Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Desferal - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Mesilato de Deferoxamina.

Apresentação : Liofilizado injetível, acondicionado em frasco-ampola, caixa com 10 unidades.

Indicação :

Para fins terapêuticos
Tratamento da sobrecarga crônica de ferro, por exemplo:
Hemossiderose transfusional, especialmente na talassemia maior, anemia sideroblstica, anemia hemoltica auto-imune e outras anemias crônicas;
Hemocromatose idioPótica (primria) em pacientes nos quais distúrbios concomitantes (ex.: anemia severa, doença cardíaca, hipoproteinemia) impedem a flebotomia;
Acmulo de ferro associado a porfiria cutânea tarda.
Tratamento de intoxicação aguda por ferro.
Tratamento da sobrecarga crônica de alumínio, em pacientes com insuficiência renal terminal (em dilise de manutenção), portadores de:
Doença óssea relacionada ao alumínio,
Encefalopatia por dilise ou
Anemia relacionada ao alumínio.
2. Para fins de diagnóstico
No diagnóstico da sobrecarga de ferro ou alumínio.

Efeito Colateral :

As seguintes reações adversas tém sido relatadas:
reações locais:
frequentes: dor, inchao, endurecimento, eritema, ardor, prurido, Pópulas ou rash no local das infuses ou injeções, ocasionalmente acompanhadas por febre, calafrios e mal-estar.
Alergia:
Raras: reações anafilticas/anafilactides, com ou sem choque, angioedema.
rgos dos sentidos:
Raras: visão borrada, acuidade visual reduzida, a perda da visão, deficiência da visão para cores (discromatopsia), cegueira noturna (nictalopia), alterações no campo visual, escotoma, retinopatia (degeneração pigmentar da retina), neurite ptica, catarata (opacidade do cristalino), opacidade da crnea; zumbido, perda da audição inclusive perda da audição neurossensorial de alta frequência (ver Advertências).
Pele:
Raras: rash generalizado, prurido, urticária.
Sistema endócrino:
Rara: retardo no crescimento (ver Advertências)
Sistema respiratério:
Em casos isolados: síndrome da angstia respiratéria do adulto (com dispnéia, cianose e infiltrado pulmonar intersticial) (ver Advertências).
Sistema nervoso central:
Transtornos neurológicos, vertigem, convulsões, exacerbação da disfunção neurológica na encefalopatia relacionada ao alumínio.
Em casos isolados: precipitação de demncia em pacientes em dilise, neuropatia sensorial perifrica, parestesia (ver Precauções).
Sistema gastrintestinal:
Raras: náusea, vômitos, diarreia, célicas abdominais.
Sistema renal:
Em casos isolados: comprometimento da função renal (ver Precauções).
Fgado:
Comprometimento da função hepática.
Sistema cardiovascular:
Hipotensão.
Sistema hematológico:
Em casos isolados: discrasias sanguíneas (ex.: trombocitopenia).
Outros:
cãimbras nos membros inferiores.
Em casos isolados: indisposição, dor óssea.

Precauções :

