Site Bulário Brasil
Procure o medicamento pelo nome comercial.Vários tipos de calculadoras médicas Procure o medicamento pelo princípio ativoProcure o medicamento pela classe terapêuticaMande-nos um e-mail

Accupril - Bula

Bula do medicamento do tipo IECA, inibidor da enzima conversora da angiotensina. É indicado para tratamento de Hipertensão arterial.

Princípio ativo: cloridrato de quinapril

Classe terapêutica: diutéticos

Apresentação: Embalagens com 28 comprimidos revestidos.

Accupril é um medicamento composto por cloridrato de quinapril, eficaz como monoterapia ou quando usado concomitantemente com diuréticos tiazídicos ou com betabloqueadores em pacientes hipertensos.

Indicação: Tratamento da hipertensão. Accupril é eficaz como monoterapia ou quando usado concomitantemente com diuréticos tiazídicos ou com betabloqueadores em pacientes hipertensos.

Accupril é eficaz no tratamento da insuficiência cardíaca congestiva quando usado concomitantemente com um diurético e/ou glicosídeo cardíaco.

Contra Indicação:

Contraindicado para pacientes que apresentam hipersensibilidade ao produto e para pacientes com histórico de

angioedema relacionado a tratamento prévio com inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA).

Modo de Usar:

hipertensão: monoterapia: a dose inicial recomendada de Accupril em pacientes que não estejam utilizando diuréticos é de 10 ou 20 mg/dia. Dependendo da resposta clínica, a dosagem pode ser ajustada (dobrando-se a dose) para uma dosagem de manutenção de 20 a 40 mg/dia, administrados em dose única ou podendo ser divididos em duas tomadas. Geralmente os ajustes de dosagem devem ser feitos em intervalos de quatro semanas. O controle em longo prazo é mantido em muitos pacientes em regime de dose única diária. Têm sido empregadas doses de até 80 mg diários em alguns pacientes.

Uso concomitante com diuréticos: nos pacientes que devem continuar o tratamento com diuréticos, a dose inicial recomendada de Accupril é de 5 mg, e deve ser subsequentemente ajustada (conforme descrito adiante) até obtenção da resposta ótima (vide Interações Medicamentosas:).

Insuficiência renal: os dados cinéticos indicam que a meia-vida aparente de eliminação do quinaprilat aumenta à medida em que diminui o clearance de creatinina.

As doses iniciais recomendadas baseadas em dados clínicos e farmacocinéticos de pacientes com insuficiência renal são: clearance de creatinina > 60 ml/min: dose inicial máxima recomendada: 10 mg; 30-60 ml/min: 5 mg; 10-30 ml/min: 2,5 mg; < 10 ml/min: até o momento não há experiência suficiente para permitir recomendações específicas de dosagem nestes pacientes.

A idade, isoladamente, não parece afetar o perfil de eficácia ou segurança de Accupril.

Portanto, a dose inicial recomendada de Accupril em pacientes idosos é de 10 mg, administrados uma vez ao dia, seguido de ajuste posológico até obtenção de resposta ótima.

Insuficiência cardíaca congestiva: Accupril é indicado como tratamento coadjuvante com diuréticos e/ou glicosídeos cardíacos. A dosagem inicial recomendada a pacientes com insuficiência cardíaca congestiva é de 5 mg uma ou duas vezes ao dia, após as quais o paciente deve ser cuidadosamente monitorado com relação à hipotensão sintomática. Se a dose inicial de Accupril for bem tolerada, a dosagem individual pode ser ajustada até uma dose efetiva, usualmente 10 a 40 mg/dia divididos em duas doses iguais, com terapia concomitante.

Insuficiência renal: dados cinéticos indicam que a eliminação de Accupril é dependente do nível da função renal. A dose inicial recomendada de Accupril é de 5 mg em pacientes com um clearance de creatinina acima de 30 ml/min e 2,5 mg em pacientes com um clearance de creatinina menor que 30 ml/min.

