicamentosa :

Digitlicos: o uso de cloridrato de verapamila em pacientes digitalizados é bem tolerado se a dose de digoxina é adequadamente ajustada. O tratamento crônico com verapamila aumenta 50% a 75% os níveis séricos de digoxina durante a primeira semana de terapia, podendo resultar em intoxicação digitlica. Desta forma, ao iniciar-se o tratamento com cloridrato de verapamila em pacientes sob tratamento com digital recomendável reduzir os digitlicos a metade, restabelecendo a dose inicial em 1-2 semanas, caso haja necessidade para o xito terapêutico.
Betabloqueadores: a combinação de cloridrato de verapamila com betabloqueadores foi usada terapeuticamente em pacientes com angina estável que não respondiam a nenhuma medicação isoladamente. Cloridrato de verapamila e propranolol administrados conjuntamente propiciaram um a melhora mais significativa na tolerância ao exercício que qualquer das drogas isoladamente. Entretanto, recomenda-se cautela no uso combinado do
cloridrato de verapamila e betabloqueadores em pacientes com comprometimento da função ventricular esquerda ou em pacientes com disfunção do ndulo sinusal ou bloqueio AV instvel.
O cloridrato de verapamila EV não deve ser usado em pacientes sob tratamento com betabloqueadores.
Deve-se evitar a administração intravenosa de betabloqueadores durante o tratamento com Dilacoron 240 mg comprimidos revestidos.
Agentes anti-hipertensivos: o cloridrato de verapamila administrado concomitantemente com agentes anti-hipertensivos orais(ex.: vasodilatadores, inibidores da enzima de conversão da angiotensina, diuréticos e betabloqueadores) teré um efeito aditivo na redução da pressão arterial, devendo neste caso haver uma monitoração do paciente. Segundo um estudo realizado, a administração concomitante de cloridrato de verapamila e prazosin resultou em queda brusca da pressão sanguínea.
Disopiramida: até que sejam obtidos dados sobre possíveis Interações entre verapamila e fosfato de disopiramida, não se deve administrar
disopiramida entre 48 horas antes e 24 horas após a administração de verapamila.
Quinidina: em pequeno nmero de pacientes com cardiomiopatia hipertrófica (HSS), uso concomitante de verapamila e quinidina resultou em significativa hipotensão. até que maiores dados sejam obtidos, a terapia combinada de verapamila e quinidina em pacientes com cardiomiopatia hipertrófica deve ser evitada.
Os efeitos eletrofisiológicos da quinidina e do cloridrato de verapamila sobre a condução AV foram estudados em 8 pacientes. O cloridrato de verapamila neutralizou significativamente os efeitos da quinidina sobre a condução AV.Houve um relato de aumento de níveis de quinidina durante a terapia com verapamila.
Nitratos: nenhuma interação indesejável tem sido atribuda a combinação do cloridrato de verapamila com nitratos de curta e longa ação. O perfil farmacológico de ambas as drogas e a experiência clínica sugerem Interações benficas, reduzindo a frequência das crises e o consumo de nitratos.
Cimetidina: dois estudos clínicos demonstraram que não há interação significativa do cloridrato de verapamila com a cimetidina.
Um terceiro estudo demonstrou que a cimetidina reduziu clearance da verapamila e aumentou sua meia-vida de eliminação.
Ciclosporina: o tratamento concomitante com verapamila aumenta a faixa circulante da ciclosporina.
Fenitona e Fenobarbital: redução do nível plasmático e do efeito de verapamila.
lítio: a terapia com verapamila pode resultar em um decrcimo dos níveis séricos do lítio nos pacientes que recebem tratamento crônico. Um ajuste da dose de lítio oral pode ser necessário.
Carbamazepina: o tratamento concomitante com verapamila pode aumentar as concentrações de carbamazepina.
Rifampicina: o uso concomitante de rifampicina pode reduzir acentuadamente a biodisponibilidade oral da verapamila.
Teofilina: o uso concomitante com verapamila aumenta os níveis plasmáticos de teofilina.
Agentes Anestásicos: dados clínicos e estudos em animais sugerem que a verapamila pode potencializar a atividade de agentes bloqueadores neuromusculares e anestásicos inalatérios.
Soluções Alcalinas: verapamila sob a forma de solução injetável incompatével com soluções alcalinas(ex.: solução de bicarbonato), já que pode efetuar-se uma precipitação da base de verapamila.