DESFERAL não deve ser administrado em doses maiores do que as recomendadas. O produto deve utilizado preferencialmente como solução a 10% em água para injeção (ver Instruções para uso). Na concentração recomendada de 10%, a solução reconstituída apresenta-se lmpida, e incolor a levemente amarelada. Apenas soluções lmpidas devem ser utilizadas. Soluções opacas ou turvas devem ser descartadas. Para infusão subcutânea a agulha não deve ser inserida muito próximo derme. O devido cuidado deve ser tomado com a Técnica de aplicação .
Em pacientes com sobrecarga grave e crônica de ferro, tem sido relatada a debilitação da função cardíaca em tratamento concomitante com altas doses de DESFERAL e altas doses de vitamina C (mais que 500 mg diários). A disfunção cardíaca foi revertida quando a vitamina C foi descontinuada. As seguintes precauções devem ser adotadas quando DESFERAL e vitamina C tiverem que ser utilizados concomitantemente:
Suplementos de vitamina C não devem ser administrados a pacientes com insuficiência cardíaca.
Iniciar o tratamento com vitamina C somente após um mês de tratamento regular com DESFERAL.
Administrar vitamina C apenas se o paciente estiver recebendo DESFERAL regularmente, idealmente, logo após se acionar a bomba.
Não exceder uma dose diária de 200 mg de vitamina C, administrados em doses fracionadas.
recomendável a monitorização da função cardíaca durante a terapia combinada.
Antes do incio de tratamento com DESFERAL e, a partir da, a cada 3 meses, são recomendados exames oftalmológicos especializados e testes audiológicos.
Os pacientes pediátricos em tratamento com DESFERAL devem ser monitorizados quanto ao peso corPóreo e crescimento longitudinal a cada 3 meses (ver Advertências).
Em pacientes portadores de encefalopatia relacionada com alumínio, altas doses de DESFERAL podem exacerbar a disfunção neurológica (convulsões), provavelmente em decorrência do aumento agudo do alumínio circulante. DESFERAL pode precipitar o incio da demncia em pacientes em dilise. Relatou-se que um pré-tratamento com clonazepam previne essa deterioração neurológica. O tratamento da sobrecarga de alumínio pode, também, resultar em decrscimo do cálcio srico em agravamento de hiperparatireoidismo.
Deve-se observar que alguns dos sinais e sintomas relatados como efeitos adversos podem, de fato, ser manifestações da doença de base (acmulo de ferro e/ou alumínio).

Advertências

A infusão intravenosa rápida pode provocar colapso (flushing, hipotensão, taquicardia, urticária e choque).
Altas doses de DESFERAL, especialmente em pacientes com baixos níveis plasmáticos de ferritina, podem levar a distúrbios da visão e audição (ver reações adversas). Pacientes com insuficiência renal que recebam dilise de manutenção e tenham baixos níveis de ferritina são particularmente propensos a reações adversas; sintomas visuais tém sido relatados após doses únicas de DESFERAL. O risco de efeitos colaterais reduzido, quando se emprega terapia de baixas doses. Se ocorrerem distúrbios visuais ou auditivos, o tratamento com DESFERAL deve ser imediatamente descontinuado. As alterações induzidas por DESFERAL são reversíveis, na maioria dos casos, quando a terapia descontinuada. O tratamento com DESFERAL pode ser retomado posteriormente com dose reduzida e estrita monitorização das funções auditiva e visual.
Deve-se ter cuidado em pacientes com disfunção renal, grave, pois aproximadamente metade do complexo de metais excretado através dos rins. Os complexos de ferro e alumínio são dialisveis; em pacientes com insuficiência renal, sua eliminação poderá ser aumentada através de dilise.
Altas dosagens de DESFERAL, concomitantes com baixos níveis de ferritina, tém também sido associadas com retardo no crescimento (ver Posologia e método de Administração: tratamento de sobrecarga crônica de ferro). Em alguns pacientes, após redução da dose, a taxa de crescimento pode retornar aos níveis de pré-tratamento.
A síndrome de angstia respiratéria em adulto tem sido descrita acompanhando tratamento com doses i.v. excessivamente altas de DESFERAL em pacientes com intoxicação aguda por ferro e, também, em pacientes talassmicos. As doses diárias recomendadas não devem portanto ser excedidas.
Foi relatado, em pacientes que sofriam de sobrecarga de ferro, que DESFERAL aumenta a susceptibilidade a infecções, ex. por Yersinia enterocolitica e Yersinia pseudotuberculosis. Se um paciente sob tratamento com DESFERAL apresentar febre acompanhada de enterite/enterocolite aguda, dor abdominal difusa ou faringite, o tratamento Deverá ser temporariamente descontinuado, efetuados testes bacteriológicos e iniciada imediatamente terapia com antibiótico adequado. Quando a infecção ceder, o tratamento com DESFERAL poderá ser reiniciado.
Em pacientes em dilise de manutenção que recebiam DESFERAL por sobrecarga de alumínio e/ou ferro, foram relatados casos raros de mucormicose, uma infecção aguda por fungos. Se ocorrer algum dos sinais ou sintomas suspeitos, DESFERAL deve ser imediatamente descontinuado, efetuados testes micológicos e instituído tratamento apropriado. A mucormicose pode ocorrer também em pacientes sob hemodilise que não estejam recebendo DESFERAL, indicando que outros fatores determinantes, tais como diabetes mellitus, distúrbio do equilíbrio ácido-base, leucemia, drogas imunossupressoras ou um sistema imunológico comprometido por outros fatores, podem exercer influência no desenvolvimento dessa infecção.
A excreção do complexo de ferro pode causar coloração marrom-avermelhada na urina.