Se a dose inicial for bem tolerada, Accupril pode ser administrado a partir do dia seguinte em um regime de duas vezes ao dia. Não ocorrendo hipotensão excessiva ou deterioração significativa da função renal, a dose pode ser aumentada em intervalos semanais, baseando-se em respostas clínicas e hemodinâmicas.

Efeito Colateral:

A segurança de Accupril foi testada mostrando ser bem tolerado. As reações adversas foram geralmente de natureza leve e transitórias. As mais frequentes reações adversas nos estudos clínicos controlados foram cefaleia, vertigem, tosse, fadiga, rinite, náuseas e/ou vômitos e mialgia.

Superdosagem:

superdosagem: não há relatos de superdose em seres humanos. Não há informação específica sobre tratamento de superdose com Accupril. As manifestações clínicas mais comuns são sintomas atribuídos à hipotensão severa, a qual normalmente deve ser tratada com expansão de volume por via intravenosa.

Fórmula:

Cada comprimido de 10 e 20 mg contém, respectivamente: cloridrato de quinapril equivalente a 10 e 20 mg de quinapril.

Fabricante:

Parke Davis Warner Lambert

Em caso de dúvidas, favor contatar o Fale Pfizer através do telefone 0800-7701575 (de segunda a sexta-feira das 8h00 às 20h00).


Advertências:

Leia atentamente a bula antes de tomar qualquer medicamento.

Caso tenha alguma dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico.

Este medicamento foi receitado para você e não deve ser dado a outras pessoas; o medicamento pode prejudicial, mesmo a pessoas que apresentem os mesmos sintomas.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar qualquer efeito secundário não mencionados nesta bula, informe o seu médico ou farmacêutico.

Esta bula pode ser utilizada apenas como uma referência secundária e informativa, pois trata-se de um registro histórico deste medicamento, portanto apenas a bula que acompanha o medicamento está atualizada de acordo com a versão comercializada. Sendo assim este texto não pode substituir a leitura da bula original.

O ministério da saúde adverte:

A automedicação pode fazer mal à sua saúde, lembre-se, a informação é o melhor remédio

Como descartar os medicamentos:

Todo medicamento, por conter diversas substâncias químicas, podem representar perigo ao meio ambiente e as pessoas, caso descartados incorretamente.

Nunca despeje líquidos no ralo ou em vasos sanitários, pois podem contaminar águas, mesmo no caso de cidades que contem com usinas de tratamento.

Os medicamentos são produtos que de maneira nenhuma devem ser consumidos fora do prazo de validade.

Informe-se sobre os locais que fazem a coleta adequada dos medicamentos vencidos. O sistema é parecido com o descarte de eletrônicos. Os laboratórios e postos de saúde são responsáveis pelo descarte apropriado para os remédios e algumas farmácias também recolhem os produtos.

Ampolas, seringas, agulhas e frascos de vidro danificados devem ser entregues à farmácia em uma sacola diferente daquela que contém restos de remédios

As embalagens dos medicamentos não devem ser reaproveitadas para o armazenamento de outras substâncias de consumo devido à potencial contaminação residual.

Como conservar seus medicamentos da melhor forma:

Mantenha o produto na embalagem original, tampado, guardado em lugar fresco e seco, ao abrigo da luz, de radiações e de calor excessivo.

No caso de cápsulas, não retire o sachê de sílica do interior da embalagem.

Mantenha-o longe do alcance de crianças.

Manuseie-o com as mãos limpas.

Se a embalagem contiver a etiqueta “Fórmula Fracionada”, siga a orientação descrita na etiqueta

O peso/volume do produto corresponde aquele discriminado no rótulo. A capacidade da embalagem pode ser maior do que seu conteúdo

Limpeza: essencial em qualquer situação. Mantenha os medicamentos livres de pó, partículas e mofo.

Medicamentos devem ser armazenados isoladamente de cosméticos, produtos de limpeza, perfumaria, etc.

Os medicamentos devem ser guardados em salas protegidas da entrada de insetos, roedores e aves.

Caso observe alteração de cor, odor, ou consistência, procure seu farmacêutico.