Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Dibetam - comprimidos

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo: Betametasona (como dipropionato de betametasona)

Apresentação: Caixa com 1 ampola contendo 1ml.

Indicação: DIBETAM injetável é indicado para o tratamento de doenças agudas e crônicas suscetíveis aos corticóides, tais como: alterações osteomusculares e de tecidos moles; Artrite reumatéide, osteoartrite, bursite , espondilite anquilosante, epicondilite, radiculite, coccidnia, ciática, lumbago , torcicolo, cisto ganglionar, exostose, fascite. Condições alérgicas: Asma brônquica crônica (incluindo terapia adjuvante para o estado de mal asmático), febre do feno, edema, angioneurtico, bronquite alérgica, rinite alérgica sazonal ou perene, reações medicamentosas, doenças do sono, picadas de insetos. Condições dermatológicas: Dermatite atépica (eczema numular), neurodermatite (lquen simples circunscrito), dermatite de contato, dermatite solar grave, urticária, lquen plano hipertrófico, necrobiose lipoódica diabtica, alopécia areata, lpus eritematoso discóide, psorase, quelides, Pónfigo, dermatite herpetiforme, acne cstica. Colagenoses: Lpus eritematoso sistémico, esclerodermia, dermatomiosite, periarterite nodosa. Neoplasias: Para o tratamento paliativo de leucemias e linfomas em adultos, leucemia aguda da infância. Outras condições: síndrome adrenogenital, colite ulcerativa, ilete regional, espru, condições peditricas ( bursite sob heloma duro, hallux rigidus, digiti quinti varus), afecções necessitando de injeções subconjuntivas, discrasias sanguíneas que respondem aos corticóides, nefrite e síndrome nefrtica. A insuficiência adrenocortical primria ou secundária poderá ser tratada com DIBETAM injetível, mas Deverá ser suplementada com mineralocorticóides. DIBETAM injetável recomendado para; 1. injeções intramusculares em doenças que respondem aos corticóides sistémicos; 2. injeções diretamente no tecido mole afetado, quando indicado; 3. injeções intra-articulares e periarticulares em artrites; 4. injeção intralesional em vrias condições dermatológicas e 5. injeção local em certas alterações inflamatórias e csticas do Pó.

Efeito Colateral:

reações adversas a DIBETAM injetável poderão comumente ser revertidas ou minimizadas por uma redução na dose. Isto ser geralmente preferível retirada do medicamento. Embora a Incidência de reações adversas ao DIBETAM injetável seja baixa, a possível Ocorrência de efeitos colaterais conhecidos dos corticóides Deverá ser considerada: alterações hidreletrolíticas (detenção de sódio, perda de potássio, alcalose hipocAlémica, retenção de fluido, insuficiência cardíaca congestiva em pacientes suscetíveis, hipertensão), osteomusculares (mêsculo-esquelticas, fraqueza muscular, miopatia, perda de massa muscular, agravamento dos sintomas miastânicos na miastenia grave; osteoporose; fraturas vertebrais; necrose assptica da cabeça do fmur e do mero, fratura patológica dos ossos longos; rotura de tendão; instabilidade articular decorrente de repetidas injeções intra-articulares), gastrintestinais (úlcera péptica com possível perfuração e hemorragia; pancreatite; distenção abdominal, esofaringite ulcerativa), dermatológicas (comprometimento de cicatrização dos tecidos; atrofia cutânea; adelgaamento cutâneos; petquias e equimoses; eritema facial; aumento da sudorese; diminuição ou supressão da reação aos testes cutâneos; reações como dermatite alérgica; urticária, edema angioneurtico), neurológicas (convulsões; aumento da pressão intracraniana com edema de papila (pseudotumor cerebral) comumente depois de tratamento; vertigem; cefaleia), endócrinas (irregularidades menstruais; desenvolvimento de síndrome de Cushing; supressão do crescimento na infância e no perãodo intra-uterino; falta de resposta adrenocortical e pituitéria, particularmente em perãodos de estresse, como trauma, cirurgias ou doenças; diminuição da tolerância aos carboidratos, manifestações clínicas de diabetes latente, aumento das necessidades diárias de insulina ou agentes hipoglicemiantes orais), oftlmicas (cataratas subcapsulares posteriores; aumento da pressão intra-ocular; glaucoma; exoftalmia), metabólicas (balanão nitrogenado negativo devido ao catabolismo protico) e distúrbios psiquitricos (euforia; alteração de humor; depressão grave até manifestações psicóticas fracas; mudanças de personalidade, insônia). Outras: reações anafilticas, hipersensibilidade, hipotensão e choque.
As reações adversas estáo relacionadas com a dose e a duração do tratamento.
reações adversas relacionadas ao tratamento corticóide parenteral incluem: casos
raros de cegueira associados com o tratamento intralesional da face e da cabeça; hiper ou hipopigmentação; atrofia cutânea e subcutânea; abscessos estáreis; rea de rubor Pós-injeção (em seguida ao uso intra-articular) artropatia do tipo Charcot.