Fórmula :

Cada frasco-ampola contém 500 mg de mesilato de deferoxamina na forma liofilizada.

Contra indicação :

Hipersensibilidade conhecida à substância ativa de DESFERAL, exceto quando for possível a dessensibilização bem sucedida.

Gravidez e Lactação

A deferoxamina mostrou-se teratogênica em experimentos com animais. até o momento, todos os pacientes em que foi relatada a administração de DESFERAL durante a gravidez deram luz a crianças sem nenhuma malformação. Durante a gravidez, especialmente nos três primeiros meses, o produto somente deve ser empregado se seu uso for obrigatério.
Não há dados sobre a passagem da substância ativa para o leite materno.
Em cada caso, devem ser ponderados os benefícios para a me em relação aos riscos para a criança.

Interação Medicamentosa :

O tratamento concomitante com DESFERAL e proclorperazina, um derivado da fenotiazina, pode conduzir a alteração temporria de consciência.
Em casos de sobrecarga grave e crônica de ferro, constatou-se, durante terapia combinada com doses elevadas de vitamina C (acima de 500 mg/dia), uma deterioração da função cardíaca (ver Precauções); tal deterioração mostrou-se reversível quando a vitamina C foi retirada.
Os resultados de contraste com glio-67 podem ser distorcidos em função de rápida excreção urinária de DESFERAL ligado ao glio 67. recomendável a descontinuação de DESFERAL com 48 horas de antecedncia cintilografia.

Modo de Usar :

