Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Citanest - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo : Felipressina e Prilocaina.

Apresentação : Solução injetível. Caixas com 50 tubetes de 1,8 ml.
composição Cada ml contém: Cloridrato de prilocana, 30 mg; Felipressina (octapressin), 0,03 UI.

Indicação : Anestesia de infiltração em Odontologia, onde não há necessidade de isquemia profunda na rea injetada. Anestesia de bloqueio nervoso regional em Odontologia.

Efeito Colateral :

As reações ao CITANEST são muito raras em procedimentos dentários nas doses recomendadas e são similares s observadas com outros anestásicos locais. Entretanto as reações psicogênicas são comuns antes ou durante os procedimentos dentários e podem imitar os sintomas de reações sistémicas generalizadas aos anestásicos locais. As seguintes reações adversas tém sido observadas durante todos os tipos de Administração de prilocana e não foram necessariamente relatadas durante o uso odontológico de prilocana e podem resultar de altos níveis plasmáticos devido a dose excessiva, injeção intravascular acidental, absorção rápida ou hipersensibilidade. Tais reações envolvem o sistema nervoso central e (ou) o sistema cardiovascular: nervosismo, zumbido, contração muscular, euforia, sonolência, visão dupla ou turva, tontura, convulsões, inconsciência e, possivelmente, parada respiratéria; hipotensão, depressão miocrdica, bradicardia e, possivelmente, parada cardíaca. Sinais e sintomas de depressão cardiovascular podem comumente resultar de reação vasovagal, particularmente se o paciente está na posição ereta. Menos comumente elas podem resultar do efeito direto da droga. A não-detecção dos primeiros sinais, tais como sudorese, sensação de fraqueza, alteração do pulso ou dos sentidos, pode resultar em hipoxia cerebral progressiva e convulsões ou colapso cardiovascular grave. A Incidência de reações adversas neurológicas (ex.: dficit neurológico persistente) associada ao uso de anestásicos locais muito baixa. reações neurológicas podem depender da droga utilizada, da via de Administração e do estado físico do paciente. Muitos desses efeitos podem estar ligados s Técnicas bloqueadoras, com ou sem a contribuição da droga. reações neurológicas que acompanham bloqueios regionais de nervos incluem anestesia persistente e parestesia. Em casos extremamente raros, os anestásicos locais tém sido associados a reações alérgicas (nos casos mais graves, choque anafiltico). A formação de metemoglobinemia pode ocorrer após a administração de prilocana. Em pacientes sem anemia ou deficiências circulatérias, o grau de metemoglobinemia induzida por 600 mg de prilocana, ou menos, não teve significado clínico. Sintomas clínicos de metemoglobinemia não foram relatados nas doses recomendadas para uso odontológico.

Contra indicação :

história de hipersensibilidade aos anestásicos locais do tipo amida ou a outros componentes da fórmula; Metemoglobinemia congnita ou idioPótica.

Interação Medicamentosa :

Prilocana deve ser usada com cuidado em pacientes recebendo antiarrtmicos, como a tocainida, pois pode aumentar os afeitos txicos. A prilocana pode acentuar a formação de metemoglobina em pacientes tratados com outras drogas que induzem a metemoglobinemia (ex.: sulfonamidas). A felipressina, nas doses usadas em CITANEST, não interage com os antidepressivos tricclicos.

Modo de Usar :

Deve-se usar a menor dose eficaz. A dose também depende da rea da cavidade bucal a ser anestesiada, da vascularidade do tecido e da Técnica anestásica. A dose total deve ser ajustada de acordo com a idade, tamanho e estado físico do paciente. Doses recomendadas para a maioria doe procedimentos dentários: Adultos normais sadios: 1-5 ml (30-150 mg de cloridrato de prilocana), o que equivale na prticas 1-3 tubetes. Crianças menores de 10 anos: 1-2 ml (30-60 mg de cloridrato de prilocana), o que equivale na prtica a 0,5-1 tubete. Não se deve administrar mais de 600 mg de prilocana como injeção única em indivíduos adultos normais sadios.

Precauções e Advertências

Antes da administração de um anestásico local, deve-se verificar a disponibilidade do aparelho ressuscitador, assim como equipamentos para oxigenação e ventilação assistida e medicamentos utilizados no tratamento das reações tóxicas. A injeção intravascular, mesmo de pequenas doses de anestásicos locais na rea da cabeça e pescoo, pode causar reações adversas sistémicas similares s observadas após injeção intravascular acidental em altas doses em outras reas. Acidose ou hipoxia podem aumentar o risco e a gravidade das reações tóxicas. Tais reações envolvem o sistema nervoso central e o sistema cardiovascular. Os anestásicos locais devem ser administrados com cuidados a pacientes com doença cardíaca grave, anemia grave ou distúrbio circulatério de qualquer origem. Os anestásicos locais devem ser evitados quando há inflamação na regio da injeção.

Superdosagem :

reações generalizadas do sistema nervoso central ou reações cardiovasculares são geralmente relacionadas com altos níveis plasmáticos devido a injeção intravascular acidental ou superdosagem. Uma dose da 600 mg de cloridrato de prilocana pode causar um aumento de metemoglobina de aproximadamente 1% (valor fisiológico normal) a aproximadamente 4%-6% da hemoglobina total. Este aumento não é associado a qualquer sintoma adverso respiratério, cardiovascular ou do SNC. Tratamento imediato das reações adversas sistémicas: Coloque o paciente na posição supina. Eleve as pernas 30 a 45 graus acima do nível horizontal. Deve-se assegurar a passagem de ar. Se a ventilação for inadequada, ventile o paciente com oxignio, se possível. Se o pulso baixo (< 40) ou não determinível, inicie massagem cardíaca externa. Se o paciente ficar inconsciente e (ou) com ventilação inadequada após a realização das medidas acima mencionadas, deve-se incluir medidas adicionais de tratamento das convulsões e instituição de ventilação mecúnica. Tratamento de suporte da deficiência circulatéria pode requerer Administração de líquidos por via intravenosas, quando apropriado, um vasopressor (ex.: efedrina), de acordo com a situação clínica. O tratamento das convulsões consiste em assegurar a ventilação e controlar as convulsões. Se as convulsões persistirem mesmo com ventilação adequada, deve-se administrar intravenosamente 5-15 mg de diazepam ou 50-200 mg de tiopentona sódica. Como esse tratamento também pode causar depressão respiratéria, deve-se ter disponíveis meios de suporte mecúnico ou ventilação controlada.

Fabricante :

Astra química e farmacêutica Ltda.

Rua Roque Petroni Jr., 999 - 8º andar
04707-910 - São Paulo - SP
Tel: 55 (011) 5561-1049 - Fax: 55 (011) 530-4746

Medicamentos do mesmo fabricante :

Astramorph, Bricanyl, Citanest 3, Diprivan, Emla disco, Emla creme, Emla penso, Emla, Foscavir, Lidopass, Lisinopril, Mysoline, Omeprazol, Propofol, Xylocaina, Xyloproct


Advertências :

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos :

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma :

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.