Fórmula:

Cada ampola contém:
Betametasona (como dipropionato de betametasona)....................5mg
Betametasona (como fosfato dissódico de betametasona)....................2mg
Excipientes: bissulfito de sódio, creatinina, hidróxido de sódio, citrato de sódio, água para injeção, metilparabeno e propilparabeno, polivinilpirrolidona.

Contra indicação:

Como com outros corticóides, DIBETAM injetável está contra indicado em pacientes com infecções sistémicas por fungos, em pacientes com hipersensibilidade ao DIPROPIONATO DE BETAMETASONA, FOSFATO DISsódicO DE BETAMETASONA, outros corticóides ou a qualquer um de seus componentes.
DIBETAM injetável não Deverá ser administrado por via intramuscular a pacientes com púrpura trombocitoPónica idioPótica.

Interação Medicamentosa:

O uso concomitante de fenobarbital, rifampicina, fenitona ou efedrina pode aumentar o metabolismo do corticóide, reduzindo, assim, seus efeitos terapêuticos.
Efeitos corticóides excessivos poderão ocorrer em pacientes recebendo corticóides e estrgenos ao mesmo tempo.
O uso concomitante de corticóides com diuréticos depletores de potássio poderá aumentar a hipocalemia.
O uso concomitante de corticóides com glicosdeos cardíacos poderá aumentar a possibilidade de arritmias ou intoxicação digitlica associadas à hipocalemia.
Os corticóides poderão aumentar a depressão de potássio causada pela anfotericina B. Em todos os pacientes em uso de digitlicos, diuréticos depletores de potássio e anfotericina B, a determinação dos eletrôlitos séricos Deverá ser acompanhada de perto.
O uso concomitante de corticóides com anticoagulantes cumarúnicos poderá aumentar ou diminuir os efeitos anticoagulantes, havendo necessidade de reajustes posológicos.
Os efeitos combinados de antiinflamatórios não esteroides ou álcool com corticóides poderão resultar em aumento da Ocorrência ou da gravidade de ulcerações gastrintestinais.
Os corticóides poderão diminuir as concentrações sanguíneas dos salicilatos. O Ácido acetilsalicílico Deverá ser utilizado com cuidado em associação aos corticosteróides em pacientes com hipoprotrombinemia.
Quando os corticóides forem administrados a diabéticos, poderão ser necessários reajustes posológicos dos hipoglicemiantes.
Terapia concomitante com glicocorticóides poderá inibir a resposta somatotropina.
Interações com fármacos usados em testes de Fabricante: Os corticóides poderão afetar o teste de "nitroblue tetrazolium" para infecção bacteriana e produzir resultados falso-negativos.

