Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial. Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativo Procure o medicamento pela classe terapêutica Mande-nos um e-mail

Ampicilina - Bula

Bula do fármaco da categoria dos antibióticos beta-lactâmico semissintéticos, obtido a partir do ácido 6-aminopenicilânico, de elevado consumo na medicina.

Princípio ativo: Ampicilina Sódica.

Classe terapêutica: Antibióticos Sistêmicos.

Apresentação:

O Pó estéril é acondicionado em frascos de vidro tipo II com rolha de borracha e cápsula de alumínio.

Ampicilina Labesfal, 500mg, Pó para solução Injetável (I.V., I.M.)
- Embalagem com 1 unidade
- Embalagem com 4 unidades
- Embalagem com 50 unidades

Ampicilina Labesfal, 1000mg, Pó para solução Injetável (I.V., I.M.)
- Embalagem com 1 unidade
- Embalagem com 4 unidades
- Embalagem com 50 unidades

Indicação: A Ampicilina está principalmente indicada no tratamento das infecções causadas por estirpes sensíveis dos microorganismos indicados abaixo, nomeadamente nas suas manifestações:
-respiratórias;
-O.R.L.e estomatológicas;
- Renais e uro genitais;
- Ginecológicas;
- Digestivas e biliares
A Ampicilina e uma penicilina semi-sintática, é um antibiótico bactericida derivada do Núcleo básico 6 amino penicilúnico: ácido 6 [D(-) alfa - aminofenilacetémico]penicilúnico.

Estudos ?in vitro? demonstraram que é ativa sobre os seguintes microorganismos:
- Gram positivos: Streptococcus ? e ? hemolíticos; Streptococcus pneumoniae;
Estafilococos (não produtores de penicilinase); Bacilus anthracis; Clostridia spp.
Corynebacterium xerosis e a maior parte de enterococcus.

A Ampicilina não resiste destruição pela penicilinase; consequentemente não eficaz contra estafilococos resistentes penicilina G.

- Gram negativos: Haemophilus influenzae; Neisseria gonorrhoeae; Neisseriameningitidis; Proteus mirabilis e muitas estirpes de Salmonella (incluindo Salmonellatyphosa); Shigella e Escherichia coli.

Antes de Utilizar:

Não utilize Ampicilina Labesfal

- se tem alergia (hipersensibilidade) s penicilinas e s cefalosporinas;
- Infecções causadas por vírus do grupo herpesvírus, nomeadamente mononucleose infecciosa (risco aumentado de acidentes cutâneos).
- Associação com Alopurinol (risco aumentado de acidentes cutâneos).

Tome especial cuidado com Ampicilina Labesfal

O aparecimento de manifestações alérgicas impõe a interrupção do tratamento. As reações de hipersensibilidade (anafilaxia) graves e por vezes fatais foram

Excepcionalmente observadas em doentes tratados com Penicilina.

Perante antecedentes de alergia tópica a estes produtos, a contra indicação formal. a administração de Ampicilina impõe a necessidade de um interrogatório prévio.

A alergia as penicilinas e cruzada com a alergia as cefalosporinas em 5 a 10% dos casos.
O que conduz a banição da administração de penicilinas a indivíduos com alergia conhecida as cefalosporinas. No caso da insuficiência renal, adaptar a posologia em função da clearance da creatina ou da creatinina.

As penicilinas têm sido usadas em doentes idosos não tendo sido descritos até data problemas específicos para este grupo etrio. No entanto, os idosos devido à idade, têm a função renal diminuída, o que pode requerer um ajustamento da dosagem nestes doentes.

Ao utilizar Ampicilina Labesfal com outros medicamentos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver tomando ou tiver tomado recentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Não associar a Ampicilina ao Alopurinol (risco aumentado de fenômenos cutâneos).

Gravidez e aleitamento
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de utilizar Ampicilina Labesfal.

A Ampicilina atravessa a placenta excretada no leite materno, pelo que não deve ser administrada a grávidas e a mulheres em período de aleitamento.

Muitas penicilinas foram administradas a crianças e não foram até data descritos problemas específicos relacionados com este grupo etrio. No entanto, o

desenvolvimento incompleto da função renal nos recém-nascidos e nas crianças, pode retardar a excreção de penicilinas eliminadas por via renal.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Não aplicável.

Modo de Usar:

Utilizar Ampicilina Labesfal sempre de acordo com as Indicações do médico. Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.
Adultos: (I.M / I.V):
1 a 2 ampolas de 6 em 6 horas.

Crianças:
A posologia diária recomendada, tanto pela via intramuscular como intravenosa, varia entre 25 50 mg I Kg, devendo ser dividida em 4 a 6 administrações.

Dose máxima:
300 mg / Kg de peso ou 16 gramas / dia no adulto.

Modo e via de Administração:
Via intramuscular ou endovenosa..

