Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Citostal 40 mg

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Lomustina.

Classe terapêutica : Antineoplásicos.

Apresentação : Citostal é apresentado em frascos com 5 cápsulas. cada cápsula contém 10 ou 40mg de lomustina(ccnu).

Indicação : CITOSTAL é indicado como terapia paliativa em associação com outras modalidades de tratamento ou em combinações estabelecidas com outros agentes quimioterapêuticos aprovados nas seguintes neoplasias:
Tumores Cerebrais - primrios ou metastáticos, em pacientes que já tenham recebido tratamento cirúrgico e ou radioterapêutico apropriado.
Doença de Hodgkin - como terapia secundária
Outros tumores - CITOSTAL tem sido empregado em combinação com outros agentes terapêuticos, apenas após outros métodos convencionais haverem falhado.

Efeito Colateral :

Gastrintestinal
Nuseas e vômitos podem ocorrer cerca de 3 a 6 horas após uma dose oral e geralmente persistindo por pelo menos 24 horas. Pode se reduzir a frequência e duração desses efeitos colaterais através do uso de antiemáticos antes da administração da droga e administrando a pacientes em jejum.
Toxicidade Hematológica
A toxicidade mais frequente e sria do CITOSTAL é a mielodepressão retardada. Ocorre geralmente de 4 a 6 semanas após a administração da droga e está relacionada dose. Trombocitopenia ocorre cerca de 4 semanas após a administração e persiste por 1 ou 2 semanas. Leucopenia ocorre de 5 a 6 semanas após uma dose de CITOSTAL e persiste por 1 ou 2 semanas. Aproximadamente 65% dos pacientes recebendo 130mg/m 2 apresentam leucopenia abaixo de 5000 leuccitos/mm 3 e 36% apresentam leucopenia abaixo de 3000 leuccitos/mm 3. A trombocitopenia geralmente mais severa que a leucopenia. Entretanto, ambos podem ser toxicidades limitantes a dose.
CITOSTAL pode produzir mielodepressão cumulativa, manifestada através de ndices mais depressivos, ou por depressão mais prolongada após repetidas doses.
A Ocorrência de leucemia aguda e displasias medulares tem sido registrada em pacientes em tratamento prolongado com nitrosurias.
Anemia também ocorre, mas menos frequente e grave do que a trombocitopenia ou a leucopenia.
Toxicidade Pulmonar
A toxicidade pulmonar carcterizada por infiltrados pulmonares e/ou fibrose raramente tem sido relatada com o uso de CITOSTAL. O incio da toxicidade ocorre após um intervalo de seis ou mais meses desde o incio do tratamento com doses cumulativas de CITOSTAL geralmente maiores que 1100mg/m 2. há um relato de toxicidade pulmonar com uma dose cumulativa de somente 600mg.
Fibroses pulmonares de incio retardado ocorrendo até 15 anos após o tratamento tém sido observados com tumores intracranianos que receberam nitrosurias durante sua infância e incio da adolescncia.
Outras toxicidades
Tem sido raramente relatadas; estomatite, alopécia, e anemia. As reações neurológicas tais como desorientação, letargia, ataxia e disartria tém sido observados em alguns pacientes recebendo CITOSTAL. Entretanto não está esclarecida a relação com a medicação nesses pacientes.
Nefrotoxicidade
Anormalidades renais constituídas de redução no tamanho dos rins, azotemia progressiva e insuficiência renal tém sido relatadas em pacientes que tenham recebido altas doses cumulativas após terapia prolongada com o CITOSTAL e outras nitrosurias. Ocasionalmente, também tém sido relatados casos de alteraces renais em pacientes recebendo doses totais inferiores.
Hepatotoxicidade
Um tipo reversível de toxicidade hepática, manifestada pelo aumento dos níveis de transaminases, fosfatase alcalina e bilirrubinas tém sido relatadas em uma pequena porcentagem de pacientes recebendo CITOSTAL.
POSOLOGIA E Administração
A dose recomendada de CITOSTAL em adultos e crianças é de 130mg/m 2 por via oral como dose única a cada 6 semanas. Em indivíduos com função medular comprometida, a dose deve ser reduzida a 100mg/m 2 a cada 6 semanas.
Não se deve administrar um outro ciclo de tratamento, até que ocorra a recuperação medular a níveis aceitveis (plaquetas > 100.000/mm 3; leuccitos > 4.000/mm 3).
O hemograma deve ser monitorizado semanalmente, e novos ciclos não devem ser repetidos antes de 6 semanas; porque a toxicidade hematológica retardada e cumulativa. Doses subsequentes dose inicial devem ser ajustadas de acordo com a resposta hematológica do paciente dose precedente. O seguinte esquema sugerido como guia para o ajuste da dose a ser administrada:
NADIR após DOSE ANTERIOR PERCENTAGEM DA DOSE ANTERIOR A SER ADMI
NISTRADA
LEUCCITOS PLAQUETAS
> 4.000> 100.000 100%
3.000 - 3.999 75.000 - 99.000 100%
2.000 - 2.999 25.000 - 74.999 70%
< 2.000< 25.000 50%
Quando CITOSTAL for usado em combinação com drogas mielodepressivas, as doses devem ser ajustadas de acordo.

