Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Corus H - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Hidroclorotiazida e Losartam.

Classe terapêutica : Antihipertensivos

Apresentação : Comprimidos revestidos 50/12,5 mg. Embalagens com 14 e 28 comprimidos.

Indicação : é indicado na hipertensão arterial. A combinação de dose fixa não está indicada para terapêutica inicial.

Efeito Colateral :

O produto geralmente bem-tolerado. Ocasionalmente, tém-se reportado mal-estar epigástrico, diarreia, mialgia, cãibras musculares, tonturas, insônia, congestáo nasal, astenia, fraqueza, edema ou inchao local, náuseas e faringites, cefaleia, hipotensão ortostática e exantema. Todos estes efeitos foram geralmente leves. Nos ensaios clínicos controlados, a descontinuação da terapia somente ocorreu em 2,8% dos pacientes. Um paciente com hipersensibilidade ao Ácido acetilsalicílico e penicilina, quando tratado com losartam, apresentou inchao dos lbios e Pólpebras com exantema facial, que retornou ao normal 5 dias após retirada medicação . Excepcionalmente, tem-se observado aumento leve e transitório das transaminases, da uria e da creatinina.

Precauções :

Quando o medicamento é utilizado no segundo ou terceiro trimestre da gravidez, É possível a Ocorrência de dano fetal e no neonato, inclusive morte. Assim, quando a gravidez for detectada de imediato, a medicação deve ser suspensa ou substituída. O uso de fármacos que agem diretamente no sistema renina-angiotensina pode causar alterações fetais, inclusive morte. Vários casos já foram relatados na literatura médica em pacientes usando inibidores da ECA durante o segundo ou terceiro trimestre de gravidez. E altas alterações fetais incluem: hipotensão neonatal, hipoplasia craniana neonatal, anúria, insuficiência renal reversível ou irreversível e morte. Oligohidrmnio também tem sido relatado. Em geral está associado a malformações craniofaciais. Essas reações adversas não parecem estar relacionadas ao uso dos fármacos no primeiro trimestre da gravidez. Recomenda-se precaução na administração a pacientes com insuficiência renal ou hepática grave. Recomenda-se precaução no incio do tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca ou depletados de sódio (em tratamento com diuréticos ou com dietas hipossódicas restritas), pois pode se produzir um quadro de hipotensão severa. Recomenda-se administrar com precaução a pacientes com enfermidade cerebrovascular ou cardiopatia isquêmica, nos quais o quadro pode se agravar como conseqncia de uma hipotensão severa. Os pacientes devem ser advertidos sobre a necessidade de consultar seu médico em qualquer situação que possa indicar depleção de volume (vertigem, tontura) ou que possa provoc-la (transpiração excessiva, desidratação, diarreia, vômitos). O losartam apresenta um efeito uricosrico potente, por isso recomenda-se que em pacientes predispostos controle-se periodicamente a urina com o objetivo de descartar a precipitação de cristais de ácido rico. Nos pacientes submetidos a cirurgia maior, ou durante a anestesia com drogas que produzam hipotensão, losartam pode bloquear e ação da angiotensina II formada como conseqncia de liberação compensadora de renina. Caso ocorra hipotensão, esta pode ser corrigida mediante a expansão de volume. Diuréticos tiazdicos devem ser usados com cautela em pacientes com função hepática deteriorada ou doença hepática progressiva, uma vez que pequenas alterações no balanão hidroeletrolítico podem precipitar coma hepático. Os diuréticos tiazdicos podem exacerbar ou ativar o lpus eritematoso sistémico. reações de hipersensibilidade aos tiazdicos podem ocorrer em pacientes com ou sem histrico clínico de alergia ou asma brônquica, mas são mais prováveis de ocorrer em pacientes com tal histrico. Nos estudos realizados com o uso de losartam e hidroclorotiazida, a Incidência de pacientes hipertensos que desenvolveram hipercalcemia ou hipocalemia foi muito pequena e nenhum paciente teve que descontinuar o tratamento por alterações para mais ou para menos do potássio srico. Todo paciente recebendo tratamento com diuréticos tiazdicos deve ser observado periodicamente para os sinais clínicos de alterações no balanão hidroeletrolítico: hiponatremia, alcalose hipoclorêmica e hipocalemia. A determinação de eletrôlitos séricos e urinários de particular importncia. Ouso de diuréticos tiazdicos pode requerer, em pacientes diabéticos, ajustes na dose de insulina ou agentes hipoglicemiantes orais. Hiperglicemia pode ocorrer com o uso de tiazdicos, assim, diabetes mellitus latente pode se tornar manifesta durante a terapia com tiazidcos. A terapia com diurético tiazidcos aumenta a excreção de magnésio urinário, que pode resultar em hipomagnesemia, bem como redução na excreção de cálcio com ligeira elevação do cálcio srico. Hipotensão sintomática: paciente recebendo CORUS-H deve ser alertado de que pode sofrer tontura, especialmente nos primeiros dias da terapia, e tal sintoma deve ser referido ao médico. Ocorrendo sncope, a medicação deve ser interrompida e o médico, informado a respeito.