Tratamento da sobrecarga crônica de ferro: O principal objetivo da terapia de quelação no tratamento da sobrecarga de ferro, em pacientes jovens se atingir o equilíbrio do ferro e prevenir a hemossiderose, ao passo que, em pacientes idosos o equilíbrio negativo do ferro desejável a fim de se reduzir, lentamente, a deposição elevada de ferro e prevenir-se os efeitos txicos desse metal.
Crianças e adultos:
recomendável que a terapia com DESFERAL seja iniciada após as 10-15 primeiras transfuses sanguíneas ou quando o nível srico de ferritina tenha atingido 1000 ng/ml.
A dosagem e o modo de Administração devem ser determinados individualmente e adaptados durante a terapia, de acordo com a gravidade da sobrecarga de ferro no paciente. A fim de se avaliar a resposta terapia de quelação, a taxa de ferro, na urina de 24 horas, deve ser inicialmente monitorizada diariamente e estabelecida a resposta s doses aumentadas de DESFERAL, iniciando-se o tratamento com dose diária de 500 mg, que seré aumentada até se alcançar nível estável de excreção de ferro. Uma vez estabelecida a dose apropriada, as taxas de excreção de ferro pela urina devem ser avaliadas em intervalos de algumas semanas. Geralmente a dose diária média situa-se entre 20 e 60 mg/kg. Os pacientes com níveis séricos de ferritina menores que 2000 ng/ml exigem cerca de 25 mg/kg/dia. Os pacientes com níveis séricos de ferritina entre 2000 e 3000 ng/ml exigem cerca de 35 mg/kg/dia. Doses maiores devem ser administradas somente se os benefícios ao paciente superarem os riscos de efeitos colaterais, associados a altas doses diárias repetidas.
a administração subcutânea lenta por perãodo de 8-12 horas, por meio de bomba de infusão portátil, É considerada efetiva e especialmente conveniente para pacientes ambulatoriais, mas pode também ser administrada por perãodo de 24 horas. DESFERAL deve ser utilizado com a bomba 4 a 7 vezes por semana, dependendo da gravidade da sobrecarga de ferro.
Administração intramuscular:
Como as infuses subcutâneas são mais efetivas, as injeções intramusculares são administradas somente quando as infuses subcutâneas não forem viveis.
Infusão intravenosa durante transfusão de sangue.
A disponibilidade de uma conexo intravenosa durante transfuses de sangue torna possível administrar-se uma infusão intravenosa, sem inconveniente adicional ao paciente. Isso especialmente til a pacientes que respondem inadequadamente infusão subcutânea.
Infusão intravenosa contínua.
Quando se conduzir quelação intensiva domiciliar, podem ser utilizados sistemas intravenosos implantados. A infusão intravenosa contínua é indicada a pacientes incapacitados para a infusão subcutânea contínua e naqueles que tenham problemas cardíacos secundários ao acmulo de ferro. A dose de DESFERAL depende da extensão do acmulo de ferro do paciente. A excreção urinária de 24 horas deve ser mensurada regularmente, e a dosagem reduzida de acordo.
Qualquer que seja a via de Administração escolhida, a dose de manutenção individual a ser selecionada depender da taxa de excreção de ferro do paciente.
utilização concomitante de vitamina C.
Os pacientes com acmulo de ferro normalmente se tornam deficientes em vitamina C, provavelmente pela oxidação da vitamina pelo ferro. Como adjuvante da terapia quelante, doses diárias de até 200 mg de vitamina C podem ser administradas fracionadamente, iniciando-se após o primeiro mês de tratamento regular com DESFERAL (ver Precauções). Em geral, 50 mg são suficientes para crianças menores de 10 anos e 100 mg para crianças de mais idade. Doses maiores de vitamina C são ineficazes no aumento adicional de excreção de complexos de ferro.
Tratamento de intoxicação aguda por ferro. DESFERAL é um adjunto ao tratamento padro geralmente utilizado para se tratar a intoxicação aguda por ferro. após aspiração gástrica e lavagem, 5-10 g de DESFERAL em 50-100 ml de água devem ser administrados por via oral ou por tubo estomacal e devem ser deixados no estômago para quelar o ferro não absorvido pelo trato gastrintestinal. Entretanto, a eficácia de DESFERAL oral para esse objetivo não está claramente estabelecida.
Para se eliminar o ferro (Fe) já absorvido, DESFERAL deve ser administrado por via i.m. ou i.v., em:
todos os pacientes com nível srico de Fe >500 g/dl (89,5 mol/litro),
qualquer paciente com nível srico de Fe >350 g/dl (62,6 mol/litro) e evidência de Fe livre,
qualquer paciente com sinais e sintomas de intoxicação aguda por ferro, quando os níveis séricos de Fe não estiverem disponíveis.
Se o paciente estiver hipotenso ou em choque, a via intravenosa recomendada. A velocidade máxima para administração i.v. é de 15 mg/kg/hora e deve ser reduzida assim que a situação o permitir, em geral após 4 a 6 horas, de modo que a dose intravenosa total não exceda 80 mg/kg em um perãodo de 24 horas.
A terapia deve continuar até que os níveis séricos de ferro sejam menores do que a capacidade total de ligação de ferro. A efetividade do tratamento dependente da eliminação adequada na urina, a fim de se assegurar que o complexo ferro- ferrioxamina seja excretado do organismo. Se ocorrer oligúria ou anúria, podem-se tornar necessárias dilise peritonial, hemodilise ou hemofiltração.
Tratamento de sobrecarga de alumínio em pacientes portadores de insuficiência renal terminal. Os complexos de alumínio e de ferro de DESFERAL são dialisveis. Em pacientes com insuficiência renal, sua eliminação pode ser aumentada por dilise.
Pacientes com evidências de sintomas ou disfunção orgânica causados por sobrecarga de alumínio podem ser tratados com DESFERAL. Mesmo em pacientes assintomáticos, o tratamento com DESFERAL deve ser considerado, se os níveis séricos de alumínio forem consistentemente superiores a 60 ng/ml e estiverem associados a um teste para infusão de DESFERAL positivo (ver a seguir), particularmente se os achados de bipsia óssea apresentarem evidência de doença óssea relacionada ao alumínio.
DESFERAL deve ser administrado em dose de 5 mg/kg uma vez por semana (ver Instruções para uso), administrada como infusão intravenosa lenta durante os últimos 60 minutos de uma sessão de dilise, para se reduzir a perda do fármaco livre no dialisado. após completar os três primeiros meses de curso do tratamento com DESFERAL, acompanhado de um perãodo de wash-out de 4 semanas, deve ser executado um teste de infusão de DESFERAL. Se dois testes de infusão de DESFERAL sucessivos, executados com intervalo de 1 mês, resultarem em níveis séricos de alumínio menores do que 75 ng/ml, acima da linha de base, não é recomendado tratamento adicional com DESFERAL.
Em pacientes sob dilise peritoneal ambulatorial contínua (DPAC) ou sob dilise peritoneal cclica contínua (DPCC) DESFERAL pode ser administrado via i.m., por infusão lenta i.v. ou s.c. ou por via intraperitoneal. recomendado que a via intraperitoneal seja utilizada nesses pacientes. DESFERAL deve ser administrado uma vez por semana a uma dose de 5 mg/Kg previamente troca final do dia.

