Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Ceclor Af - Bula

Esta bula é um registro histórico do medicamento descrito abaixo, meramente informativo e destinado ao público em geral.

Princípio ativo: Cefaclor.

Apresentação: Caixas com 10 e 30 drágeas de 375 e 750 mg.

Indicação: Tratamento das seguintes infecções, quando causadas por cepas sensíveis dos seguintes microorganismos: bronquite aguda e exacerbações agudas de bronquite crônica causadas por S. pneumoniae, H. influenzae (incluindo cepas produtoras de betalactamase), H. parainfluenzae, M. catarrhalis (incluindo cepas produtoras de betalactamase), e S. aureus. Faringite e amigdalite causadas por S. pyogenes (estreptococos do grupo A). (A penicilina é a droga usual de escolha no tratamento e prevenção das infecções estreptoccicas, incluindo a profilaxia da febre reumática. Ceclor AF geralmente eficaz na erradicação dos estreptococos da orofaringe; entretanto, ainda não estáo disponíveis dados substanciais estabelecendo a eficácia do Ceclor AF na prevenção da febre reumática). Pneumonia causada por S. pneumoniae, H. influenzae (incluindo cepas produtoras de betalactamase) e M. catarrhalis (incluindo cepas produtoras de betalactamase). Infecções não complicadas do trato urinário inferior, incluindo cistite e bacteriria assintomática, causadas por E. coli, K. pneumoniae, P. mirabilis e S. saprophyticus. Infecções da pele e estruturas da pele causadas por S. pyogenes (estreptococos do grupo A), S. aureus (incluindo cepas produtoras de betalactamase) e S. epidermidis (incluindo cepas produtoras de betalactamase). Devem ser realizados estudos bacteriológicos para determinar os microorganismos causais e sua sensibilidade ao cefaclor. A terapia pode ser iniciada enquanto se aguarda os resultados desses estudos. Uma vez que esses resultados estejam disponíveis, a terapia antimicrobiana deve ser ajustada de acordo.

Efeito Colateral:

A maioria das reações adversas observadas nos estudos clínicos com o Ceclor AF foi leve e passageira. As seguintes reações adversas foram reportadas após o uso do Ceclor AF em estudos clínicos: gastrintestinal: diarreia, náusea, vômito e dispepsia. Hipersensibilidade: erupção cutânea, urticária ou prurido. Uma reação semelhante doença do soro foi reportada entre os 3.272 pacientes tratados com o Ceclor AF durante os estudos clínicos controlados. Sistemas hematológico e linfático: eosinofilia. Geniturinário: monilase vaginal e vaginite. reações adversas com relações causais incertas: sistema nervoso central: dor de cabeça, tontura e sonolência. hepático: elevações transitérias das transaminases (ast e alt) e da fosfatase alcalina. Renal: aumento transitório do bun ou da creatinina. Testes de Fabricante: trombocitopenia passageira, leucopenia, linfocitose, neutropenia e urinlise anormal. Além das reações adversas relacionadas acima, observadas em pacientes recebendo Ceclor AF, as seguintes reações adversas e exames clínicos de Laboratório alterados foram reportados em pacientes tratados com Ceclor. Eritema multiforme, febre, anafilaxia (pode ser mais comum em pacientes com uma história de alergia penicilina), síndrome de Stevens-Johnson, teste de Coombs direto positivo e prurido genital. Sintomas de colite pseudomembranosa podem aparecer durante ou após o tratamento antibiótico. As seguintes reações foram raramente reportadas em pacientes tratados com Ceclor: necrólise epidermal tóxica, nefrite intersticial reversível, disfunção hepática, incluindo colestase, aumento no tempo de protrombina em pacientes recebendo cefaclor e varfarina concomitantemente, hiperatividade reversível, nervosismo, insônia, confusão, hipertonia, anemia aplsica, agranulocitose e anemia hemoltica. Além das reações adversas acima, as seguintes reações adversas foram reportadas em pacientes tratados com antibióticos betalactémicos: colite, disfunção renal e nefropatia tóxica. Diversos antibióticos betalactémicos implicaram em desencadear convulsões, particularmente em pacientes com insuficiência renal quando a dose não foi reduzida. Se ocorrerem convulsões relacionadas com a terapia, a droga deve ser suspensa. Pode-se aplicar terapia anticonvulsivante, se clinicamente indicada.

Fórmula:

Cada drágea de 375 mg contém: cefaclormonoidratado, equivalente a cefaclor 375 mg; excipiente q.s.p. 1 drgea. Cada drágea de 750 mg contém: cefaclor monoidratado, equivalente a cefaclor 750 mg; excipiente q.s.p. 1 drgea.