Fórmula :

Cada comprimido revestido de 50/12,5 mg contém: Losartam 50 mg; Hidroclorotiazida 12,5 mg; Excipiente q.s.p. 1 comprimido (lactose anidra, povidone, celulose microcristalina, amido glicolato sódico, dióxido de silício coloidal, estearato de magnésio).

Contra indicação :

Contraindicado a pacientes com hipersensibilidade conhecida ao losartam e(ou) hidroclorotiazida. Gravidez e lactação. Por causa da hidroclorotiazida, este produto é contra indicado a pacientes com anúria ou hipersensibilidade a outras drogas derivadas da sulfanilamida.

Gravidez e Lactação

Não existem estudos controlados sobre o uso da droga durante a gravidez. Portanto o uso deste medicamento está contra indicado durante a gravidez. Não se conhece se losartam excretado no leite materno. Portanto seu uso está contra indicado a mulheres que estejam amamentando. Caso seu uso seja necessário, recomenda-se interromper a lactação.

Interação Medicamentosa :

Os efeitos anti-hipertensivos do losartam podem ser aumentados por drogas hipotensoras que aumentem a liberação de renina.têm-se descrito efeitos natriuréticos e caliuréticos para losartam. Portanto recomenda-se controle peridico da potassemia em pacientes em tratamento com diuréticos. Tem-se comunicado toxicidade ao lítio em pacientes em tratamento com drogas que aumentam a eliminação de sódio. Losartam tem sido administrado conjuntamente com diuréticos tiazdicos, antagonistas de cálcio e betabloqueadores, sem se observar Interações adversas clinicamente significativas. O cetoconazol e a sulfafenasole são potentes inibidores do sistema P450 de metabolização. Não se sabe se podem produzir alguma influência no efeito de losartam no uso concomitante com o mesmo. O uso concomitante de diuréticos tiazdicos com álcool, barbitúricos ou narcticos pode provocar hipotensão ortostática. A absorção da hidroclorotiazida fortemente reduzida pelo uso concomitante de resinas do tipo colestiramina ou colestipol. O uso conjunto com ACTH intensifica a depleção eletrolítica causada pelo diurético e pode levar à hipocalemia. O uso concomitante com droga antiinflamatória não-esteroidal pode produzir redução do efeito diurético, anti-hipertensivo dos agentes tiazdicos.

Modo de Usar :

A dose inicial usual de losartam de 50 mg uma vez ao dia, ou 25 mg em pacientes com possível depleção de volume intravascular (por exemplo, pacientes em tratamento com diuréticos) e em pacientes com histrico clínico de insuficiência hepática. Losartam pode ser administrado uma ou duas vezes ao dia com doses diárias variando de 25 a 100 mg. Se o efeito anti-hipertensivo, durante a fase de vale, não for adequado, usando-se o esquema de dose única diária, um esquema de duas doses diárias pode ser instituído, usando-se a mesma dose total ou aumentando-se a dose. A hidroclorotiazida eficaz em doses de 12,5 mg até 100 mg uma vez ao dia e pode ser administrada em doses de 12,5 até 50 mg, como CORUS-H. Pacientes que não são controlados adequadamente com losartam ou hidroclorotiazida em separado podem ser submetidos terapia com CORUS-H. A dose inicial é de 1 comprimido uma vez ao dia. Se a pressão sanguínea permanecer sem controle adequado após cerca de 3 semanas de terapia, a dose pode ser aumentada para dois comprimidos ao dia. Mais de dois comprimidos diários não é recomendável. Uso em pacientes com insuficiência renal: A terapia com CORUS-H pode ser realizada enquanto o clearance de creatinina do paciente for maior que 30 ml/min. Uso em pacientes com insuficiência hepática: A dose apropriada para incio de tratamento sempre de 25 mg de losartam. CORUS-H 50/ 12,5 MG não é indicado para tratamento de pacientes com insuficiência hepática.

Superdosagem :

Não existem antecedentes de superdose com losartam. Não obstante, a manifestação mais provável é a hipotensão excessiva, que poderá ser corrigida colocando-se o paciente em posição supina com os membros elevados e mediante a infusão salina normal. Com relação hidroclorotiazida, os sinais e sintomas mais comuns são aqueles causados por depleção hidroeletrolítica e desidratação resultante da diurese excessiva. Tratamento de suporte deve ser instituído visando a manter o balanão hidroeletrolítico do paciente.

Fabricante :

Fabricante : s Biosintética Ltda.

Medicamentos do mesmo fabricante :

adalat_oros., anangor., ansentron, arovit., avalox., baycuten-n, bayro-gel, benerva, bepantol, biocarbo, biometrox, biopaxel, biorrub, bioxifeno, bonar, brozepax, canesten, cipro, copaxone, corus_50_mg, corus_h, corus-h, deprilan_5_mg, dermomax, disgren, dysport, ephynal, eupressin, eupressin, ezulen, filgrastima, fluticaps, formocaps, gino-canesten_1, gino-canesten_3, leucovorina, lipobay, lisinopril, litiocar, loratadina, micetal, minor, miodaron, naproxeno, nicolan, nifelat, nootron, oceral, omeprazol, ondansetron, one-a-day_50, osteocalcic, osteotrat, oxcord, paclitaxel, pantopept, paracetamol, prevax, progresse, revangel, ribavirina, rupafin, saridon, sinergen, somatrop, supradyn, vincetron


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.