Precauções :

Devido a depressão medular retardada, os hemogramas devem ser monitorizados semanalmente por pelo menos seis semanas após a dose.
Estudos da função pulmonar basal devem ser conduzidos juntamente com os testes da função pulmonar durante o tratamento. Pacientes com valor basal inferior a 70% da Capacidade Vital forçada prevista ou da Capacidade Difusora de Monxido de Carbono (DL co) encontram-se particularmente em risco.
Como CITOSTAL pode causar disfunções hepáticas recomenda-se que os testes da função hepática sejam periodicamente monitorizados.
Os testes da função renal também devem ser periodicamente monitorizados.

Advertências

CITOSTAL deve ser prescrito por profissionais com experiência no uso de agentes antineoplásicos.
O efeito txico mais comun e grave de CITOSTAL é a depressão medular retardada, notavelmente a trombocitopenia e a leucopenia, que podem contribuir para hemorragias e infecções graves em pacientes já comprometidos.
Hemogramas devem ser monitorizados semanalmente durante pelo menos 6 semanas após a dose (ver reações ADVERSAS). Na dose recomendada, os ciclos de CITOSTAL não devem ser realizados com frequência maior que a cada 6 semanas.
A toxiucidade medular do CITOSTAL cumulativa e portanto o ajuste da dosagem deve ser considerado com base ao hemograma da dose anterior (ver ajuste de dosagem na tabela ``POSOLOGIA E Administração'').
Deve-se tomar cuidado ao se administrar o CITOSTAL a pacientes com nmero de plaquetas, leuccitos ou eritrcitos circulantes diminuidos. (ver ``POSOLOGIA E Administração'').
A toxicidade pulmonar do CITOSTAL parece estar relacionado dose (ver ``reações ADVERSAS'').
O uso prolongado de nitrosurias tem sido relatado por estar provavelmente associado ao desenvolvimento de malignidades secundárias.
Os testes das funções renais e hepáticas devem ser periodicamente monitorizados (ver ``reações ADVERSAS'').
Uso na gestação
O uso seguro do CITOSTAL durante a gravidez não está estabelecido. CITOSTAL embriotxico e teratogúnico em ratos e embriotxico em coelhos em doses equivalentes s empregadas em seres humanos. Se esta droga for usada durante a gravidez ou se a paciente engravidar enquanto estiver tomando esta droga, a paciente deve ser informada do risco potencial ao feto. Mulheres com potencial de engravidar devem ser aconselhadas a evitar a gravidez.
Carcinognese, Mutagnese e Fertilidade
CITOSTAL carcinogúnico em ratos e camundongos, produzindo um aumento acentuado na Incidência de tumores em doses próximas as utilizadas clinicamente.
A terapia com nitrosurias tem potencial carcinogúnico.Tem sido relatada a Ocorrência de leucemia aguda e displasias medulares em pacientes tratados com nitrosurias.
CITOSTAL também afeta a fertilidade em ratos machos, em doses um pouco maiores que a dose humana.
Uso na lactação
Não É conhecido se esta droga excretada no leite humano. Devido muitas drogas serem excretadas no leite humano e a Ocorrência com CITOSTAL de reações adversas srias em bebs sendo amamentados, deve-se optar por interromper a amamentação ou a administração da droga, levando-se em conta a importncia da droga para a me.

Contra indicação :

CITOSTAL não deve ser administrado a indivíduos que tenham demonstrado hipersensibilidade prvia a esta droga.

Fabricante :

Bristol-Myers Squibb Farmacêutica S.A.
Rua Carlos Gomes, 924,
Santo Amaro - São Paulo - SP
CNPJ 56.998.982/0001-07
Sac: 0800 727 6160 - sac.brz@bms.com

Medicamentos do mesmo labaratório:


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A auto-medicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.

Emagrecimento e Aumento de Massa Muscular