Modo de Usar :

Uso adulto:
Oral: As doses de Dilacoron devem ser individualizadas e administradas de pReferência com a alimentação e deglutidas com um pouco de água, sem serem mastigadas.
A dose inicial usualmente recomendada para adultos de 240 mg, divididas em 2 ou 3 tomadas na dependência da Apresentação : escolhida, aumentando-se a dose diariamente. A dose diária total para a maioria dos pacientes encontra-se na faixa de 320 a 480 mg/ dia.
Para pacientes que apres0ntam uma resposta acentuada a verapamila(idosos, pessoas debilitadas, de baixo peso e estatura, etc.), uma dose diária inicial de 120 mg pode ser usada. A Apresentação : em comprimidos sulcados (80 mg) permite o fracionamento quando necessário.
Em geral, o efeito máximo das doses administradas torna-se aparente durante as primeiras 24 a 48 horas de terapia, mas deve-se observar que nesse perãodo, a meia-vida da verapamila aumenta, podendo, portanto, retardar a resposta terapêutica.
Solução injetável:
Em todas as suas Indicaçõesrecomenda-se o uso inicial de 5 mg por via intravenosa lenta (aproximadamente 2 minutos). Se após 5 a 10 minutos não houver resposta terapêutica adequada pode-se administrar nova dose de 5 mg sob controle eletrocardiogrfico.
Nos casos graves, como crises hipertensivas, após infarto ou em arritmias recorrentes, recomenda-se aplicação gota a gota de 25 mg de Dilacoron injetável diludos em 150 ou 250 ml de solução glicosada, até uma dose de 100 mg/dia, em média. A velocidade de Administração estar na dependência da resposta terapêutica, dados eletrocardiogrficos e presséricos. a administração de Dilacoron injetável deve ser reduzida ou suspensa quando houver gradativo alargamento do espao PR, aparecimento de bloqueio AV, bradicardia ou queda pressérica abaixo dos níveis normais.
Em caso de acidente com hipotensão acentuada e bloqueio AV de alto grau, necessário aplicar por via intravenosa substâncias simpaticomimeticas (como isoproterenol ou orciprenalina) ou parassimpaticoliticas (como atropina) ou, na falta destes, gluconato de cálcio ou similar. Não se recomenda a aplicação de Dilacoron injetável sem controle pressrico e eletrocardiogrfico. Infuses diárias de 25 a 100 mg em geral são bem toleradas, respeitando-se as contra-indicações.
Uso pediátrico
recêm-nascidos: 0,75 - 1 mg (=0,3 - 0,4 ml)
Lactentes: 0,75 - 2 mg (=0,3 - 0,8 ml)
De 1 a 5 anos: 2 - 3 mg (=0,8 - 1,2 ml)
De 5 a 14 anos: 2,5 - 5 mg (=1 - 2 ml)
Em recêm-nascidos e lactentes no caso de apresentar-se sintomas de insuficiência cardíaca dependente de uma taquicardia (esgotamento energtico do miocárdio) necessário efetuar uma digitalização antes da administração por via intravenosa.
Recomenda-se interromper a administração por via intravenosa lenta no momento do incio do efeito. Caso seja necessário, a dose poderá ser repetida após 5 a 10 minutos, sempre com observação e controle eletrocardiogrfico do paciente.

Superdosagem :

Em caso de superdosagem devem ser tomadas medidas de suporte, tais como estimulação beta-adrenrgica ou Administração de solução parenteral de cálcio. Tais medidas podem aumentar o fluxo do on cálcio através dos canais lentos, e tem sido utilizadas no tratamento da superdosagem com a verapamila. No caso de ocorrerem reações hipotensivas de significncia clínica ou bloqueio AV de alto grau permanente, devem ser utilizados agentes vasopressores ou marca-passo cardíaco, respectivamente. Em caso de assistolia devem ser tomadas medidas usuais incluindo ressuscitação
cardiopulmonar.
Contra medidas em casos de efeitos secundários cardiovasculares agudos:
Medidas usuais de terapia intensiva.
Antdodo específico: cálcio [ex. 10 - 20 ml em uma solução intravenosa de gluconato de cálcio a 10% (2,25 - 4,5 mmol), caso necessário, repetir as doses ou como infusão gota a gota (ex. 5 mmol/hora)]. Medidas adicionais eventualmente necessárias.
Em bloqueio AV de II e III graus, bradicardia sinuosal, assistolia: atropina, isoprenalina, orciprenalina ou tratamento com marcapassos.
Em hipotensão: dopamina, dobutamina, noradrenalina.
Se todavia se observarem sintomas de insuficiência miocrdica: dopamina, dobutamina e, caso necessário, repetir a injeção de cálcio, eventualmente amiodarona em combinação com isoproterenol.

Fabricante :

Knoll Produtos Químicos e Farmacêuticos Ltda.

Estrada dos Bandeirantes, 2400
22710-104 - Rio de Janeiro - RJ
Tel: 55 (021) 348-2581 / 348-2525 - Fax: 55 (021) 342-2963 / 348-2631

Medicamentos do mesmo fabricante :

Cardionorm, Dilacoron, Gopten, Gyno Iruxol, Iruxol, Mucolin, Neosaldina, Niar, Panzytrat 25000, Ritmonorm, Saniderm, Synthroid


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.