Indicação do momento mais favorável é Administração do medicamento
Em horário a definir pelo médico e de acordo com a situação clínica e de maior comodidade para o doente.

Duração do tratamento médio:
O tratamento com Ampicilina Labesfal deve ser continuado ate ao fim, principalmente na infecção por estreptococos.

Se utilizar mais Ampicilina Labesfal do que deveria

Uma sobredosagem por Ampicilina poderá provocar eventualmente náuseas e vômitos. O tratamento recomendado para as reações de hipersensibilidade consiste na administração de Anti-histamínicos e se necessário na administração sistémica do adrenocorticóides. As reações anafiláticas séricas requerem um tratamento de emergência imediato que consiste no seguinte.

- Administração intravenosa do adrenocorticóides;
- Medidas para a manutenção da função respiratória, em centro hospitalar adequado.

Caso se tenha esquecido de tomar Ampicilina Labesfal:

No caso de ser omitida uma ou mais doses, deve retomar a administração o mais depressa possível. Se a toma for muito próxima da dose seguinte: espaar a dose esquecida e a dose seguinte de 2 a 4 horas ou duplicar a dose seguinte e retomar o horário estabelecido.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico ou farmacêutico.

Efeitos secundários possíveis

Como todos os medicamentos, Ampicilina Labesfal pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas.
Os efeitos secundários mais frequentes são:
- Manifestações alérgicas; nomeadamente: urticária, eosinofilia, edema de Quincke,
afecções respiratórias, excepcionalmente choque anafiláctico.
erupções cutâneas mculo-papulosas de origem alérgica ou não.
- Problemas digestivos: náuseas, vômitos, diarreia
- Candidíase.

Foram descritas outras manifestações, embora raramente.

- Aumento moderado e transitório das transaminases séricas,
- Anemia leucopênica, trombopênica reversíveis,
Nefrite intersticial aguda,
- Casos raros de enterocolites pseudo membranosas.

Modo de Conservar: Ampicilina Labesfal

Conservar a temperatura inferior a 25ºC. A solução reconstituída deve ser conservada frigorifico (2C ? 8C).

Aconselha-se o uso das soluções injetáveis logo após a sua preparação, em virtude da sua instabilidade. As perfusões endovenosas devem ser administradas dentro do prazo máximo de 8 horas após a sua preparação. As soluções que se mostram turvas devem ser substituídas.

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Ampicilina Labesfal após o prazo de validade impresso no rótulo do frasco ou na embalagem exterior, após "VAL.". O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. Outras informações

Qual a composição de Ampicilina Labesfal:

Ampicilina Labesfal, 500mg Injetável: Ampicilina sódica <> 500 mg de Ampicilinabase.
Ampicilina Labesfal, 1000mg Injetável: Ampicilina sódica <> 1000 mg de Ampicilinabase.

Fabricante:

LABESFAL Laboratórios Almiro, S.A.

E-mail: geral@labesfalgenericos.pt
Linha direta Labesfal Genéricos: 918643285
Telefone: +351 232 857 035
Fax: +351 232 853 036

Endereços:

Labesfal Genéricos S.A
Av. Dr. Afonso Costa, nº1370
3465-051 Campo de Besteiros

Labesfal Genéricos, S.A.
Rua D. Luís de Noronha nº4,
7º Andar, 1050-072 Lisboa

Medicamentos do mesmo fabricante:

Acetilsalicilato de Lisina Labesfal 900, Acetilsalicilato de Lisina Labesfal Pó, Acetilsalicilato de Lisina Labesfal, Acetilsalicilato de Lisina, Água Para Preparações Injetáveis basi, Água Para Preparações Injetáveis labesfal, Alfuzosina decafarma, Amoxicilina labesfal, Ampicilina, Besflo, Canef, Carbamazepina Labesfal 200, Carbamazepina Labesfal 400, Ceftriaxona labesfal 500, Ceftriaxona Labesfal 1000, Ceftriaxona Labesfal 2000, Davicrome, Davilose, Dek, enalapril hidroclorotiazida labesfal, Estreptomicina, Fenitoina Labesfal, Fenobarbital Labesfal, Fluoxetina Mer, Gliclazida fresenius, Gliclazida jaba, Isoprenalina, Lisinopril Hidroclorotiazida Basi, Lisinopril Hidroclorotiazida Labesfal, Lisinopril Hidroclorotiazida Mepha, Lisinopril Labesfal 5, Lisinopril Labesfal 10, Lisinopril Labesfal 20, Lisinopril Ranbaxy, Loratadina Crizin, Meloxicam Labesfal, Morfina Labesfal, Paroxetina Labesfal, Pirimetamina, Ramipril Labesfa, Risperidona Labesfa, Sinvastatina Labesfal.


Advertências:

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos:

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma:

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.