Modo de Usar:

AS NECESSIDADES posológicAS são VARIVEIS E DeveráO SER INDIVIDUALIZADAS BASEADAS NA Doença ESPECFICA, NA GRAVIDADE DO QUADRO E NA RESPOSTA DO PACIENTE AO TRATAMENTO.
A dose inicial Deverá ser mantida ou ajustada até que uma resposta satisfatéria seja obtida. Se uma resposta clínica satisfatéria não ocorrer após um perãodo de tempo razovel, o tratamento com DIBETAM injetável Deverá ser descontinuado e iniciada outra terapia apropriada.
Administração Sistémica - Para o uso sistémico, o tratamento Deverá ser iniciado com 1 a 2ml na maioria das condições e repetido quando necessário. a administração é através de injeção intramuscular (I.M) profunda na regio gltea. As doses e a frequência das administrações irão depender da gravidade da condição do paciente e da resposta terapêutica. Em doenças graves, como lupus eritematoso sistémico ou estado de mal asmático já controlados por medidas de emergência, 2ml poderão ser necessários inicialmente.
Uma grande variedade de condições dermatológicas respondem é Administração IM de corticóides. Uma injeção IM de 1ml, repetida de acordo com a resposta terapêutica, foi considerada como eficaz.
Em doenças do trato respiratério o incio da melhora dos sintomas ocorreu dentro de poucas horas após a injeção intramuscular de DIBETAM injetível. O controle efetivo dos sintomas com 1 a 2ml é obtido na asma brônquica, febre no feno, bronquite alérgica e rinite alérgica.
No tratamento da bursite aguda ou crônica, resultados excelentes foram obtidos com 1 a 2 ml de DIBETAM injetável por via intramuscular, repetidos se necessário.
Administração local - O uso concomitante de anestásicos locais raramente necessário. Se isto for desejável, DIBETAM injetável poderá ser misturado (na seringa e não no frasco) com lidocana ou procana a 1% a 2% ou anestásicos locais similares. Deverão ser evitados os que contenham metilparabeno, propilparabeno, fenol etc.
A dose necessária de DIBETAM injetável ser transferida para a seringa e, em seguida, o anestásico. A mistura na seringa Deverá ser agitada levemente.
Em bursite s agudas subdeltides, subacromiais, olecraneanas e pré-patelares, uma injeção intrabrsica de 1 a 2ml de DIBETAM injetável poderá aliviar a dor e restaurar a completa movimentação dentro de poucas horas. A bursite crônica poderá ser tratada com doses reduzidas uma vez que os sintomas agudos estejam controlados. Em tenossinovite aguda, tendinite e peritendinite, uma injeção de DIBETAM injetável poderá trazer alívio. Em formas crônicas destas doenças, poderão ser necessárias injeções repetidas, de acordo com as necessidades do paciente.
após Administração intra-articular de 0,5 a 2ml de DIBETAM injetível, ocorrem alívio da dor, sensibilidade e rigidez associados é osteoartrite e é artrite reumatéide dentro de 2 a 4 horas. A duração do alívio, que varia amplamente nas duas condições, de 4 semanas ou mais na maioria dos casos.
Uma injeção intra-articular de DIBETAM injetável é bem tolerada pela articulação e pelos tecidos periarticulares. As doses recomendadas para injeção intra-articular são:
Grandes articulações (joelho, bacia, ombro): 1 - 2ml
médias articulações (cotovelo, punho, tornozelo): 0,5 - 1ml
Pequenas articulações (Pó, mo, trax): 0,25 - 0,5ml
Afecções dermatológicas poderão responder a administração intralesional de DIBETAM injetível. A resposta de algumas lesões não tratadas diretamente poderão ser devidas a um leve efeito sistémico do fármaco. No tratamento intralesional, uma dose intradrmica de 0,2ml/cm2 de DIBETAM injetável distribuda igualmente com uma seringa do tipo tuberculina e agulha calibre 26, recomendada. A quantidade total de DIBETAM injetável injetada em todas as reas a cada semana não Deverá exceder a 1ml. DIBETAM injetável poderá ser usado eficazmente em afecções do Pó que são suscetíveis aos corticóides. bursite sob heloma duro poderá ser controlada com duas injeções sucessivas de 0,25ml cada. Em algumas condições como hallux rigidus, digiti quinti varus e artrite gotosa aguda, a melhora dos sintomas poderá ser rápida. Uma seringa do tipo tuberculina e uma agulha de calibre 25 são adequadas para a maioria das injeções. As doses recomendadas, em intervalos de aproximadamente uma semana são: bursite sob heloma duro ou mole, 0,25 - 0,5ml; bursite sob esporo de calcneo, 0,5ml; bursite sob hallux rigidus, 0,5 ml; bursite sob digiti quinti varus, 0,5ml; cisto sinovial, 0,25 - 0,5ml; neuralgia de Morton (metatarsalgia), 0,25 - 0,5ml; tenossinovite, 0,5ml; periostite do cubide, 0,5ml; artrite gotosa aguda, 0,5 - 1ml.
Depois de obtida a resposta favorvel, a dose de manutenção Deverá ser determinada através da diminuição da dose inicial em decrscimos graduais, a intervalos apropriados, até que seja encontrada a dose mínima capaz de manter uma resposta clínica adequada.
A exposição do paciente a situações de estresse, não relacionadas doença em curso, poderá necessitar de um aumento da dose de DIBETAM injetível. Se for necessária a descontinuação da medicação após tratamento prolongado, a dose Deverá ser reduzida gradualmente.