Superdosagem :

Sinais e sintomas
Uma vez que DESFERAL se encontra disponível somente para administração por via parenteral, improvável a Ocorrência de intoxicação aguda. Entretanto, taquicardia, hipotensão e sintomas gastrintestinais surgiram ocasionalmente em pacientes que receberam doses exageradas de DESFERAL.
a administração inadvertida de uma sobredose de DESFERAL por via i.v. pode ser associada a sintomas agudos mas transitórios, como perda da visão, afasia, agitação, dor de cabeça, náusea, bradicardia e hipotensão.
Tratamento
Não há antídoto específico. DESFERAL deve ser descontinuado e adotadas medidas sintomáticas apropriadas.
DESFERAL dialisvel.

Fabricante :

Novartis Biociências S.A.

Novartis Pharma
0800-888-3003
8h às 17h
sic.novartis@novartis.com

Novartis Saúde Animal
0800-888-8280
seg. a sex., das 8h às 17h
nac.br@novartis.com

Novartis OTC
0800-775-8181
sic.novartis@novartis.com

CIBA Vision
0800-775-2422
sic.novartis@novartis.com

Sandoz
0800-400-9192
sac.sandoz@sandoz.com

Novartis é um grupo farmacêutico suíço criado em 1996 pela fusão de Ciba-Geigy e Sandoz com sede em Basileia, na Suíça. A Novartis está dividida em três grandes divisões: Pharma, Consumer Health e Sandoz.

Alguns medicamento do mesmo Fabricante :

Aclasta, Actigall, Afinitor, Agasten, Agrovet PS, Agrove, Anacyclin, Anafranil, Andursil, Apresolina, Aredia, Buspanil, Calsan, Cataflam D, Cedilanide, Cibacalcina, Cibalena A, Clofazimina, Comtan, Deserila, Desferal, Diocomb SI, Diovan Amlo, Diovan HCT, Doretrim, Estalis, Exelon, Faclor AP, Faclor, Flotac, Glyvenol, Hydergine, Leucomax, Lioresal, Locorten, Lopressor, Losalen, Lotensin H, Ludiomil, melleril, Mericomb, Merigest, Merimono, Methergin, Miflasona, Parlodel Sorol, Sandostatin, Trimedal Tosse, Xolair, Zaditen, Zelmac, Zometa, Zurcal,

Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.