Contra indicação:

Pacientes com hipersensibilidade conhecida ao cefaclor e a outras cefalosporinas. Antes de ser instituída a terapia com Ceclor AF deve ser feita uma cuidadosa investigação para determinar se o paciente teve reações anteriores de hipersensibilidade às cefalosporinas, penicilinas ou outras drogas. Este produto deve ser administrado cautelosamente a pacientes sensíveis penicilina. Os antibióticos devem ser administrados com precaução a qualquer paciente que tenha demonstrado alguma forma de alergia, particularmente a drogas.
Se ocorrer uma reação alérgica ao Ceclor AF, interromper o uso da droga. reações graves de hipersensibilidade aguda podem requerer o uso de adrenalina e outras medidas de emergência. Os antibióticos, incluindo Ceclor AF, devem ser administrados cautelosamente a qualquer paciente que tenha demonstrado alguma forma de alergia, particularmente a drogas. Colite pseudomembranosa tem sido relatada praticamente com todos os antibióticos de largo espectro (incluindo os macrolídeos, penicilinas semi-sintáticas e cefalosporinas); portanto, importante considerar este diagnóstico em pacientes que desenvolvem diarreia associada com o uso de antibióticos. Tais colites podem variar em gravidade de leves a gravssimas. Casos leves de colite pseudomembranosa geralmente respondem com apenas a suspensão da droga. Em casos moderados a graves, devem ser tomadas medidas apropriadas.

Modo de Usar:

Ceclor AF pode ser administrado por via oral independente das refeições. Contudo, a absorção aumenta quando o Ceclor AF é administrado com alimento. As drágeas não devem ser partidas, esmagadas ou mastigadas. A dose recomendada para faringite e amigdalite, infecções da pele e estruturas da pele de 375 mg 2 vezes ao dia. Para infecções do trato urinário inferior, a dose recomendada é de 375 mg 2 vezes ao dia ou 500 mg 1 vez ao dia. A dose recomendada para bronquite de 375 mg ou 500 mg 2 vezes ao dia. Para pneumonia, a dose recomendada é de 750 mg 2 vezes ao dia. No tratamento de infecções causadas por S. pyogenes (estreptococos do grupo A), a dose terapêutica do Ceclor AF deve ser administrada por pelo menos 10 dias. Superdosagem: sinais e sintomas: os sintomas txicos que se seguem a uma superdosagem do Ceclor AF podem incluir náusea, vômito, desconforto epigástrico e diarreia. A gravidade do desconforto epigástrico e a diarreia estáo relacionadas dose. Se surgirem outros sintomas provável que sejam devido a uma doença subjacente, a uma reação alérgica ou a efeitos de outra intoxicação . Tratamento: ao tratar uma superdosagem, considerar a possibilidade de superdosagem de múltiplas drogas, Interações Medicamentosas: e de cinéticas pouco comuns de drogas no paciente. Proteger as vias aéreas do paciente e manter a ventilação e a perfusão. Monitorar e manter meticulosamente dentro de limites aceitveis os sinais vitais do paciente, os gases do sangue, eletrôlitos séricos, etc. A absorção das drogas pelo trato gastrintestinal pode ser diminuída administrando-se carvo ativado que, em muitos casos, mais eficaz do que a mese ou a lavagem, considerar o carvo ao invs de ou em adição ao esvaziamento gástrico. Doses repetidas de carvo durante algum tempo podem acelerar a eliminação de algumas drogas que tenham sido absorvidas. Proteger as vias aéreas do paciente quando aplicar o esvaziamento gástrico ou o carvo. Diurese forçada, dilise peritoneal, hemodilise, ou hemoperfusão com carvo não foram determinadas como benficas nos casos de superdosagem com cefaclor.

Fabricante:

Eli Lilly do Brasil Ltda.

Endereço: Av. Morumbi, 8264 - Brooklin, São Paulo - SP, 04703-002
Telefone:(11) 2144-6911

Sac: 0800 723 6666 - Cx. postal 21.313.6

Medicamentos do mesmo fabricante:

Adcrica, Axid, Ceclor af, Celance, Dimefor, Dobutrex, Dreniformio, Drenison n, Drenison, Dynabac, Ergotrate, Glucagon, Humatrope, Humulin, Ilosone, Kefadim, Keflex, Merthiolate, Oncovin, Prozac 20, Prozac, Vancocina, Velban, Zyprexa


Advertências:

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos:

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma:

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.