Superdosagem:

Sintomas:
A superdosagem aguda com corticóides não leva a situações de risco de vida. Exceto nos casos de doses muito elevadas, alguns dias de dose excessiva com corticóides não parecem produzir resultados prejudiciais na ausência de contra-Indicaçõesespecficas, como em pacientes com diabetes mellitus, glaucoma, úlcera péptica ativa ou naqueles fazendo uso de medicamentos, como digitlicos, anticoagulantes cumarúnicos ou diuréticos depletores de potássio.
Tratamento-complicações resultantes dos efeitos metabólicos dos corticóides ou dos efeitos deletrios da doença bsica ou concomitante ou resultantes de Interações Medicamentosas: deverão ser tratadas apropriadamente.
Manter ingestão de líquidos adequada e monitorizar os eletrôlitos séricos e urinários, com especial atenção ao balanão de sódio e potássio. Tratar o desequilíbrio eletroltco, se necessário.

Fabricante:

Vitapan Indústria farmacêutica Ltda.

Endereço: Rua VPR 01, Quadra 02-A, Modulo 01, Daia
Anápolis - GO, 75132-020
Telefone: (62) 3902-6100
CNPJ: 30.222.814/0001-31
Industria Brasileira.

Medicamentos do mesmo fabricante:

Aceclofenaco, Alendrin, Algy Flanderil, Amlodil, Ancloric, Assedatil, Atenoclor, Baczin, Beritin BC, Binafin, Bronquil, Butacid, Cecoflan, Celoxin, Cifloxan, Cinazin, Clarivit, Clordilon, Cloridrato de Amilorida Hidroclorotiazida, Clotigen, Dermitrat, Dermonil, Descoflan, Dexamex, Dibetam, Digoxan, Dimedril, Dimenidrin, Diureclor, Doralex, Dorfenol, Doxilina, Dnergrip-C, Feldran, Ferrison, Flamalgen, Flamatrat, Fluconid, Fungitrin, Gellat, Ginecol,
  • Glicomet, Hemodase, Ivermectina, Katrizan, Lisinoprid, Lorasc, Lorasliv, Losacoron, Mebendathil, Meloflan, Micotrin, Miocardil, Mucovit, Nimelid, Nimelit, Nistagen, Panvermin, Peptovit, Permitrat, Predcort, Pressomet, Pulmotrat, Quadrineo, Renapril, Resfriol, Reumotec, Ritroxim, Secdazol, Sivastin, Soripan, Suavebaby, Sulfato de Salbutamol, Tenolon, Ulcevit, Vertizan, Vitaglos, Vital Colírio, Vitromicin,

    Advertências:

    Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

    Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

    Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

    Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

    Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

    O ministério da saúde adverte:

    A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

    Como descartar os medicamentos:

    Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

    Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

    Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

    Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

    Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

    As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

    Como conservar seus medicamentos da melhor forma:

    Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

    No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

    Mantenha-o longe do alcance de crianças.

    Manuseie-o com as mãos limpas.

    Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

    O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

    Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

    Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

    Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

    Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.